06/08/2018

Mythos Editora (AVISO): Distribuição Suspensa P/ Livrarias...

A capa APOCALÍPTICA da edição acima - de John BYRNE (um dos últimos lançamentos da MYTHOS)... Reflete bem o clima angustiante e de incertezas do mercado nacional de HQs, que presenciou recentemente: O FIM da Editora Abril (em queda-livre após o cancelamento da linha Disney), os reajustes exorbitantes da Panini, os diversos problemas de distribuição (a Salvat anunciou que fará uma "PAUSA" nas bancas), a bolha do "Efeito Amazon", etc. E agora, foi a vez da Mythos postar um COMUNICADO anunciando a SUSPENSÃO da distribuição de suas revistas pras livrarias: Cultura, Saraiva, e FNAC. As bancas e lojas especializadas devem continuar normais! Segue o texto (publicado na pág oficial da editora no face):

"Prezado leitor, Por problemas alheios à nossa vontade, que vêm ocorrendo com as livrarias Saraiva, Geek, Cultura e Fnac nos últimos meses, a distribuição de nossos títulos para essas empresas foi suspensa. Enquanto a situação não se normalizar, disponibilizamos novas ferramentas de compra em nosso site para que você não perca uma única edição da Mythos. Os leitores de São Paulo têm a opção de retirar seus produtos na própria editora. Além disso, estamos oferecendo novas opções de parcelamento para melhor atendê-lo."

Até+

93 comentários:

  1. Bom dia Leo, realmente preocupante o que está acontecendo no mercado de quadrinhos. Alguém já tinha comentado aqui, que Amazon pratica preços predatórios, destrói a concorrência e depois que fica só, os descontos e as vantagens para o leitor desaparecem, o que de fato já está acontecendo. No fim desse processo desonesto e danoso que a Amazon vem fazendo para o mercado como um todo, o grande prejudicado seremos nós, os amantes da nona arte. Abraço meu amigo.

    ResponderExcluir
  2. E aê, Leo!

    ...Ou seja, os demorados pagamentos das livrarias, os gastos a mais por parte da editora e algumas coisinhas a mais. Talvez a venda direta via Amazon seja melhor em muitos fatores, tanto pra Mythos como para o consumidor.
    O lado negativo já tá se mostrando com as baixas vendas destas agora "pequenas". que tira também a diversão de se ir na livraria pra ver as novidades em hqs (eu mesmo fazia ocasionalmente devido a distância, mas pra mim era uma felicidade), e isso está sendo podado aos poucos.
    A Abril cancela todas as hqs, Panini aumenta preços, Salvat suspende em banca, Mythos não vai mais para as livrarias, e agora o que virá mais adiante? Cara, sinceramente fico triste em ver que tá se tirando movimento e emprego daquilo que já está reduzido. E há também a questão do monopólio, que pra mim não é positivo. Será que essas promoções irão cobrar seu preço futuramente?
    É verdade que em termos de serviço a Amazon faz bem feito, e isso deixa o cliente satisfeito, mas se dependesse de mim, gostaria que continuasse a diversidade das livrarias e bancas de revistas com todas as publicações que tivesse direito, criando sempre o hábito de se visitar esses locais com as novas gerações.
    Agora é esperar pra ver o que virá nas ´"próximas edições"!

    Abs!

    ResponderExcluir
  3. Beleza, Leo?

    Triste esse cenário que se avizinha, hein? Imagina sem bancas ou livrarias, só podendo comprar online com descontos o que mataria as lojas especializadas tipo Tutatis que cobrariam preço cheio e não seriam competitivas, e só podendo ou ir na Amazon ou na loja de cada editora em particular para efetuar a compra. E os Correios devem entrar em greve hoje (08/08).

    Não sei se tem como ter um mercado saudável assim.

    ResponderExcluir
  4. Ventos da mudança. O que aconteceu com abril já era previsível e agora esse caso foi um surpresa. Não compro quase nada dessa editora devido os preços salgados. Nunca comprei, por exemplo, as edições especiais de Conan devido a isso. Vamos ver mais adiante como o quadro fica

    ResponderExcluir
  5. Giulianno de Lima Liberalli08/08/2018 09:15

    Léo, acho que estamos vendo o resultado da saturação do mercado editorial das HQs aliado aos reajustes surreais e exorbitantes, gerando problemas editoriais e encalhes, se por um lado fica ruim para os lançamentos em bancas por outro pode ser positivo para quem tem paciência de aguardar e comprar HQs com bons descontos, só para exemplificar comprei seis volumes pagando mais de R$ 100,00 a menos do que se comprasse na época de lançamento, então é uma espada de dois gumes com efeitos bons e ruins a longo prazo, mas fica uma perspectiva sombria para o comércio de HQs no país no futuro se uma solução mais viável não for encontrada. Panini, por exemplo, só compro em bancas aquilo que não vale a pena comprar na internet e fico aguardando as inevitáveis promoções e liquidações.

    ResponderExcluir
  6. Uma hora essa bolha maluca vai estourar...infelizmente...e os quadrinhos só são uma parte do mercado de produtos de leitura...espero que aconteça uma recuperação quando a bola de neve realmente começar a rolar....uma pena

    ResponderExcluir
  7. Não seria melhor já colocar, todos os títulos para vender apenas pela internet? Grande parte das pessoas que conheço hoje em dia, compra mais HQs e livros, via internet do que pessoalmente. Confesso que esse "Efeito Amazon", deve causar um grande desespero para as outras lojas, porque o que a Saraiva por exemplo faz de promoção de quadrinhos quase sempre desde de quando a Amazon chegou no Brasil, isso é ótimo para nós que colecionamos, mas para eles não deve ser a melhor das opções. Confesso que eu mesmo, só compro na Amazon, mesmo com promoções da Saraiva ou outras lojas, eu só compro na Amazon, sem contar que tem editoras que só fazem parceria com eles, como por exemplo a turma do P&N(Pipoca e Nanquim), as edições deles ou você compra na Amazon ou direto com os caras, não tem em outra loja online. Enfim não sei o que vai ser do mercado de HQs no Brasil, mas espero que isso não afete mais editoras como afetou a Abril por exemplo. Como sempre obrigado por nos informar Leo. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca gostei dessa estratégia de exclusividade com a Amazon; acaba com a concorrência e os preços se mantém constantes, como a primeira edição do Conan pela P&N, passou um bom tempo com um mesmo preço, somente semana passado, a amazon baixou um pouco mais o valor.

      Sempre compro nas duas livrarias, e até prefiro as promoções de desconto progressivo e os cupons da Saraiva (que são aplicáveis a todo o carrinho e são cumulativos com os descontos existentes) do que as ofertas relâmpago da Amazon (que valem apenas para alguns títulos).

      Excluir
  8. Contrato de exclusividade com a Amazon?

    ResponderExcluir
  9. Está com cara de calote. A editora passa o material consignado e as empresas não repassam o valor respectivos as vendas ou dão satisfação. Além do material ficar em posse. É um palpite/suposição. Roberto Xavier.

    ResponderExcluir
  10. Será que essas empresas se uniram tipo o sbt, record e redetv para pressionar editoras contra a Amazon?

    ResponderExcluir
  11. a crise chega ao supérfluos.

    sem problema, tenho uma pilha de leitura enorme na estante para esperar esse inverno passar.

    abs!

    ResponderExcluir
  12. Rapaz, eu já temia por isso a algum tempo; além da crise pela qual passa o Brasil, a entrada da amazon no mercado nacional abalou muito esse meio. Primeiro foram as bancas que sofreram o primeiro baque, agora algumas das maiores livrarias do pais passam por situação delicada. Espero que consigam se restabelecer, porque sem a concorrência, os resultados não serão bons para nós, consumidores.

    Abs

    ResponderExcluir
  13. Monopólio nunca é uma boa coisa. Pode parecer a principio. Mas a longo prazo não. Tanto que os preços e promoções relampagos da Amazon já não acontecem mais como antes. isso é horrível para o consumidor!Não podeira acontecer coisa pior para o mercado!

    ResponderExcluir
  14. O caminho, cada vez mais, é a venda direta. A própria Panini ocasionalmente faz promoção de 50% (nem precisa ser black friday).

    Vamos mudar a forma de consumir quadrinhos assim como mudamos a forma de consumir música. Cadê aquelas lojinhas de discos que proliferavam nas décadas de 80 e 90.

