03/05/2022

"Visões de 1992" (Parte 2): O Sentinela da Liberdade e O Amanhecer Esmeralda...

A publicação de HQs no Brasil como um todo sofreu um encolhimento significativo, onde vários títulos publicados foram descontinuados, sendo que somente um foi, de fato, concluído tal como lá fora! Devido à hiperinflação, os quadrinhos passaram a vir com um código na capa, onde o leitor, na hora da compra, consultava o valor da publicação em uma tabela de preços cedida pela própria editora. A tabela era trocada semanalmente, e isto significava que por conta disso a publicação sofria reajuste semanal.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, tinha início a 3º revolução dos quadrinhos com o surgimento da Image, criada por sete ilustradores e roteiristas dissidentes da Marvel: Todd McFarlane, Erick Larsen, Rob Liefield, Jim Lee, Marc Silvestri, Jim Valentino, e Whilce Portacio, que fundaram uma editora que passou a ser um local onde os criadores pudessem publicar os seus materiais sem ter que ceder os direitos autorais dos seus personagens, sendo que estes ficavam como propriedades de quem os criou.

Com heróis mais agressivos e visual mais radical do que os heróis tradicionais das outras editoras, a Image passou a vender milhões de cópias de uma única edição, rendendo uma fortuna para seus criadores, mas alguns conflitos entre os sócios, perda de prazos, e a falta de experiência dos envolvidos, contribuíram para a derrocada da editora e o fim da sociedade:

Maio:

Superaventuras Marvel nº 119: Quarteto Fantástico: Roteiro: Steve Englehart, e arte de Keith Pollard.Publicada originalmente em "Fantastic Four nº 311", de fevereiro de 1988. Capturados e enviados ao espaço por Farouk Al-Fasaud, O Coisa e sua namorada Miss Marvel II conseguem colocar fim nos planos do vilão, mas são bombardeados por Raios Cósmicos e Sharon Carter, transformada numa versão feminina do Coisa após ser irradiada pelos Raios Cósmicos. Desesperada pela grotesca transformação ela tenta o suicídio, algo praticamente impossível para um corpo indestrutível, enquanto Ben Grimm tenta convencê-la de que a morte não é a melhor solução, e sim aceitar a condição que pode ou não ser temporária. Durante a viagem espacial Ben Grimm também sofre uma mutação após ser exposto novamente aos raios cósmicos, sendo esta ainda mais agressiva, modificando radicalmente sua aparência. Sharon Ventura foi a segunda Miss Marvel, e por muitos anos ela assumiu o codinome de Mulher Coisa após aceitar a sua transformação, participando inclusive do Quarteto Fantástico. durante a Saga Guerras Secretas, ela voltou à sua forma humana! Demolidor: Roteiro de Ann Nocenti, e arte de John Romita Jr.Publicada originalmente em "Daredevil nº 268", de julho de 1989. Matt passa a noite em uma pousada e acaba ajudando o proprietário a escapar dos negócios ilegais de seu irmão. A capa da edição foi uma adaptação feita pela Editora Abril, dividindo metade entre a capa de Daredevil nº 268, por Romita Jr. & Williamson; e outra metade adaptada da capa de Fantastic Four nº 310, por Frenz & Sinnott.

