16/08/2018

"Quadriláteros": Ideias Inviáveis nos Dias Atuais...

O "Quadriláteros"... É um novo Canal de Vídeo sobre quadrinhos (naturalmente) que mal surgiu e já pode ser considerado (SEM exageros) como sendo um dos melhores do gênero. Produzido por Cesar Leal (que já foi colaborador em várias matérias aqui pro "Submundo") o "Quadriláteros" se diferencia da média geral dos canais de Youtube por oferecer debates, curiosidades, e abordagens de alto nível sobre temáticas interessantes das HQs!

Recomendo à todos uma conferida nesta série de 3 vídeos sobre: "Ideias Inviáveis nos Dias Atuais"... Em que situações tidas como "normais" em outros tempos (e sob outro contexto histórico) HOJE seriam vistas como racistas, machistas, e xenófobas: "Zé do Boné" e a violência doméstica, O "Amigo da Onça", "Fu Manchu": O Estereótipo Oriental, "Dona Tetê" (do "Recruta Zero") e o sexismo, entre outros temas e situações polêmicas! Confiram também as 2 sequências: "PARTE 2" e "PARTE 3"!

Até+ 

28 comentários:

  1. Leo quantos de luzes faltam para terminar a fase do capitao america do ed brubaker?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leo, permita-me avisar aqui que eu fiz um guia de leitura completo da fase do Brubaker no Capitão América lá no grupo de guias de leitura ( facebook.com/groups/GUIASEORDENS ).
      Quanto ao assunto do post, já me inscrevi no canal e comecei a ver os vídeos. confesso que tenho me cansado da fórmula dos quadrinhotubers atuais e atualmente busco novos canais que valham a pena. o tempo é escasso infelizmente e reduzi bastante o número dos que via. ainda mais agora que tenho o grupo pra me ocupar. abraços.

      Excluir
  2. Respostas
    1. E aí... blz?

      A 1º série do Brubaker com o "Cap. América" já se encerrou no Vol. 7 dos encadernados Deluxe - "O Julgamento do Cap. América" (com o nº 619 da série original)!

      Porém, logo em seguida a revista do capitão foi zerada de novo e recomeçou da estaca zero uma NOVA fase TBM escrita pelo Brubaker... e q teve 19 edições (imagino, então, q essas 19 histórias caibam todas num Vol. 8 Deluxe: BEM encorpado)!

      Abs!

      Excluir
  3. Você acompanhou aquela fase da abril com o lançamento da linha Marvel premium? Tem na sua coleção? Acha que a qualidade era melhor que a linha regular da panini?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu acompanhei apenas as revistas Premium q me interessavam na época (Aranha e GHM)...

      Ainda as tenho na coleção, mas os mixes eram mto ruins no geral. Tinham papel LWC (brilhoso), mas era pegar um gibi com 7 histórias pra se aproveitar 1 ou 2. Foi uma fase bem ruim pra Marvel e DC (a Abril já tava meio q cagando pros super-heróis e a má-vontade dos editores da época era visível)!

      Abs!

      Excluir
  4. Muito legal os vídeos. Lembro que na época de moleque recortava as tiras dos quadrinhos nos jornais. Impossível não lembrar do Ze do Boné (só parceiro do César não conhecia, rsrsrs), Hagar e muitos mais.
    Realmente é controverso e desrespeitoso as atitudes de muitos personagens naquela época apesar de engraçado.
    Ainda bem que o tempo nos ensina, pra alguns é mais rápido, pra outros nem tanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Eu também recortava as riras de jornal... rs. nas férias na casa do meu avô ele comprava o Globo todos os dias, era esperar ele terminar de ler e começar a diversão. Zé do Boné era uma das preferidas... Mas a verdade é que o humor (ou mais precisamente a forma que encaramos o humor) mudou muito, para ler esse material a gente tem que manter a ótica da época em mente até para identificar a piada...
      Cesar Leal

      Excluir
  5. https://maisdeoitomil.wordpress.com/2018/08/08/9-sinais-da-proximidade-do-apocalipse-editorial-no-brasil/

    Uma matéria sobre a crise do setor. E depois me xingam quando eu defendo mensais e sou contra os encadernados de luxo que vão direto para livrarias e não para bancas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí... blz?

      As mensais e os encadernados de luxo são 2 produtos pra públicos diferentes, com perfis diferentes, e poder aquisitivo diferentes!

      São 2 produtos q precisam (a meu ver) existir juntos pra atender a ambos os públicos... Eu mesmo, não compro e jamais voltaria a comprar revistas mensais: Mas reconheço q elas devem continuar existindo pra atender o leitor ocasional q não coleciona HQs com afinco mas quer ler e conhecer um pouco dos universos Marvel/DC e tbm o leitor de menor renda q quer ler e colecionar seus heróis favoritos e não pode gastar o valor de vários encadernados pra isso!