    Sinto falta delas, mas me adaptei (assim como o mercado).

    Talvez o único problema no meio dos quadrinhos seja para os completistas e seus medos de um buraco na coleção.

    ResponderExcluir
  15. Parece que a Livraria Cultura tem dado muito calote!

    ResponderExcluir
  16. "Cultura, Saraiva, e FNAC". Bom... aqui em Ribeirão Preto já fechou a FNAC, que nem tinha lá uma facilidade tão grande assim em parcelar no cartão de crédito (exigiam compras de no mínimo 200 reais para parcelarem em até 3x), mas era um local atrativo para passear, pois os livros e HQs ficavam disponíveis de forma bem fácil e com grande variedade. Tanto que eu ia no shopping daqui por causa da FNAC e hoje parece que falta alguma coisa nele. Apesar de ter a Levraria da Travessa, que é gigantesca e possui sim, muitos encadernados, porém, eles favorecem bastante a linha da Companhia das Letras e Nemo, tornando difícil encontrar material da Panini, Mythos e até da falecida Abril. Gibis de banca, então, sem chance!
    Em outro shopping do mesmo grupo empresarial temos a Saraiva, que também é boa, mas há meses não atualizava a parte dos gibis e no final de emana passado retirou totalmente a bancada deles. Os encadernados de luxo disponíveis naquela filial são escassos e alguns estão até capengas de tanto manuseio e falta de cuidado. Se eu quiser comprar encadernado pela Saraiva, tenho que ir à oura filial ou ir pela Internet. Complicado.
    Temos uma Cultura aqui, igualmente gigantesca, mas ela fica em shopping beeem distante, projetado justamente para que as pessoas do meu bairro não tenham fácil acesso e não queiram ir lá, apesar de que os funcionários são todos daqui da periferia e lá eles são mal-educados, bem mais do que nos outros shoppings. Então, eu nunca entrei nessa Cultura e não sei como anda nem o que tem lá.
    E a Abril vai ladeira abaixo. Colocaram outro grupo empresarial para tomar conta da empresa, mas, pelo jeito, não está surtindo efeito ainda, pois várias revistas vão fechar e muita gente já está na rua. Vamos ver os próximos capítulos...

    ResponderExcluir
  17. Existe uma "mensagem subliminar" nisso tudo. Na verdade é um recado explícito : estamos no século 21 e vivendo em um país chamado Brasil. Quem se restringe à mera língua portuguesa, não domina o inglês e fica na dependência exclusiva das editoras nacionais, está fadado a ser obrigado a mudar de hobby, pois colecionar ou comprar hqs aqui está se tornando tão difícil quanto adquirí-las do exterior. Vide o exemplo do Tex Gold em inúmeras regiões do país. Simplesmente, não se encontra esse título. Mas a demanda pelo mesmo existe de sobra.

    Acho que o barco está afundando. Quem souber nadar, vai conseguir voltar pra rede e continuar curtindo os seus gibis. Mas quem ficar esperando que lhe joguem uma bóia de salvação Made in Brazil, já tá morto.

    ResponderExcluir
  18. E aí Leo!? Confesso que não entendi que a Amazon tenha "culpa" por esta decisão da Mythos, a Saraiva vende com mais descontos.
    Acredito que os preços da Mythos são tão caros que nem nas livrarias com suas promoções estão vendendo e pra conter gastos só vão vender no site da casa. É isso aí.

    ResponderExcluir
  19. Fala Leo, blz?


    Tempos sombrios para o mercado de HQs: editoras em queda, encadernados cada vez mais caros, distribuições estagnadas em banca... Tempos nos quais colecionar quadrinhos tá cada vez mais complicado!

    Olha, confesso que não compro nada da Mythos em razão do preço elevado. Tinha muita vontade de adquirir HQs do Conan, mas, nas aquisições mensais, nunca dava pra encaixar. Sinto falta dos formatinhos com preços leves e acessíveis que dava gosto de acompanhar sem se sobrecarregar tanto financeiramente. As Hqs Disney, por exemplo, fizeram parte da minha infância, tanto que estou nesse hobby até hoje por intermédio delas.
    No mais, torço para que essa fase ruim da Mythos e, em geral, esse cenário "apocalíptico" que ameaça o mercado, sejam superados.

    Abs
    Leonardo Goulart

    ResponderExcluir
  20. "Tô falando..."


    Pois é, Hunter...

    Os sinais se proliferam e ficam mais visíveis a cada dia... O mercado tá em queda-livre!

    Abs!

    ResponderExcluir
  21. "Alguém já tinha comentado aqui, que Amazon pratica preços predatórios, destrói a concorrência e depois que fica só, os descontos e as vantagens para o leitor desaparecem, o que de fato já está acontecendo."


    E aí, Marcilio... blz?

    Já faz tempo mesmo (uns 3 anos, pelo menos) q o assunto: "Efeito Amazon" vem sendo comentado e abordado aqui no blog... E é claro q boa parte dos canais de Youtube e sites com rabo-preso sempre evitaram tocar nesse vespeiro pq levam uma "BALA" ($$$) por fora, rs!

    Mas não se trata simplesmente de culpar a Amazon, q na condição de EMPRESA tá garantindo o lado ($$$) dela: Formando um monopólio em prol do LUCRO próprio (qq empresa no lugar dela pensaria da mesma forma: obter o lucro acima de tudo, redefinir as regras do mercado, esmagar a concorrência - parece até as diretrizes do "Robocop", kkk)! O problema era o consumidor médio ter a PERCEPÇÃO de q estava se formando uma "BOLHA" q iria estourar à qq momento: Implodindo o mercado de HQs (talvez tenha chegado essa hora)!

    Ou seja: Tbm não critico o leitor q buscava os melhores descontos e acaba pagando quase metade do preço num encadernado de luxo (eu tbm fazia isso no caso dos encadernados mais caros)... Só critico aqueles q soltavam foguetes aos gritos de: "A Amazon é Fóda", "A Amazon é a Melhor", "Viva a Amazon"... SEM perceberem e sem aceitarem a ideia de q estavam comemorando, na verdade, um mecanismo q estava destruindo o próprio mercado de HQs (q tanto apreciavam tbm)!

    Sim, eu TBM me aproveitei dos descontos da Amazon pra levar uma vantagenzinha ($$$) de vez em qdo... MAS, fiz isso com a consciência de q lá na frente ia dar merda (e deu)!

    Abs!

    ResponderExcluir
  22. "A Abril cancela todas as hqs, Panini aumenta preços, Salvat suspende em banca, Mythos não vai mais para as livrarias, e agora o que virá mais adiante?"


    E aí, Val... blz?

    Pois é, os indícios começaram a vir como uma verdadeira bola de neve avassaladora... Uma sequência de eventos danosos q nos mostravam claramente q as coisas iam de mal a pior (não poupando editoras de pequeno e até de grande porte)!

    Te confesso q o 1º momento em q percebi a PORRADA q viria pela frente... Foi qdo a Panini lançou o "Escalpo" por 120 reais (no final do ano passado) e logo em seguida confirmou q a partir dali os preços seriam reajustados (ou melhor: Super-faturados). Ali eu senti q era "pra valer", pois tínhamos a editora líder de mercado com os preços lá em cima (impraticável pra colecionador médio acompanhar mtos títulos ao mesmo tempo) e dali em diante tudo começou a desmoronar:

    O fim da linha Disney se seguiu com demissões em massa na Editora Abril (inclusive de amigos meus q trabalhavam lá) e o cancelamento de várias outras revistas (não só de gibis)... e agora essas tretas feias de distribuição (1º com a Salvat e agora com a Mythos)!

    Tempos bicudos mesmo, hein?

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A crise na Abril não tem nada a ver com as HQs Disney (que vendiam bem) e sim com os problemas da própria editora, que vêm de longa data e têm a ver com investimentos mal sucedidos em outras áreas e a progressiva queda de vendas de TODO o material de bancas. O problema é que, por ter o monopólio da distribuição em banca, a crise na Abril afeta todo mundo que vende em banca. A Panini já tinha improvisado uma distribuição própria, mas editoras como a JBC vão se estrepar nisso.

      Excluir
    2. Pois é, Hunter...