Conan- O Bárbaro n°01: Publicação em formatinho e com 84 páginas, destinada a trazer as histórias publicadas na revista "Conan-The Barbarian", a primeira publicação do Cimério na Marvel, e Sonja-A Guerreira juntos numa só edição! Algumas são histórias inéditas como as do Conan nesta edição, mas a maioria serão republicações de histórias publicadas pela própria Editora Abril em "Heróis da TV" e "Superaventuras Marvel". Conan: Roteiro: Roy Thomas, e arte de John Buscema.História publicada originalmente  em "Conan The Barbarian n° 101", de agosto de 1979. "O Demônio Tem Muitas Pernas": Na primeira história, capturado pelos membros da Tribo Bamula, Conan tem que enfrentar o cruel chefe de guerra da tribo em circunstâncias extremamente desfavoráveis. Roteiro: Roy Thomas, e arte de John Buscema.História publicada originalmente  em "Conan The Barbarian n° 102", de setembro de 1979. "Homens Que Bebem Sangue": Na segunda história,Conan encontra uma tribo cujos membros são supostamente vampiros, e acaba indo de encontro a um "Drellik", uma terrível criatura cujo poder supera até o do próprio Cimério. Roteiro: Roy Thomas, e arte de John Buscema. História publicada originalmente  em "Conan The Barbarian n° 105", de dezembro de 1979. "Sombras Sussurantes": Na terceira história temos  a adaptação do livro "O Castelo do Terror" de L. Spring de Camp & Lin Carter, publicado em "The Castle of Terror", pela Lancer Books em 1969, e republicado várias vezes desde então. Conan encontra abrigo em um castelo em ruínas habitado por uma criatura medonha. Estas histórias serão republicadas pela Editora Panini em "Marvel Omnibus: Conan o Bárbaro: A Era Marvel nº 04" em 2022. Sonja: História de de Howard Chaykin, roteiro de Roy Thomas e Doug Moench, e arte de Dick Giordano.História publicada originalmente em "The Savage Sword of Conan n° 78", de julho de 1982. 'Nasce Uma Guerreira": Somos apresentados à origem de Sonja e todos os acontecimentos que levaram a se transformar na "Mulher Demônio", alcunha pela qual é conhecida! Com os direitos de publicação atualmente pertencente à Dynamite Comics, esta polêmica origem da personagem sofreu reboot em 2013 pela escritora Gail Simone (Birds of Prey) e foi 'amenizada", pois nela Sonja não sofre mais violência sexual pelas mãos do líder do grupo que assassinou sua família, e também não aparece mais a entidade sobrenatural coma qual faz "um pacto' onde ela se tornaria a maior das guerreiras, mas um homem só poderia tê-la caso a derrotasse em combate. Nesta nova versão a sua origem,  é a de uma aprendiz de arqueira conhecida como Sonjita que vive com a sua família nas florestas da Hirkânia, e é atacada por um grupo de mercenários liderados por um líder tribal chamado Rykar que assassina os pais da menina e foge. Usando  técnicas de arquearia que seu o pai lhe ensinara,  Sonjita mata um a um dos mercenários até chegar no líder e decepar sua cabeça. O acontecimento faz com que a guerreira ganhe o nome pela qual ficou conhecida, devido aos cabelos naturalmente vermelhos. O seu nome completo ganha anos depois ao se tornar escrava de um rei sem escrúpulos, sendo usada como gladiadora juntamente com uma outra guerreira chamada Anisia Negra. Antes Sonja era mostrada como uma mulher assexuada, algo que foi sendo modificado nas publicações da Dynamite, onde ela passou a ser uma mulher provocante, que se insinuava para os homens, como uma forma de atiçá los a desafiá-la, e consequentemente acabarem mortos. Atualmente Sonja se tornou bissexual após sua reformulação! Vale ressaltar que esta origem da era Marvel da personagem foi adaptada no filme "Guerreiros de Fogo" (Red Sonja), de 1984, com Bridget Nielsen no papel título. No vindouro filme da personagem com  a atriz  Hannah John-Kamen no papel título, com certeza será utilizada a origem atual da personagem. Essa origem da personagem foi publicada originalmente pela Editora Abril em "Heróis da TV n° 50", de agosto de 1983. Esta primeira edição da publicação foi publicada em lombada quadrada, capa cartão plastificada e com a arte do Conan em alto relevo na capa.