      Por outro lado... Tem TBM o leitor q prefere o material encadernado (é o meu caso) e é mais exigente pra qualidade e acabamento gráfico (pra mim, até pode ser em capa-cartão: não faço questão de capa-dura e acho isso um luxo mtas vezes desnecessário, MAS TEM Q SER lombada quadrada pra mim - gibi mensal mix e com grampo já não me atrai em nada hj em dia)!

      Enfim... Públicos diferentes, com pensamentos e gostos distintos. A editora, como EMPRESA q é, deve levar amos em conta e se preocupar em melhor atender à todos os seus clientes!

      Abs!

      Excluir
  6. Fala, Leo !

    Particularmente, eu achei as análises feitas nos vídeos muito limitadas para o tema sugerido.

    Eu não tenho nenhum problema em comprar e colecionar quadrinhos que rompem com o politicamente correto. Ao contrário, repudio completamente tudo aquilo que se alinha com essa ideologia cheia de regras de conduta baseada em supostos direitos de supostas minorias.
    Quem se sente incomodado com determinada manifestação - como a que possa eventualmente ocorrer nos quadrinhos -, que trate de se abster de consumir aquilo que o deixa constrangido. O que não parece admissível é cercear a liberdade de criação (e de manifestação criativa) porque certos grupos se sentem "atingidos", embora esses mesmos grupos não demonstrem nenhum mal estar quando procuram condicionar o restante da sociedade a acreditar que lhes devem privilégios. Tais grupos procuram ficar blindados através de palavras de efeito - como preconceito e estereótipos -, com as quais objetivam salvaguardar prerrogativas, através do expediente da vitimização, ao invés de apresentarem algo de relevante que os diferenciem positivamente.

    O texto diz: "Situações tidas como "normais" em outros tempos (e sob outro contexto histórico) HOJE seriam vistas como racistas, machistas, e xenófobas".

    Esse é o mundo em que transformaram homens em panacas sem atitude, transformaram mulheres em lesbicazinhas ou afrescuradas e transformaram a sociedade de modo geral numa filial do inferno a ser vivido em nome do politicamente correto.

    Eu não participo dessa mentalidade que implantaram a ferro e fogo na maioria das sociedades ocidentais - onde a inversão e a corrupção dos valores predomina enquanto finge-se que se luta contra injustiças sociais.

    Hoje, verbas públicas são utilizadas pra promover paradas "LGBTs", marginal é tratado como vítima e recebe "Bolsa Presidiário", aluno não pode ser expulso de escola por mau comportamento, político corrupto fica em prisão domiciliar, juiz que comete crime é punido com aposentadoria e o mérito foi substituído pelo regime de cotas.
    Enfim, criaram uma porrada de direitos e esqueceram dos deveres, das obrigações e das punições pra quem de fato as merecem.

    Tente, por exemplo, formar uma banda de Rock chamada "Raça Branca", e logo vai aparecer a comissão dos direitos humanos, militantes da consciência negra, estudantes, esquerdistas maconheiros e outros grupos histéricos de plantão acionando imprensa, órgãos governamentais e tudo aquilo o mais que possa servir aos seus interesses para denunciar o absurdo de ter-se uma banda chamada "Raça Branca".
    Mas promover que pedofilia é doença (o pedófilo precisa apenas ser tratado), que criança não nasce com sexo definido (portanto, todos são bissexuais até que se definam), que a família é uma célula cancerosa a ser destruída (onde idéias que entrem em conflito com as crenças dominantes podem se desenvolver), que expor cocô, imagens de zoofilia e pornografia é legítima manifestação artística, que liberar o consumo de drogas é ato de modernidade, que as favelas têm todo um glamour próprio, e tantas outras formas de se degradar a mentalidade, é algo que passou a ser considerado normal. A nova religião a ser seguida.

    E uma legião de otários zumbificados pela mídia seguem a tudo isso com orgulho supremo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio.
      Entendo quando você diz que achou as análises limitadas mas não concordo. Quando criamos o canal o objetivo sempre foi falar sobre quadrinhos. Assim elencamos situações de personagens e seus criadores em seu contexto histórico e apresentamos o questionamento se eles seriam criados da mesma forma nos dias de hoje, mas não era objetivo apresentar qualquer conclusão ou analisar esferas políticas ou sociais nos dias atuais. Focamos na história dos quadrinhos e algumas curiosidades simplesmente por ser esse o objetivo do canal. Deixamos aos telespectadores a possibilidade de chegar as suas conclusões agindo como fonte de dados. Pena que não atingimos suas expectativas mas nosso objetivo é a apresentação da história das hqs e seus protagonistas...
      Cesar Leal

      Excluir
    2. "Deixamos aos telespectadores a possibilidade de chegar as suas conclusões".