      Pelo menos os encadernados dos PATOS (Barks e Rosa) vendiam bem (não duravam mto tempo nas prateleiras)... Já o "Mickey" (Anos de Ouro) era uma BOMBA assumida, tanto, q tinham a ideia de cancelar lá por volta do nº 20 e poucos (fechando a fase de histórias mais longas do Gottfredson), segundo o próprio Figa deixou escapar num comentário!

      Mas ficou a herança maldita da distribuição...

      Abs!

      Excluir
    3. Não acho que as edições de luxo da Abril tivessem vendas ruins, mesmo as do Gottfredson. Tanto que continuaram publicando a um ritmo acelerado e a Abril cancela sem medo tudo que dá prejuízo!

      A questão é a que eu falei, a editora tinha custos operacionais imensos, um passivo gigante (não da área de publicações!) e chegou em um ponto em que mesmo o que dava pouco lucro não era viável. Pô, eles cancelaram Casa Cláudia! Olha estes números de 2016:
      https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/relatorio-sobre-circulacao-de-revistas-mostra-que-a-veja-foi-a-que-mais-perdeu-leitores/

      Casa Claudia vendia mais do que QUALQUER HQ do Brasil!

      Excluir
    4. Números impressionantes mesmo, Hunter...

      E entendo perfeitamente q no ramo empresarial, nem sempre aquilo q parece dar lucro e vender bem, necessariamente estará atendendo às demandas da empresa. É possível sim um produto vender bem, e ao mesmo tempo não cobrir as despesas mais básicas pra manutenção de um negócio maior e q envolve contas e dívidas com bancas mtas vezes altíssimas!

      Abs!

      Excluir
  23. "Não sei se tem como ter um mercado saudável assim."


    E aí, Lierson... blz?

    Sinceramente? Acho q NÃO... Nenhum mercado "saudável" sobrevive num esquema assim, até pq: Qdo as lojas físicas e livrarias morrerem todas (sem conseguirem competir com o monopólio da Amazon) e as bancas normais venderem de TUDO (DVD, bonequinhos, refri/água, crédito pra celular, etc) MENOS revistas e jornais... Eu duvido mto q os descontos on-line sejam mantidos pro leitor!

    E nem precisamos ir mto longe pra vislumbrarmos esse cenário... Olha o site da Eaglemoss: Ela praticamente Só vende miniaturas pelo site oficial agora (eliminou-se a porcentagem das bancas e distribuidoras) e os preços até AUMENTARAM: Uma miniatura Marvel ou DC hj em dia custa na faixa de 75 reais (e dizer q o pessoal já achava caro qdo custavam 37 pila, kkk)!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara aqui é Brasil. Nunca uma empresa "imperialista" vai praticar monopólio. Logo logo um político passa uma lei para beneficiar a sua própria empresa, como querem fazer com a Netflix.

      Excluir
    2. Fala Leo,blz?


      As miniaturas do Homem Formiga, Jubileu, Mary Tifoidy e Constantine que chegaram aqui em uma banca do centro da minha cidade encalharam,cada uma custa 82 pila! Difícil ter mercado pra isso né?

      Leonardo Goulart

      Excluir
    3. E aí, Leo... blz?

      Pois é, esse último "reajuste" das miniaturas foi extremamente abusivo e desproporcional... No site da Eaglemoss tbm tá por 82 pila cada peça (e descontos só rolam pra compras acima de uns 300 reais)!

      O mercado certamente "minguou" pra essas miniaturas... E percebo isso pq os grupos de miniaturas do face (q eu participo) perderam completamente o fôlego (quase não há mais participação e atualizações - por pura falta de interesse do povo e por parte daqueles q pularam fora desse barco)!

      Abs!

      Excluir
  24. "Não compro quase nada dessa editora devido os preços salgados."


    E aí, Marcelo... blz?

    É uma pena mesmo q a Mythos tenha cultivado essa fama de editora careira (principalmente por lançar quase tudo em capa-dura: SEM trabalhar com formatos mais econômicos)... Pois ela tem um dos melhores acervos do mercado: Conan, Tex, Dredd, Hellboy, e agora material europeu de boa qualidade!

    Mas eu te entendo perfeitamente... Já me vi forçado a ter q abrir mão de várias HQs interessantes da Mythos (recentemente: "Verão Negro" e "Herói Nenhum" do Warren Ellis) por não caberem no meu orçamento do mês!

    Abs!

    ResponderExcluir
  25. "Léo, acho que estamos vendo o resultado da saturação do mercado editorial das HQs aliado aos reajustes surreais e exorbitantes, gerando problemas editoriais e encalhes,"


    E aí, Giulianno... blz?

    Bem nessas... E some-se à todos esses fatores q vc citou: TBM a crise econômica pela qual o país vem atravessando!

    E sabemos q em tempos de crise econômica, os primeiros itens a serem CORTADOS pelo consumidor médio são os supérfluos: GIBIS em 1º lugar, hehe... Sim, o cara q tá com o salário estagnado há anos e vê a inflação e as contas subirem mês a mês, perderá naturalmente seu poder de fogo ($$$) pra gastar com seus hobbys e lazeres!

    Dizem os especialistas em economia... q o mercado fica meio retraído mesmo em véspera de eleições, e um consultor financeiro q contratei (pra minha empresa) me disse q depois da eleição "pode ser q" as coisas melhores um pouco (dependendo de quem ganhar, é claro - pois o mercado não pode sentir "medo" de continuar investindo dinheiro na economia nacional). Vamos ver o q acontece no CIRCO q tá se armando pra outubro então, rs!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falam dos preços da Mythos, mas publicações caras dela sobrevivem enquanto a Dredd Megazine baratinha afundou! Então não encham o meu saco!

      Excluir
    2. A revista do "Dredd" era a minha favorita entre as mix (junto com a do "Recruta Zero")... E não merecia ter se encerrado tão cedo (no nº 24) e nem a do "Zero" (q durou mais ou menos a mesma coisa)!

      Mas a do "Dredd" ao menos tinha a desculpa de estar sendo direcionada pra um público errado (de banca)... Já o coitado do recruta não conseguiu sobreviver mesmo em seu próprio território das bancas!

      Abs!

      Excluir
    3. Mas o Dredd É um personagem de banca! A 2000 AD vive de bancas, não é revista de comic shop que nem as americanas!

      Eu fiz uma revista voltada para o público de banca, esse público é que não existe mais! O público "de banca" hoje quer comprar edições de livraria (tipo as Salvat) nas bancas (e de preferência com preço de banca, um paradoxo insolúvel!).

      Excluir
    4. Oi, Hunter... blz?

      Eu sempre achei q o "Dredd" (e a 2000 AD em geral) fosse um material mais sofisticado e melhor apreciado por um público mais culto (de livraria), não o leitor médio de banca q buca apenas o seu arroz-com-feijão da Marvel/DC!

      Era uma impressão q eu tinha, ao menos... Embora, nas bancas aqui do sul do país, a revista do "Dredd" tinha uma boa saída. Pode até não ter sido suficiente (não sei como era ano resto do país), mas o dono da banca (na verdade uma tabacaria) onde compro meus gibis, ouviu mtas queixas de clientes qdo o "Dredd" foi cancelado!

      Abs!

      Excluir
    5. Devia ser a exceção, as vendas da revista tinham desmoronado no final.

      Excluir
  26. Oi Leo!

    Fazendo um paradigma, estes problemas da Abril e da Saraiva não são de agora pelo que sei vem de anos atrás; inclusive a Saraiva já tinha problemas financeiros antes da crise econômica vigente desde 2014, ou seja, na época pré-crise ela já estava balançando financeiramente!

    Livraria sempre foi um investimento arriscado no Brasil, eu que sou veterano e já presenciei vários governos e momentos econômicos no Brasil, digo que hoje se vende mais livro que por exemplo 35 anos atrás, e olha que livrarias como Saraiva, Cultura já existiam. nos anos 80 e 90 comprar livros era um luxo muito grande, já que livros eram caros e não havia crédito e nem parcelamentos para adquirí-los, era na "bucha" para comprar!

    Pouco depois do ano 2000 livros ainda estavam neste patamar de aquisição, me lembro porque era estudante na faculdade e comprar livros era literalmente "foda", e muitas livrarias não parcelavam livros em cartão de crédito.

    A coisa se estabilizou lá por meados da primeira década de 2000, e estava vindo de forma crescente até a crise de 2014 e o efeito Amazon!