Clássicos DC nº 01-O Homem de Aço: Roteiro e arte de John Byrne. Publicada originalmente em "The Man of Steel nº 01 a nº 06", de outubro a dezembro de 1986. A Editora Abril lança encadernada pela primeira vez a mini-série criada por John Byrne, que traz a reformulação do Superman pós-Crise nas Infinitas Terras, publicada por ela nas mensais do herói, em "Super Homem nº 38 a nº43", de gosto de 1987 a janeiro de 1988. Muito criticada na época pelos fãs do personagem, esta reformulação do Superman trouxe ele de volta à origens de repórter do Planeta Diário, já que antes ele era âncora de um emissora de TV,  seus pais ainda vivos e morando em Smallville, e a maioria dos elementos  fantásticos comumente associados ao herói foram removidos de sua mitologia, em favor de um enfoque mais realista e dramático que se manteria por mais de uma década. Além de mais jovem, o nível dos seus superpoderes sofreu uma considerável redução. Lois Lane, aqui é retratada como uma mulher independente, de temperamento forte, e extremamente focada em seu trabalho. Byrne viu que era necessário revisar a relação de Superman/Clark Kent com a cidade de Smallville, onde o personagem crescera, e como parte disso seria necessário uma mudança na dinâmica com Lana Lang, amiga de infância e namorada de Clark Kent na juventude. O escritor tinha a intenção de tornar Lana o interesse romântico do herói, mesmo após ele ter se mudado para Metrópolis, mas o "triângulo amoroso" entre Clark, Lois Lane e Superman era algo tido como algo "inviolável" pela editora. Assim, para justificar a posição de destaque que Lana tinha na vida de Superman do herói, Byrne fez Clark revelar para sua namorada que possuía super-poderes antes de decidir se mudar  de Smallville para Metrópolis. Lex Luthor, outrora um cientista louco, teve sua origem e personalidade drasticamente alterada para um mega empresário criminoso, sendo o fundador da Lexcorp, uma grande multinacional atuante em diversas áreas, mas que se sobressai no desenvolvimento de tecnologia de ponta; e conforme a empresa crescia, foi se tornando parte vital da economia de Metrópolis, até que finalmente Luthor tornou-se o homem mais importante e influente da cidade. Ao mesmo tempo em que se tornava um dos maiores homens de negócios do país, ele conseguiu dominar o submundo do crime vendendo armas às gangues de Metrópolis e usando sua equipe de funcionárias para coletar informações com que pudesse chantagear os principais chefões do crime organizado, garantindo sua participação em qualquer plano que desenvolvesse, porém isso muda drasticamente com a chegada do Superman à cidade. Em cada uma das seis edições da mini-série "The Man of Steel" foram estabelecidas ou, quando necessário, reexplicada importantes características do personagem, que continuariam a ser exploradas nas histórias publicadas nos anos seguintes. Clark Kent tem 28 anos e atua como Superman há cerca de pelo menos cinco anos. O fato de Superman usar uma roupa tão apertada, por exemplo, é explicado como decorrente da bioelectricidade do personagem — o "campo bioelétrico" do personagem seria tão desenvolvido que não apenas tornava-o mais resistente a danos, como também envolveria roupas coladas ao corpo, tornando-as igualmente mais resistentes.Outro detalhe, é que o escritor explicaria ainda como Superman faz para se barbear ou cortar o cabelo e de que forma o Sol influenciava os seus super-poderes. The Man of Steel  vendeu na época mais de um milhão de exemplares durante a sua publicação, e todas as demais revistas apresentaram um aumento em suas tiragens, vendendo cerca de 200 mil exemplares por mês durante o período. Embora esta reformulação do Superman seja a mais marcante e tenha influências até hoje mesmo após vários reboots da editora; nos bastidores  as coisas foram muito conflituosas não apenas entre John Byrne e Marv Wolfman, mas entre Byrne e a própria Editora DC Comics. John Byrne já declarou publicamente que o projeto não correspondeu ao que ele pretendia fazer originalmente e as alterações por ele promovidas continuam sendo alvo de debate entre fãs, historiadores e profissionais da indústria. Segundo Byrne, fazer uma mini-série contando a origem de Superman não estava nos planos originais nem dele nem da DC. Seguindo o conceito de reboot, Byrne,  Wolfman e o desenhista Jerry Ordway  haviam planejado fazer com que cada uma das revistas dos personagem tivesse uma temática diferente, mas todas se dedicando a mostrar os primeiros anos de sua vida como herói, mostrando o seu amadurecimento e o aprendizado pelo qual passaria até se tornar um herói de destaque. Até o momento da assinatura do contrato, os editores da DC Comics também pareciam ter essa mesma pretensão de mostrar o personagem "aprendendo" a ser um super-herói durante as primeiras histórias. Mas segundo Byrne, assim que o primeiro ano de histórias começou a ser discutido, a editora começou a demonstrar que não mais apoiava essa ideia, insistindo que o personagem já fosse mostrado como um herói "estabelecido" — assim, surgiu o título "The Man of Steel", uma forma resumida de contar o período de "aprendizado" pelo qual Superman teria passado. Britânico por nascimento, Byrne passou a maior parte de sua vida morando no Canadá e posteriormente se naturalizou americano. A sua identificação com o país e sua cultura foi determinamente para sua visão da origem de Superman. O escritor defende que britânicos "não servem" para escrever histórias em quadrinhos de super-heróis, por "não entenderem o gênero", que seria típico dos Estados Unidos, e que a origem de Superman deveria ser contada como uma típica história americana de sucesso, a do imigrante que vem para o país e ali se estabelece. "The Man of Steel", recebeu fortes críticas por parte de fãs americanos, descontentes com o "novo" Superman. Aqueles que enxergam a histórias de forma negativa apontam que John Byrne foi tão radical que acabou eliminando muito do apelo básico do herói e criando algo diferente e quase irreconhecível para os antigos fãs", enquanto que os defensores da "versão" de Byrne a julgam "a melhor já produzida" na história do personagem. Após  a revista "Action Comics" atingir a histórica marca de 600 edições publicadas, em maio de 1988, John Byrne deixa o cargo de roteirista e desenhista. A relação entre John Byrne e a DC ainda permanece conflituosa até os dias de hoje, embora ele ainda tenha feito trabalhos posteriores na editora, sua saída dela não foi amigável.O escritor  e desenhista é conhecido pelo gênio difícil e  temperamento egoísta; e embora tenha sido contatado pela editora para a comemoração dos 80 anos do Superman, Byrne literalmente ignorou o contato da editora, mas sua ausência foi sentida pelos fãs na edição comemorativa de "Action Comics 80 Anos" de Superman, publicada no Brasil pela Panini em dezembro de 2018. A reformulação de John Byrne já foi republicada encadernada várias vezes no Brasil, sendo a primeira pela Editora Mythos em "Superman - O Homem de Aço", de dezembro de 2006; pela Editora Eaglemoss em "DC Comics - Coleção de Graphic Novels n°08: O Homem de Aço", de dezembro de 2015; e pela Editora Panini em "A Saga do Superman n°01", de março de 2021, utilizando inclusive a mesma capa deste encadernado da Editora Abril.