      Perfeito, Cesar !

      O meu comentário acima apenas expressa as conclusões a que cheguei após considerar alguns dos fatores envolvidos na questão.
      Eu poderia ter guardado essas conclusões pra mim mesmo, mas como essas minhas conclusões não vão alterar coisa alguma na sociedade, e só se aplicam estritamente no âmbito da educação dos meus próprios filhos, não vi problema nenhum em expressá-las.
      A questão, portanto, não é se alguém deve ou não concordar com o que comentamos, mas sim que todos têm direito de expor livremente seus pontos de vista - desde que com o devido respeito à opinião alheia e desde que todas essas opiniões sejam inteligentes, isto é, que estejam minimamente fundamentadas.
      Foi o que eu procurei fazer.

      Abs !

      Excluir
    3. E aí, Antonio... blz?

      Eu entendo e concordo com o q vc falou (já me expressei outras vezes aqui CONTRA o politicamente correto tbm e no q se tornaram as novas gerações)... MAS, o objetivo do "Quadriláteros" (a meu ver) foi bastante claro e não tem necessariamente a ver com o aprofundamento dos temas analisados, e SIM: Mostrar como esses conceitos eram abordados em outra época e como seriam vistos nos dias de HOJE!

      É o exemplo dos "Trapalhões"... Gostemos ou não do clássico material deles produzido pra cinema e TV (e TBM gibis): O Fato é q hj em dia o programa seria taxado e censurado por racismo, homofobia, e machismo (entre outros "ismos"). É a LEI (e a consequência de se ir contra ela poderia render uma série de processos judiciais pros envolvidos, já q mtos desses elementos de humor passaram a ser CRIME pela lei)!

      Qdo o título do quadro se chama: "Ideias INVIÁVEIS nos Dias Atuais"... Significa q os quadrinhos analisados nos 3 vídeos enfrentariam diversos problemas, processos e manifestações/protestos se publicados HOJE pelas grandes editoras. Existem ainda HQs politicamente incorretas? Sim, taí o Garth Ennis (meu escritor favorito) pra comprovar isso. Mas são HQs adultas (Preacher, The Boys, etc) dirigidas pra um público adulto: Diferente de um "Zé do boné", q saía nas tiras de jornais pra leitores de todas as idades! Imagino q tenha sido esse o contraste q o canal "Quadriláteros" quis mostrar!

      Em tempo... Eu faço parte de um grupo sobre o boneco "FALCON" no face, e luto pra q a Estrela lance ARMAS de FOGO pro Falcon (o boneco foi relançado mas a Estrela tá com frescuras pra lançar arma de fogo pra um boneco q é um SOLDADO, rs). Comprei um "Falcon" pro meu filho um dia brincar com aquele q foi o meu brinquedo preferido na infância. Mas os falcons q eu tinha vinham armados até os dentes e é assim q eu quero q voltem a ser! Só falei isso pra vcs verem q em todos os segmentos a gente se depare com as mimizices politicamente corretas e (nesse caso do "Falcon") mtas vezes temos q acabar lutando contra elas pra defendermos nossos pontos de vista!

      Só q pra isso, é preciso tomarmos conhecimento da HISTÓRIA da cultura popular: De como as coisas eram no passado e no q as coisas se tornaram no presente!

      Abs!

      Excluir
    4. A proibição da fabricação e da venda de brinquedos com caráter bélico, como pistolas e espadas, faz parte de uma campanha orquestrada por ONGs ligadas ao desarmamento - para as quais, com base em uma psicologia de segunda categoria, esse tipo de brinquedo incentivaria o comportamenento agressivo e até mesmo ajudaria a formar futuros criminosos.
      Essas campanhas se alastraram como epidemia (e incluiram até os videogames), forçando muitos fabricantes a adotarem o famigerado "politicamente correto" na sua produção a fim de não serem alvos de críticas desses setores que supostamente defendem a sociedade.
      Note que até no aplicativo WathsApp não se encontra mais a pistola entre as figuras que poderiam ser enviadas junto aos textos. No seu lugar, existe agora uma pistola estilizada como se fosse de plástico. Ainda é possível encontrar, no "Waths", a figura de uma bomba com o pavio aceso, mas sabe-se lá até quando.