    A internet é tida como a vilã responsável pela morte de livros, jornais e revistas, de certa forma há uma responsabilidade, e outra não porque livros já não vendiam bem antes dela surgir, por outro lado ela ajudou muito a difundir mais livros e publicações com materias baseados em livros como filmes, séries, jogos, etc.

    Ademais, as livrarias hoje raramente vendem só livros, já que vendem também aparelhos eletrônicos, filmes, brinquedos, etc.

    O que está acontecendo é literalmente má gestão dos negócios, já que nós sabemos que empreender no Brasil é algo cíclico, pois atravessa bons e maus momentos, e se não tiver fluxo de caixa e um bom controle das finanças a coisa degringola vertiginosamente!

    Pode-se dizer que de tudo que tenho de materiais destinados a livrarias basicamente 90% eu comprei na Saraiva, isso fora livros relativos à profissão, as três primeiras temporadas de Arrow (menos a quarta que não comprei e a quinta que comprei em outra loja) foram adquiridas na Saraiva!Recentemente comprei muito material por lá, que estavam com descontos melhores que a Amazon, como "ALIAS", "Demolidor- Decálogo", "Terra X', e os livros "Objetos Cortantes" "Fogo e Fúria", livros profissionais, etc.

    Materiais da Mythos eu sempre compro pela loja virtual deles, e agora por bancas, que chegam com um bom desconto.Comprei Zenith #01 e Vampirella Grandes Mestres do Morrisson e Mark Waid por R$ 24,90 cada, basicamente um desconto de 75% de cada em relação ao preço estabelecido na editora.Nem na amazon ou Saraiva eu conseguiria este desconto sobre um único título isolado, ou seja sem precisar comprar outro para ter desconto progressivo!

    Mas a Saraiva está batalhando para sair da crise, enquanto a Mythos a suspendeu de suas publicações, a Panini já tem uma nova gama de pré- lançamentos por lá:

    Grandes Encontros - Dc Comics - Dark Horse - Liga Da Justiça Vol. 1
    https://images.livrariasaraiva.com.br/imagemnet/imagem.aspx/?pro_id=10285299&qld=90&l=550&a=-1&PIM_Id=

    R$ 104,00 - 408 pgs

    (Superman vs. Predator 1-3, Superman vs. Terminator: Death to the Future 1-4, Batman/Hellboy/Starman 1-2, Ghost/Batgirl 1-4)

    Cinema Purgatório - Vol.1
    https://images.livrariasaraiva.com.br/imagemnet/imagem.aspx/?pro_id=10285302&qld=90&l=430&a=-1

    R$ 46,00 - 152 pgs

    (Cinema Purgatorio 1-3)

    A Essência Do Medo
    https://images.livrariasaraiva.com.br/imagemnet/imagem.aspx/?pro_id=10285300&qld=90&l=430&a=-1

    R$ 99,00 - 340 pgs

    Este volume de 340 páginas reúne as edições Fear Itself: Book of the Skull 1, Fear Itself 1 a 7, 7.1, 7.2 e 7.3

    Torço para que a Saraiva se recupere, bem como a Cultura, e outras que estão no mesmo problema!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  27. "Uma hora essa bolha maluca vai estourar...infelizmente...e os quadrinhos só são uma parte do mercado de produtos de leitura..."


    E aí, Fábio... blz?

    Olha, eu te confesso q achava (e esperava) q essa "Bolha Assassina" fosse demorar mais um pouco pra estourar, hehe...

    Nunca q eu teria imaginado, por exemplo, q a Editora Abril fosse cancelar a Disney depois de quase 70 ANOS publicando essa linha - q parecia estar no auge com trocentos encadernados saindo todos os meses)... Mas os últimos eventos (COLAPSO total na distribuição) nos mostram q o pior ainda pode estar por vir (q CROM nos ajude)!

    Abs!

    ResponderExcluir
  28. "Não seria melhor já colocar, todos os títulos para vender apenas pela internet?"


    E aí, Eduardo... blz?

    Olha, acho q não... Isso poderia ser mais nocivo a médio e longo prazo do q aparenta pro mercado de HQs num todo!

    Explico: A Amazon em outros países, conseguiu quebrar as lojas físicas e ampliar seu monopólio sobre o mercado. Resultado: Os descontos acabaram e reinando SOZINHA, ela pratica os preços q bem entender (é a lei do mercado: manda e dita as regras quem tiver o domínio sobre o produto)!

    Em outra instância... Se as lojas e livrarias físicas quebrarem, pode ser q o gosto e prazer pela leitura diminua ainda mais, pois as pessoas perderão uma VITRINE pra esse tipo de produto. Eu vejo nos sábados os shoppings lotados, e livrarias tipo a Cultura e Saraiva cheias de gente circulando e folheando os livros e gibis. Essas pessoas podem até não comprar ali os produtos, mas tomaram conhecimento deles vendo-os fisicamente ao vivo. Acredito q a venda exclusiva pela internet restrinja ainda mais essa fatia de público q ainda se importa com os livros IMPRESSOS!

    Claro, tudo isso é apenas mera especulação da minha parte... é só um ponto de vista pessoal sobre o assunto!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão. É esse mesmo o problema!

      Excluir
  29. "a crise chega ao supérfluos."


    E aí, Scant... blz?

    Esses são sempre os 1º a rodarem em tempos de crise, hehe...

    Mas tô na mesma situação q vc: Com PILHAS e mais PILHAS de leituras atrasadas pra botar em dia (e mais uma PORRADA de filmes e séries de TV pra assistir tomando cerveja com Doritos, kkk)!

    Abs!

    ResponderExcluir
  30. "Primeiro foram as bancas que sofreram o primeiro baque, agora algumas das maiores livrarias do pais passam por situação delicada."


    E aí, francisco... blz?

    A concorrência tava desleal mesmo qdo posta na balança (q pendia mais pro lado da Amazon)... Era inevitável q cedo ou tarde esses reflexos se espalhariam até chegar nas livrarias e lojas físicas (dito e feito)!

    O monopólio só é BOM pra empresa q lucrará sozinha e ditará as regras do mercado onde reina absoluta... Pro consumidor, sempre é péssimo qdo não há competitividade de preços e produtos!

    Abs!

    ResponderExcluir
  31. "Monopólio nunca é uma boa coisa. Pode parecer a principio. Mas a longo prazo não. Tanto que os preços e promoções relampagos da Amazon já não acontecem mais como antes."


    Bem nessas, tadeu...

    O consumidor só tem a perder com qq tipo de monopólio... E de fato, a Amazon reduziu drasticamente suas ofertas me promoções de uns tempos pra cá!

    Abs!

    ResponderExcluir
  32. "Cadê aquelas lojinhas de discos que proliferavam nas décadas de 80 e 90."


    E aí, SEMI... blz?

    Pois é, na pior das hipóteses... Teremos q nos adaptar à uma nova maneira de se consumir HQs, da mesma forma q o exemplo q vc citou das lojas de discos: Sabe, ainda existem algumas aqui em POA q vendem LPs antigos pra colecionadores e entusiastas. Mas são lojas mto pequenas (embaixo de um viaduto no centro da cidade) pra um público mto restrito!

    Tbm posso citar como exemplo similar os FILMES pra se ver em CASA... Se olharmos pra trás, veremos q mudou completamente a forma de buscarmos filmes pra assistir no conforto do lar. Na década passada, ainda íamos em locadoras de vídeo e pegávamos pacotes de DVD pra assistir no findi! Depois, era só baixar os filmes no Torrent e as locadoras foram perdendo o fôlego. HOJE, as plataformas tipo Netflix (e similares) são a tônica do momento (até surgir outra coisa melhor)!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas livros ainda vendem muito, MUITO mais físicos do que digitais. O formato livro NÃO está obsoleto! O problema não é o mesmo que afetou as vendas de Cds/DVDs, é concorrência predatória!

      Excluir
  33. "Parece que a Livraria Cultura tem dado muito calote!"


    Eu já ouvi falar nisso tbm... (inclusive de gente do setor administrativo da livraria)!

    Mas mesmo q tenha acontecido, isso seria apenas uma parte do problema maior...

    Abs!

    ResponderExcluir
  34. "Tanto que eu ia no shopping daqui por causa da FNAC e hoje parece que falta alguma coisa nele."


    E aí, Fabiano... blz?

    Olha só q triste coincidência essa... Aqui em POA tbm tínhamos uma FNAC, localizada no Barra Shopping (bem longe de onde moro, mas eu ia lá eventualmente - pelo menos 1 vez por mês - passear assim mesmo)!