Homem-Aranha Anual nº 01:Roteiro de David Michelinie, e arte de Todd McFarlane.Publicado originalmente em "The Amazing Spider Man nº 304, nº 306, nº 307,e  nº 308", de setembro a novembro de 1988. Se adaptando à nova vida de casado, morando em um condomínio luxuoso, e casado com uma top model, Peter Parker lança um livro chamado "Teias" mostrando seu trabalho como fotógrafo especializado em tirar fotos do Homem Aranha; mas esta calmaria irá passar muito em breve com o retorno de antigos vilões, Silver Sable, e o rapto de sua esposa Mary Jane por um admirador obcecado por ela! Aqui temos o confronto do Herói Aracnídeo com o vilão Treinador, que apareceu  em live action no filme "Viúva Negra" (2021), numa versão bem controversa e polêmica! Esta histórias foram republicadas pela Editora Abril em " O Melhor do Homem Aranha nº 01", de dezembro de 1996 de dezembro de 1996;  e "O Melhor do Homem Aranha nº 02, de agosto de 1997; pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos do Homem Aranha nº 05, de maio de de 2007; e em "Os Maiores Clássicos do Homem Aranha nº 06 ", de janeiro de 2008; e em "Marvel Omnibus: O Espetacular Homem-Aranha Por David Michelinie e Todd McFarlane", de maio de 2021; e pela Editora Salvat em "A Coleção Definitiva do Homem-Aranha n° 24", de abril de 2018.