      Os desenhos animados atuais também já se tornaram a pura nata da babaquice.
      Felizmente, além de colecionador das boas HQs, tenho um acervo enorme de desenhos ANTIGOS, onde os golpes baixos, porradaria, explosões, insultos, falcatruas, ameaças e outras coisas que deixam os pseudo moralistas horrorizados representam justamente a essência e a magia daqueles desenhos - como se observa no Speed Racer, no Chuvisco e Plic-Ploc, no Papa Léguas, no Bom Bom e Mau Mau, no Fantomas, no Johnny Quest, no Don Drácula e no 8° Homem, apenas para citar alguns. Este último, por exemplo, é um desenho japonês antigo (eu nem era nascido quando foi lançado) em que o herói adquire seus super poderes quando fuma um cigarro !
      Nem preciso dizer que meus filhos menores adoram esses desenhos e dizem que, quando crescerem, querem ser como o "Bob" (garoto cientista do desenho "Frankenstein Jr.") ou ser como o Scott McCloud (protagonista do desenho "Anjo do Espaço"), assim como eu também já quis ser como o Ultraman (que lutava contra monstros) e como o Corredor-X (em cujo desenho do qual participava havia grupos como "A Gangue Assassina" e vilões como o "Capitão Terror").
      E duvido muito que qualquer criança saudável vá querer ser identificado com o Bob Esponja ou outro personagem moderno bobalhão. Meus filhos detestam esses desenhos atuais.

      Por fim, estou adquirindo a Coleção do Prince Valiant, da Fantagraphics, para também iniciar meus filhos na língua inglesa. E o que não falta ali são todos esses ingredientes de violência, batalhas, mortes e destruição.
      Como disse Bruce Lee : "É como um dedo apontado para a Lua. O ignorante olha para o dedo; o sábio, para a Lua."

      Em outras palavras : uma pessoa com a mente saudável não se fixa naquilo que é doentio e nem se deixa influenciar por isso. Ao contrário, percebe que essas coisas ruins existem mas se espelha naquilo que se contrapõe a elas. Isso é um exercício natural. Sendo assim, nenhuma intervenção artificial de psicólogos de plantão, que querem regular como crianças brincam e se divertem, pode mudar o caráter de quem já nasce predisposto a ser um canalha.
      Brasília que o diga.

      Abs!

      Excluir
    5. Boa, Antonio...

      Tbm tenho gravado uns DVDs pro meu filho... com desenhos q eu via na infância e q ele tbm pode gostar (sem ter q depender dessas porras de "Bob Espoja", "Pépa", e "Ben 10")!

      Comecei uma DVDtéca pro meu filho desbravar qdo for maiorzinho... Tem "Pernalonga", "Pica-Pau", "Ultraman", "Homem-Pássaro", "Pato Donald", "Spectreman", "Corrida Maluca", "Homem-Aranha" (anos 60), etc!

      E eu comemorei qdo relançaram o "Falcon"... Até entrei pra um grupo de face com outros colecionadores (todos adultos acima de 40/50 anos, rs) entusiastas desse boneco e seu universo. Foi qdo me deparei com a frescurada da Estrela em não querer lançar armas de fogo pra um SOLDADO. Já saíram 4 "Falcons" e o inimigo dele: "Torak". Todos desarmados (no máximo uma arma branca num deles: Um Facão)!

      Abs!

      Excluir
    6. Pô! Não curte Bob Esponja?

      Acho um dos mais engraçados e criativos das duas últimas décadas.

      Abs,
      VAM!

      Excluir
    7. Hehe... Eu só vi umas cenas do esponja aqui e ali (zapeando na TV):

      Do q eu vi, pareceu bobeira... Mas posso estar errado, é claro (teria q assistir pelo menos 1 episódio inteiro, rs)!

      Abs!

      Excluir
    8. O Bobo Esponja é razoável sim Léo, ainda é um desenho para ser engraçado. E nessa época de Pepas acaba se sobressaindo...
      Cesar leal

      Excluir
    9. "Hehe... Eu só vi umas cenas do esponja aqui e ali (zapeando na TV)..."

      Ele tem dois longa-metragens que misturam meta-linguagem e que são muito engraçados também.

      Abs,
      VAM!

      Excluir
  7. Leo já leu Invencível? Kirkman conseguiu trazer luz ao universo de heróis da Imagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu tenho os 3 primeiros encadernados da HQM...

      Bem legal a série mesmo: Mas a HQM deixou todo mundo na mão com essa coleção (vi q eles lançaram um Vol. 4, mas desisti de comprar pq já não tava levando fé nessa editora)!

      Abs!

      Excluir
  8. Panini postou no Hotsite a capa da primeira edição de Lendas do Universo DC - Novos Titãs. Haja material, haja grana. Preparem-se!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... Eu vi e gostei q utilizaram a capa do nº 1 original (acho fóda essa capa pq parece um POSTER)!

      Vou fazer certo essas "lendas"...

      Abs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...