    Essa FNAC fechou no começo do ano, e não temos mais nenhuma aqui... Enquanto existia, eu tbm gostava de ir lá pela disposição dos livros e gibis: bem organizados por setor e tinha até sofás confortáveis pra gente ler no local mesmo. Eu gostava mais da FNAC do q da Cultura e da Saraiva (q ainda estão na ativa por aqui)!

    Hj, ainda vou no Barra... Pois sobrou uma Saraiva lá onde tem mais opções de HQs do q em outras filiais. Mas TBM fiquei com essa sensação estranha de q falta alguma coisa lá. Um "VAZIO" no passeio q antes me rendia uma agradável passada pela FNAC (e q agora é apenas uma parede fechada por tapumes)!

    E vc fez uma curiosa menção à uma suposta "divisão de classes"... Pois então, há uma situação curiosa aqui em POA envolvendo o Barra Shopping. Ele é um grande shopping com lojas caras pra gente mto rica (Zara, Brooksfield, etc). Comprar roupas ali é só pra quem realmente pode (preços sempre exorbitantes). MAS, o supermercado do Barra é o mais popular q existe aqui: O "BIG". Assim, há um contraste curioso nesse Shopping: O povão mesmo q frequenta o supermercado NÃO é o mesmo q frequenta as tais lojas chiques. O "normal" em situações assim são locais em q o supermercado onde as lojas ficam em volta seja dirigido pro mesmo tipo de público!

    Enfim... apenas curiosidades de locais similares q frequentamos em cidades distantes!

    Abs!

    ResponderExcluir
  35. "pois colecionar ou comprar hqs aqui está se tornando tão difícil quanto adquirí-las do exterior."


    E aí, Antonio... blz?

    Olha, tô pra te dizer q acho até BEM mais fácil colecionar gibis importados do q nacionais... Pois lá nos EUA se consegue quase TUDO q se quer em TP (vc mesmo, tá avançando na coleção importada do "Príncipe Valente" MAIS do q avançaria esperando sair aqui pela Pixel - Se a Deagostini não entrasse na jogada agora)!

    Pra comprar gibi importado basta ter um cartão de crédito internacional (e saldo pra pagar a fatura depois, rs)... Mas pra comprar aqui, o cara depende da boa-vontade das editoras publicarem aquilo q esperamos q elas publiquem, depende da distribuição ser abrangente à região em q vivemos, depende da editora ter um BOM revisor de texto... Enfim, vejo mais entraves pra comprar gibis no próprio país onde moro: do q se eu for mandar vir de fora!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leo !

      Realmente, o ponto nevrálgico nessa questão envolvendo a compra de qualquer coisa no exterior é dispor de cartão de crédito internacional. Para quem não tem (como eu), comprar quadrinhos no exterior ainda é complicado.

      Vc mesmo mencionou o Príncipe Valente, que estou colecionando da Fantagraphics. Era algo que eu fazia absoluta questão de ter. Cheguei até a propor uma parceria pra aquisição dessa obra em conjunto. Não obtive êxito por essa via e tive que dar meu jeito de outra maneira.
      O fato é que já possuo dez volumes comprados dos Estados Unidos, através de duas importadoras (uma aqui do Rio e a outra de SP) e já recebi oito desses volumes até o momento. São magníficos. Até quem não acompanha quadrinhos, admira a qualidade monumental desse trabalho do Hal Foster quando lhes mostro (sob rigorosa vigilância e severas condições de manuseio). Mas o processo de aquisição, por eu não dispor ainda do cartão de crédito internacional, se torna algo complicado, caro e estressante. Só pra citar um exemplo, minha penúltima aquisição do "Prince Valiant" chegou em SP, a firma me enviou a encomenda sem me avisar nada, os Correios não me informaram que o volume estava disponível para retirada em agência, a encomenda foi devolvida para SP, reclamei da demora com a firma responsável pela importação, a firma se desculpou por não ter me fornecido o código de rastreamento e, finalmente, me reenviou de novo.
      Ou seja, pra conseguir importar meus vols. dessa Coleção, "Eu dou a volta, pulo o muro, mergulho no escuro e sarto de banda" !

      Abs !

      Excluir
    2. E aí, Antonio... blz?

      Eu lembro q me dispus a te ajudar nessa questão das importações, mas eu precisaria de mais tempo pra sair do "cheque especial" (q deixa meu cartão com limites baixos todos os meses). Uma hora dessas eu vou sair do "vermelho" (deus queira, rs) e terei um limite maior pra compras (aqui e no exterior)!

      Engraçado é q foi o próprio banco onde tenho conta (Santander) q praticamente me implorou pra me dar um cartão internacional (eu nem queria no começo)... A minha gerente até aumentou meus limites e me deu inúmeras vantagens (me senti até um pouco "assediado", hahaha)!

      Mas no fim das contas, eu acabei me endividando sozinho... e me enrolei em empréstimos pra pagar uma reforma geral aqui em casa (e comprar equipamentos eletrônicos pro meu curso): Agora é ter paciência pra sair desse atoleiro, mas na próxima: terei mais cuidado tbm no uso dos cartões (isso pode ser uma armadilha e tanto, rs)!

      Abs!

      Excluir
  36. "E aí Leo!? Confesso que não entendi que a Amazon tenha "culpa" por esta decisão da Mythos, a Saraiva vende com mais descontos."


    E aí, Wesley... blz?

    O chamado "Efeito Amazon" é apenas um dos fatores (iniciais) q levaram o mercado nacional a chegar na situação crítica em q se encontra... pois uma ação feita lá atrás, pode gerar uma bola de neve q vai atropelando tudo pela frente depois!

    Ou seja: Os descontos atrativos da Amazon ao longo dos últimos anos, desencadearam uma competição desleal com as lojas físicas E livrarias. Não digo com isso q a Amazon tenha "culpa" de oferecer descontos (não é isso), mas os descontos q ela vinha oferecendo tornaram a concorrência inviável pras lojas físicas. Muitas quebraram pelo meio do caminho, outras ainda sobrevivem por aparelhos. A reação em cadeia a partir disso chegou até o colapso da distribuição (passando pela queda da Editora Abril) q fará com q editoras repensem a forma de vender seus gibis daqui pra frente!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade ela tem culpa, se chama dumping!

      Digamos que amanhã aprece um cursinho pré-vestibular na sua cidade pertencente a estrangeiros que cobra menos do que o seu curso. Não apenas isso, mas menos do que o CUSTO OPERACIONAL do curso! Só para te falir. E aí?

      É isso que a Amazon está fazendo. Simples assim.

      Excluir
    2. Vendo por essa ótica...

      Sim, esse exemplo procede, Hunter... Se fosse assim, eu estaria quebrado mesmo, rs!

      Mas o q eu quis dizer sobre "culpa" (ou a falta dela) é coisa do jogo mesmo... Por exemplo, qdo eu abri o meu curso pré-vestibular, outros de menor porte na volta acabaram se sentindo prejudicados tbm. Talvez a diferença é q eu não tenha premeditado isso (como a Amazon possa ter feito como parte de um plano maior e a longo prazo), mas a simples concorrência com preços mais competitivos já causa dificuldades em quem não conseguir acompanhar o ritmo!

      Na minha visão de negócios, a concorrência é algo BOM pra todos... PQ? bem, eu fiz um estudo na região onde montei meu curso e vi q ali era um "point" de estudantes q só se denominava um "point" pq haviam vários cursos na volta (ebarzinhos onde se reuniam estudantes de vários bairros da cidade). Ou seja, parece irônico, mas os concorrentes ajudavam a manter a circulação de estudantes naquela região (todos ganhavam mesmo competindo entre si). Mas entendi o seu exemplo: é diferente qdo nos deparamos com uma concorrência DESLEAL, onde os preços de um tornam inviável q o outro sobreviva!

      Abs!

      Excluir
    3. Esse lance de megadescontos chegou antes da Amazon com a Saraiva. E a Abril já vinha em decadência desde a popularização da banda larga.

      Excluir
    4. Ok, entendi. Minha comparação foi com a loja on line da Saraiva e sei que mesmo sua loja fisica vende com os valores "cheios".
      Com isso entendi que as lojas físicas, por motivos que desconheço por ser leigo, não conseguem dar descontos competitivos e a concorrência levanta alguns e derruba outros. Valeu!