Cine Quadrinhos n°02 - Caninos Brancos: Roteiro de Jack London, e arte de  Richard 'Sparky" Thomas Moore. Publicado originalmente em "Walt Disney Pictures Presents: White Fang", 1990. Graphic novel que traz a adaptação em quadrinhos do filme de sucesso da Disney, que conta a história  do jovem órfão Jack Conroy (vivido por Ethan Hawke) que  viaja para o Alasca para encontrar uma mina de ouro deixada pelo pai. Quando ele chega ao local, cria amizade com um lobo que ele batiza com o nome de Caninos Brancos. O lobo se torna seu companheiro de aventuras e o acompanha sempre e para todos os lugares,e tornando-se o seu melhor amigo. Esta foi a última edição do selo criado pela Editora Abril destinado a trazer adaptações em quadrinhos de sucessos do cinema!

O Homem-Aranha- Edição Comemorativa dos 30 anos do Herói: Continuando a comemoração dos 30 anos do Herói Aracnídeo, a Editora Abril lança uma revista pôster em formato magazine com 32 pôsteres do herói feitos pelo artista que o revolucionou Todd McFarlane. São capas de edições (algumas variantes), e algumas foram utilizadas pela Editora na época! Material raríssimo!

Avenida Brasil - Assim Caminha A Modernidade: Roteiro e arte de Paulo Caruso. O governo Collor, desde seu rompante modernizador até o escândalo do "esquema PC Farias", segundo a visão e o desenho bem-humorados de Paulo Caruso. Esta publicação venceu o 5.º Troféu HQ Mix realizado em 1993 como melhor Álbum de humor! Esta Graphic novel pertence à série "Avenida Brasil" criada pelo cartunista e chargista brasileiro que possuem nove álbuns com temas variados, publicados entre 1989 e 2006.

As Aventuras do Capitão América n°01: Roteiro de Fabio Nicieza, e arte de Kevin Maguire. Publicada originalmente em "The Adventures of Captain America n°01, de outubro de 1991. Mini-série mensal em quatro edições de 52 páginas, que faz um retcon da origem do Sentinela da Liberdade, mostrando de forma mais moderna e abrangente sua origem e sua atuação na 2ª Guerra Mundial, seu primeiro encontro com Bucky que viria a se tornar seu parceiro,e seu primeiro confronto com seu principal inimigo - o Caveira Vermelha. Controversa em alguns pontos, a obra serviu como inspiração para o filme do "Capitão América"(2011), onde temos a Tenente Cynthia Glass que serviu de inspiração para  Peggy Carter, interpretada por Hayley Atwell interesse amoroso do herói; e o General Phillips  que serviu de inspiração para o Coronel Chester Phillips interpretado por Tommy Lee Jones. Até o lançamento desta mini-série, a origem do super herói já tinha sido revisitada várias vezes desde que ele foi incorporado à Marvel Comics, começando por um de seus criadores Jack Kirby em "Tales Of Suspense nº 63", de março de 1965 (republicada recentemente no Brasil em "Coleção Clássica Marvel nº 07", de junho de 2021), e  a última a feita por Roger Stern e John Byrne, publicada em 'Captain America nº 255", de março de 1981, no Brasil saiu em "Almanaque do Capitão América nº 29", de outubro de 1981, e republicada em "Almanaque do Capitão América nº 77", de outubro de 1985, e "Marvel Especial nº 10", de dezembro de 1990. A versão da origem pelo competente escritor Roger Stern, é mais heróica e inspiradora, já esta de Fabio Nicieza já bebe na fonte da reformulação de outros personagens, mostrando Steve Rogers inicialmente agindo sem o uniforme com as cores de seu país como uma espécie de justiceiro noturno por conta própria. Ademais, Steve Rogers é bem mais falastrão e convencido de si mesmo, estando bem longe da maturidade que o personagem sempre demosntrou ter desde jovem; e o garoto que viria a se tornar seu parceiro: Bucky, é uma espécie de delinquente juvenil, no melhor estilo trambiqueiro, e de personalidade muito irritante! O Caveira Vermelha mantém a mesma personalidade, e só aparece mais para o final da mini-série, e a idéia para o escudo redondo do herói é muito polêmica, e hoje poderia ser considerada vergonhosa a idéia do escritor para isso! Embora emule histórias clássicas do herói, é um material controverso em muitos pontos como alguns retcons de origem que saíram nos Anos 90 que falharam em seu propósito.É um material que ficou "esquecido" com a passagem do tempo, e creio que permanecer assim é o melhor já que escritores mais competentes revisitaram a origem do herói nos anos seguintes a esta publicação e tiveram melhor resultado com o retcon.