      Excluir
    5. E aí, Wesley... blz?

      Sobre a Saraiva eu vivenciei há 2 meses atrás um exemplo perfeito dessa disparidade de preços... Fui numa loja física da Saraiva pra comprar a estátua da "Arlequina" (da Iron Studios), mas na loja a peça estava custando R$ 410.

      Ok, aí eu fui no SITE da Saraiva e a mesma peça custava R$ 360 (50 reais a menos já com frete incluso). Aí é claro q comprei pelo site (e ainda parcelei em 10 vezes). Agora pq essa diferença tão significativa? Pq a loja física não pode me fazer o mesmo preço da virtual? Tbm não sei responder...

      Abs!

      Excluir
  37. "Tempos sombrios para o mercado de HQs: editoras em queda, encadernados cada vez mais caros, distribuições estagnadas em banca... Tempos nos quais colecionar quadrinhos tá cada vez mais complicado!"


    E aí, Leo... blz?

    Vc resumiu bem aí a situação geral do mercado atual... Tá bem assim mesmo: Caos, desordem, e incertezas pro futuro!

    Eu cheguei a pensar em futuramente ter uma editora de quadrinhos... Cheguei a comprar parte de uma editora (sou um dos sócios-investidores da editora q publica livros pro meu curso pré-vestibular) com planos de criar um segmento de HQs pra ela (tão logo eu juntasse mais grana e terminasse de pagar minhas dívidas com os bancos)!

    Mas HOJE eu te confesso q tenho lá minhas dúvidas se vale mesmo o RISCO... Pois não quero entrar num negócio de cabeça se for pra quebrar logo em seguida. Qdo eu tive essa ideia de editora, o mercado parecia mais estável e a crise econômica q assola o país ainda não tinha chegado no ápice. Serei mais cauteloso com relação à isso, pois por mais q eu adore quadrinhos, não sou burro ou louco o bastante pra investir RIOS DE DINHEIRO em algo do tipo apenas por: "amor à camisa", rs!

    Enfim... ainda não desisti de nenhum projeto, só quero esperar pra ver como e qdo (ou "se") o mercado nacional se recuperará dessa sinuca de bico!

    Abs!

    ResponderExcluir
  38. "A internet é tida como a vilã responsável pela morte de livros, jornais e revistas, de certa forma há uma responsabilidade, e outra não porque livros já não vendiam bem antes dela surgir"


    Oi, Elcio... Tdo bem?

    Realmente, a internet é a VILÃ mais odiada e amada pra mtas coisas, hehe...

    É engraçado isso, pois só fui ter acesso à internet lá pelos meus 25 anos de idade... Até então eu vivia uma vida tranquila SEM a existência das redes sociais. Mas era uma vida diferente: MAIS festas, mais saída com os amigos, barzinhos, academia, madrugadas jogando vídeo-game, reuniões e almoços de família, mais tempo pra leitura de livros e gibis nas horas livres, a pornografia era garimpada em bancas de revistas e lojas de encalhe (tudo impresso), etc!

    Depois da internet... TUDO isso q eu listei acima mudou (pra melhor ou pra pior não importa: só importa q mudou de forma irreversível):

    Mas é estranho como não consigo mais me imaginar SEM a internet hj... Dependo dela pra quase tudo: Trabalho (divulgo meu curso nas redes sociais), o blog (um dos meus raros momentos de interação com outros colecionadores de HQs - tenho poucos amigos do ramo, rs) os filmes q baixo no torrent, as músicas q baixo pra ouvir no carro, os memes engraçados do face, as notícias q pesquiso em sites específicos, as compras virtuais q faço... Porra, quase TUDO na minha vida hj acaba passando pela internet em algum momento, rs!

    E mto obrigado pelos LINKS acima, Elcio:

    Eu tinha avisado aqui no blog (lá no começo do ano) q sairia esse tal de "Cinema Purgatório": Mas não pensei q já fosse pra agora: Mto legal isso (vou comprar certo essa série)!

    Tbm gostei dos crossovers da DC & Dark Horse... Só a "Essência" q eu passo, hehe!

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Internet está matando jornais e revistas, mas os livros vendem MAIS do que antes.

      Questão de formato. Comprar um calhamaço de papel que você vai jogar fora depois (jornal/revista) é um desperdício se você pode achar o mesmo conteúdo online. Mas um livro que você pode guardar o resto da vida AINDA é um bom negócio! Internet não matou os livros, até ajuda a vendê-los.

      A Amazon está matando a concorrência, isso sim. Mas isso é apenas uma "versão Internet" do tipo de concorrência predatória que as Saraivas e Culturas da vida já faziam com as pequenas livrarias...

      Excluir
    2. Verdade, Hunter...

      E tem livros q hj em dia com a campanha de MARKETING certa... Tornam-se best-sellers instantâneos, hein?

      "Código DaVinci", "50 Tons", "Jogos Vorazes", "Crepúsculo", e até "LIVROS" de Youtubers famosos, kkk... (q é claro, SÓ vendem por causa da fama deles na internet)!

      Abs!

      Excluir
    3. Mas que história é essa de revista ser descartável? Até onde eu vejo revista é exatamente a mesma coisa que livro. A não ser que esteja falando de revista de notícia/política. Mas quem é que lê essas porcarias? Certamente não eu :P

      Excluir
    4. Ainda que ao menos os livros estão indo bem.

      Excluir
    5. Fã de quadrinhos pensa diferente (eu incluso), mas revista É uma coisa descartável.

      Excluir
    6. A crise não é o fim de tudo, os comics surgiram nela, fora o fato de que a época de ouro passou. O povo critica os anos 90 (tá, tinha muita merda no mercado mesmo), mas é só lembrar que foi uma das épocas em que mais se venderam comics. Talvez essa crise faça esses caras pararem de vender qualquer merda em capa-dura, pode demorar, mas logo, logo esse povo vai estar com o rabo entre as pernas. Principalmente a dona Panini. A Amazon é o menor dos problemas, o desgoverno brasileiro é o pior malefício atualmente, já que ocasiona a morte de empresas com a cobrança de tributos, indiretamente causa o aumento dos combustíveis e ainda mantém essa merda chamada Correios viva!! Fora que as histórias hoje são bem descartáveis, só ver Doomsday Clock que era pra ser um mega-evento e tá só enrolando pra andar, é uma vergonha pra DC anunciar essa série como mensal e depois de 3 edições lançá-la bimestralmente, Vou nem falar da Marvel (nos quadrinhos). Nao sou de ler jornais, mas se fosse não veria problema em uma ou 2 vezes por semana comprá-lo por R$ 5,00 ou R$ 6,00, se eu tivesse ganhando um salário decente, aí é que está o problema: não sou ministro do STF pra me desfazer dessa grana fácil.

      Excluir
  39. Fala, Leo. Blz?

    Pois é...

    Quem pegou a época dos mega descontos em gibis encadernados aproveitou e fez um estoque para o inverno de preços altos que se aproxima... (tipo na fábula da formiga e da cigarra, hehe).

    Várias lojas online apareceram e praticamente sumiram nesses últimos anos. Lembro que até o Ponto Frio chegou a vender. Agora vai ser Panini, Mythos etc cobrando 50 contos por cada 80-100 páginas mequetrefe e Amazon "diminuindo" para chegar no preço que deveria ser o "de capa" desde o início.

    Bom que tenho aqui umas prateleiras do armário lotadas de gibis que ainda não li (nos últimos meses consegui reduzir bastante a pilha que parecia só crescer...).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Guilherme... blz?

      Perfeito o seu exemplo da fábula (cigarra e formiga), hehe... É bem assim mesmo, e tbm fiquei com um estoque impressionante de HQs atrasadas na PILHA de leitura (q periga durar até a minha aposentadoria, rs)!

      Abs!

      Excluir
  40. Léo, uma das coisas mais estranhas que anda a acontecer nessa "crise" foi, como já dito acima, é sobre a distribuição do Tex Gold.

    Como é que que uma coleção dessas altamente ambicionada por leitores de todo o país não deu as caras, por exemplo, aqui no R.J.?

    Eu mesmo deixaria de comprar os volumes de CHM para focar nessa coleção. Coleção esta que deveria ser distribuída para todas as regiões do país quase que simultaneamente e não por fases - assim como deveria acontecer com a futura coleção do Conan.

    Há um público fortíssimo para ambos os personagens e que há décadas aguarda por coleções caprichadas deles. O sucesso de Tex Gold fala por si mesmo. Mas o mercado anda tão estranho que mesmo Tex, apresentado de forma mais magistral, não chega a todos os seus fãs.

    Então é isso, até a próxima.

    Michel

    Pelo menos a nova coleção do Aranha não sofrerá com esse mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Michel... blz?

      Tbm não entendo como uma coleção do porte de "Tex Gold" (pomposa, com farta divulgação na mídia, e mta procura nas bancas) pode ter ficado de fora de uma região q nem o RJ, q SEMPRE foi considerado parte do principal EIXO do mercado (junto com SP)!

      E a situação é tão incomum, q até mesmo o interior de SP não viu pintar o "Tex" por lá (pelo q me disseram, apenas a capital recebe a coleção)!

      Abs!

      Excluir
    2. Sinceramente será que Tex possui mercado forte no Brasil inteiro? Aqui onde moro Tex sempre ficou encalhado.

      Excluir
    3. Deve ser então um dos únicos lugares no Brasil onde o Tex Gold conseguiu ficar encalhado !

      Compro os meus vols. do Tex Gold de vendedores em SP e Curitiba, pagando frete por isso. Esses vols. nunca encalham com esses vendedores.
      E se marcar bobeira, não se encontra mais determinados vols. nem no Mercado Livre !

      Excluir
    4. Depende da região e da localidade...

      Aqui no sul (em Porto Alegre) as bancas recebem bastante "TEX" e vende bastante (a ponto de edições do "Ouro", por exemplo, acabarem antes do recolhimento)!

      E a força do mercado de "Tex" se reflete na quantidade de títulos regulares q ele possui... São mais de 10 títulos diferentes e de publicação regular q o Tex tem. Qtos personagens de gibi podem se gabar de terem uma quantidade tão diversificada de títulos assim?

      Abs!

      Excluir
  41. Óbvio que em tempos de e-comerce lojas físicas e editoras que não se adaptam sofrem...
    Mas Jeff Bezos é hoje o homem mais rico do mundo. A estratégia é acabar com a concorrência. Quanto só sobrar a Amazon, as editoras terão que se submeter às condições da Amazon, e consumir sem opção de escolha. Aguardem..
    Eu tenho consumido HQs como nunca, nem tenho.mais espaço para guardar.
    Agora terei um motivo a mais para procurar ser o mais seletivo possível nas compras. Na dúvida da qualidade de um material nem me arrisco a comorat. Comprar mesmo só o que tenho certeza da qualidade e com o máximo de restrição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Calvin... blz?

      Concordo com vc... Toda empresa precisa se adaptar pra sobreviver e se adequar à qq mercado. E as novas tecnologias não estão aí pra prejudicarem os negócios, basta boa-vontade pra saber como faturar em cima das novidades. Eu mesmo, acabei aderindo à gravação de aulas em vídeo (ensino à distância), justamente pra não ser massacrado por um formato de aulas q estava sucateando as salas físicas (hj eu ganho dos 2 lados: com aulas em local físico e com venda em vídeo)!

      Falo isso, pq as editoras poderiam SIM buscar uma forma de se adaptarem às mudanças q vemos aí... mas observo uma tremenda falta de visão e ideias sucateadas dos editores e donos de editoras de HQs. Eu poderia aumentar o faturamento de qq editora e resolver boa parte dos problemas de logística e demanda do público, mas não faria isso de graça, é claro, kkk!

      Abs!

      Excluir
    2. Caras, se a Amazon dominar, os leitores vão simplesmente vender versões pirateadas das hqs:

      https://maisdeoitomil.wordpress.com/2015/12/29/plantao-kira-dos-mangas-esquema-de-pirataria-de-mangas-e-desmantelado/

      E olha que essa matéria é de 2015. Tinha uma editora chamada Lorentz, que tinha publicado um material do Dylan Dog (vi no face que foi de forma legal), mas que foram sacaneados pela Mythos ao verem o sucesso dos caras.

      Excluir
    3. Hahahaha... Simplesmente ESPETACULAR esse LINK acima (valeu mesmo, L):

      Ri mto agora lendo isso, kkk... Esse "Kira dos Mangás" é uma das coisas mais bizarras q eu já vi nesse meio (mesmo de pirataria de gibis, hehe): O cara não sabe nem escrever ("fáscio" = "FÁCIL") e quer publicar seus próprios gibis pirateados oferecendo um "serviço MELHOR" q os originais (é pra fuder mesmo, rs)!

      Vou morrer e não ver tudo no mercado de quadrinhos mesmo, hehe...

      Abs!

      Excluir
  42. Acompanhando os pontos de vistas e argumentações dos colegas fica claro o ponto em comum: o mercado de HQs alcançou seu algo e daqui pra frente será a queda ou esfriamento significativo.
    Preços fora da realidade e dificuldades das editoras em se manter são fatores de que o mercado já não demonstra o mesmo entusiasmo de há pouco tempo.
    A crise no setor vem até que tardia em relação a dificuldade nacional (menos dinheiro para áreas sociais, saúde, educação, segurança e aumento do desemprego). Vi esses dias uma discussão sobre o aumento no consumo das HQs em tempos de crise como uma válvula de escape. Não concordei porque é lógico que o sujeito não deixará de pagar uma conta pra comprar uma HQ ou comprar no mesmo volume de quando estava empregado ou tinha uma remuneração maior. A crise chega para todos e no mercado editorial não seria diferente.
    Os preços estão tão bolhudos quanto o que ocorreu com o aumento dos imóveis no Brasil. Estão cobrando mais do que as coisas valem, e sabem disso, simplesmente porque acreditam que irão pagar. E os rendimentos não tem aumentado na proporção do aumento dos salários. No meu caso tive redução de 30% na minha remuneração em relação há dois anos atrás e aumento de 1,58% de dicidio esse ano. Enquanto os aumentos das editoras foram de 40%. Acredito que muitas outras pessoas que antes consumiam mais não conseguem hoje acompanhar e mesmo que pudessem sabem que as coisas estão em valores surreais. As editoras caminham em contraponto com a realidade do país e dos consumidores e não se readaptam ao invés disso alimentam cada vez mais os efeitos Amazon, capa dura, deluxe, edição definitiva etc. Também não entraria nesse segmento agora, como o Léo queria fazer com a editora. Estamos num momento de transformação então nos preparemos para ver muitas coisas acontecendo. Roberto Xavier.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Roberto... blz?

      Parabéns, vc explanou mto bem o q é tbm o meu ponto de vista pessoal sobre o mercado de HQs e a crise q se abate sobre ele...

      Eu tbm acho q chegamos num ápice do mercado... O colecionador q chegou até aqui VAI ter q reduzir drasticamente suas coleções ou abandonar de vez esse hobby, pois no momento em q encadernados de 150 reais passam a ser "comuns", enquanto os salários e renda da população permanece estagnado ao mesmo tempo em q TUDO aumenta de preço (gasolina, supermercado, roupas, etc): É sinal de q tá na hora do leitor fazer a sua escolha (fica ou pula fora do barco)!

      Eu vou ficar, MAS com restrições... Pretendo manter as minhas coleções q JÁ estavam em andamento, além de priorizar os clássicos E revistas novas q tenham preço acessível (e tragam material fora de série - q façam valer o investimento)!

      Não vou mais "experimentar" nada q eu não conheça no mercado de HQs... A não ser, é claro, em SCANS (já q preciso continuar mantendo o BLOG bem-informado sobre lançamentos diversos): Só não vou mais gastar com nada q não seja estritamente ESSENCIAL pra mim!

      E da mesma forma q vc, tbm não concordo com a ideia de q em tempos de crise as pessoas procurem os gibis como meio de "escapismo"... Talvez (quem sabe) isso funcionasse no passado, qdo os gibis eram BARATINHOS (li em algum lugar q na Era de Ouro as pessoas liam gibis pq tavam saindo da depressão econômica q abalou os anos 20 e mostrava sinais de recuperação, ao menos até o começo da 2º Guerra nos anos 40). Mas HOJE isso seria inviável com gibis custando mais de 100 reais e mesmo encadernados econômicos (de 25 a 30 pila) cujo preço pode valer um almoço pra quem ganha pouco!

      Não... eu ainda acredito é q os gibis são os 1º itens a serem cortados em tempos de crise (eu nunca vou deixar o meu filho passar fome pra comprar um gibi, por exemplo)!

      Enfim, eu ainda não desisti da ideia de montar uma editora... só não vou me "aventurar" em novos negócios enquanto não recuperar a confiança no crescimento da economia no Brasil. O resultado da próxima eleição presidencial vai me ajudar a decidir melhor isso (pois se eu achar q vai continuar a mesma merda q tá aí há mais de 1 década: eu tô fora - quem sabe até do país)!

      Abs!

      Excluir
    2. Belo comentário...eu fui cortando paulatinamente...muita oferta, serviço ruim e preços cada vez maiores...
      Hj estou pegando apenas Berserk, Lobo Solitário e Vagabond...que são mangás e acabam ficando mais baratos...e vou completar o Blade, a Lâmina do Imortal (faltam 4 números)...vou pegar em uma promoção. Tem muita coisa excelente sendo lançada...mas sem condições...ainda mais levando em conta que meu contrato de trabalho terminará em breve. Abc

      Excluir
    3. Essa desculpa de escapismo é uma bobagem tremenda...as pessoas compram por inúmeros motivos...e na vida é necessário se distrair um pouco da realidade...caso contrário você enlouquece

      Excluir
    4. Cara na moral as editoras já procuraram a muito tempo um público alvo diferente do padrão brasileiro. Atualmente o principal consumidor de comics são o pessoal que consegue manter salvat preta, vermelha, homen aranha, dc, e miniaturas sem nenhumm problema. Pesquise nos principais fóruns de colecionismo para você vê quem brinca disso. A crise atinge as mensais e gente como nos que peneira lançamentos.

      Excluir
    5. "Vi esses dias uma discussão sobre o aumento no consumo das HQs em tempos de crise como uma válvula de escape." Já foram, os comics quando surgiram custavam centavos de dólar, aí veio a gourmetização, bazingueiros...
      Uma coisa interessante sobre esse tema: em épocas de crise heróis mais violentos e histórias mais urbanas fazem mais sucesso do que histórias com os supers. Bem... posso falar por mim, hoje tou ganhando uma merreca e tou mais preocupado em adquirir o Justiceiro do Ennis do que ver Deadpool 2 ou o filme dos Vingadores Guerra Infinita, nem baixei o torrent.

      Excluir
    6. "e na vida é necessário se distrair um pouco da realidade...caso contrário você enlouquece"


      E aí, Fábio... blz?

      Verdade, a gente precisa "fugir um pouco" da realidade às vezes... nem q seja por algumas horinhas durante um filme ou durante a leitura de um BOM gibi ou livro!

      É como eu falo pra minha mulher sempre q me retiro pra leitura: "Vou desligar o cérebro um pouco lá no quarto e volto depois", rs...

      Abs!

      Excluir
  43. "(eu nunca vou deixar o meu filho passar fome pra comprar um gibi, por exemplo)!"

    Vai me dizer que nunca deixou de comprar uma coquinha e um salgado na cantina da escola pra comprar um gibi?

    Na minha escola não tinha cantina, mas eu pulava a roleta do ônibus pra juntar a passagem e comprar um gibi. :))

    Abs,
    VAM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ops! Fiz leitura dinâmica agora.

      Mesmo tento recortado e colado parte do teu texto,não vi que vc falava do teu filho.

      Entendi vc dizer que "nunca passaria fome pra comprar gibi".

      Foi mal.

      Abs,
      VAM!

      Excluir
    2. E aí, VAM... blz?

      Pois é, EU (particularmente) já fiz alguns sacrifícios em prol de comprar gibis, hehe... Sim, eu aproveitava pra fazer um "regime" e usar a grana da merenda pra comprar um "Heróis da TV" ou "Superaventuras" qdo moleque, hehe!

      Mas pro meu filho eu já faço outros cortes de gastos comigo mesmo em favor dele... O q eu gastei em fraldas no mês passado, foi o q faltou no orçamento pra eu comprar o "Justiceiro MAX" (q ainda não consegui cofrar), kkk!

      Abs!

      Excluir
  44. Roberto Xavier, sua explanação tocou em pontos importantes. Mas permita-me discordar de alguns deles.
    Em primeiro lugar, eu acho que o mercado de HQs no Brasil, assim como praticamente muitas coisas mais, nunca atingiu o auge. Estávamos era vivendo uma fase nova, com muitos lançamentos (grande parte deles, repetecos) e, principalmente, pelo fenômeno dos encadernados - o que era uma raridade nas décadas que precederam a isto.

    A propalada "crise econômica" é crônica neste país. Desde que nasci, ouço falar que "o país está em crise". Ou seja, esta merda de país, governado por incompetentes e despreparados de todo tipo, só vive em crise. No governo do presidiário e da sua cúmplice, a mídia ajudava a iludir a população contando mentiras de que os pobres da classe C agora eram a "nova classe média", entre outras sandices típicas desses abutres que se locupletam com verbas governamentais na forma de publicidade e outras benesses (a política do "falem bem do governo se quiserem ter favores").

    Essa crise só existe para a população honesta e trabalhadora, e para o setor empresarial produtivo e que gera empregos e impostos. Uma boa parcela da população é ociosa por livre e espontânea vontade (só querem saber de soltar pipa, chutar bola, assaltar trabalhador e rebolar no Carnaval). Outra boa parcela dessa população parasitária está representada pelos aninhados em cargos públicos. Estes últimos, estão querendo agora 16% de reajuste salarial ! O "Ministro" Fux, do STF, fez de tudo pra indicar a própria filha, que tem tanto saber jurídico quanto o Tiririca, ao cargo de desembargadora no Tribunal de Justiça do Rio, através do famigerado "Quinto Constitucional". E...conseguiu ! A porra da mulher agora tá lá, ganhando uma fortuna inimaginável todo mês. Além das prerrogativas e mamatas do cargo.

    E esse manjado papo de "verba pra saúde, educação e segurança" é tudo conversa medíocre de politiqueiros canalhas - como se a população vivesse enfurnada em hospitais, vivesse aprendendo alguma coisa nas escolas públicas ou vivesse dependendo da polícia pra resolver seus dramas. Esses setores aí nunca funcionaram - mesmo com os incentivos que já receberam no passado. Estão repletos de parasitas inúteis e despreparados.

    Agora, se tudo aquilo que nos permite relaxar da tensão e das preocupações do cotidiano, dando-nos novas energias pra prosseguir na caminhada (como as HQS), é algo que deva ser considerado como supérfluo, então significa que vivemos numa sociedade muito doente mesmo - onde só o ter o que comer, ter em que trabalhar e ter onde morar deva ser considerado essencial.
    Numa sociedade dessas, até o fato de alguém olhar para o Céu azul em busca de um pouco de alento e conforto, é desestimulado como pura perda de tempo.
    Isso que é o progresso, ou a destruição da identidade humana ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com tudo. Crise é só pros pobres e pra quem não tem apadrinhados, não só no Brasil, como em qualquer outra democracia, por que não dizer, em qualquer local do mundo (independente da forma de governo)? Aqui, o povo pra se sentir bem, gosta de ver que o próximo tá numa situação mais miserável do que quem tá olhando. Só sabe ver com inveja o sucesso alheio, ao invés de ver o exemplo e se esforçar.

      Excluir
  45. Uma pena tomara que a Mythos aguente, finalmente temos edições europeias de qualidade (linha Gold). E segura a Panini ela vai soltar tudo que pode para abocanhar a participação das outras editoras.
    Não acredito que seja só a bolha acredito que esta distribuição em bancas que já era um lixo ferrou de vez com a queda da Abri. Vamos torcer para uma melhora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Alexandre... blz?

      Pois é, a "bolha" é uma coisa (um outro problema interligado)... Mas essa treta com as distribuidoras parece ser uma "Herança maldita" da Abril, rs!

      Essa é uma negociação q com certeza vai e já está afetando as demais editoras: "Como distribuir seus gibis agora no vasto território nacional?"... Essa é a questão q a Salvat, Mythos, e outras editoras terão q resolver pra seguirem adiante!

      Abs!

      Excluir
  46. Esta empreda de distribuição deve estar totalmente enrolada.
    Para você ver ela fechou até a filal
    do grande ABC e outras regiões e se focou em seviços nas bancas, imagine o dia que a interventora do grupo Abri chegar lá o que encontrarão.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...