Conan Rei nº 24: Roteiro de Don Kraar, e arte de Mike Docherty e Tony Dezuñiga. Publicado originalmente em "Conan The King nº 46, e nº 47", de maio e julho de 1988. O confronto final de Conan contra  o Feiticeiro Caliastro e a Rainha Leora em uma fortaleza na Corinthia! Vingança, morte, e traição na conclusão da saga de Conan Rei! Última edição do título!

O Incrível Hulk nº 107:Roteiro de David Michelinie, e arte de Mark D. Bright.Publicada originalmente em "Iron Man nº 231", de junho de 1988. Tony Stark decide deixar de lado sua identidade de Homem de Ferro, sem intenção de construir outro traje. Mas ao ver sua empresa e inocentes sendo ameaçados pelo vilão Poder de Fogo já que Edwin Cord traiu o governo e ficou com o traje, usando para seus propósitos, ele se isola e constrói sua obra prima: A MK VIII, uma nova armadura com as cores vermelha e dourada aliada ao que há de mais moderno em tecnologia, dispositivo de proteção para evitar a clonagem da tecnologia. Esta armadura do Homem de Ferro fez sucesso na época e redefiniu o personagem trazendo de volta as cores que o consagraram, já que a anterior a Silver Centurion, além do formato mais robusto, não tinha mais as cores que o  definiam. Esta armadura foi a mesma utilizada em sua animação de 1994, que durou duas temporadas! Esta história foi republicada pela Panini em dois momentos distintos, em: "Invencivel Homem de Ferro: A Guerra das Armaduras", de maio de 2010, em capa cartão; e em  "Homem de Ferro: A Guerra das Armaduras", de junho de 2021, em capa dura.

Superpowers nº25: Roteiro de John Ostrander e Kim Yale, e arte de Geof Isherwood.Publicado originalmente em "Suicide Squad nº 40 a nº 43", de abril a julho de 1990. Desde a sua separação, os membros do Esquadrão Suicida seguiram caminhos diferentes, agora cabe a Amanda Waller e Batman trazê-los de volta! Além disso, para evitar um confronto entre as forças americanas e soviéticas em Vlatva um país devastado pela guerra , Batman e o Esquadrão Suicida seguem para a Europa.

X-Men nº 43: Roteiro de Chris Claremont, e arte de Marc Silvestri.Publicada originalmente em The Uncanny X-Men nº 233 e nº 234, de setembro e outubro de 1988. X-Men Inferno: Os X-Men rastrearam Harry Palmer, um homem infectado com um embrião da Rainha Ninhada, em Denver, Colorado, onde são enganados e emboscados por todos aqueles que ele transformou. Sem saída, os X-Men são cercados por humanos parcialmente transformados que, para a surpresa do grupo, acabam se transformando em mutantes, concretizando o plano da Ninhada para dominar o mundo. Foi republicada pela Editora Panini em "Coleção Histórica Marvel: Os X-Men n°08", de julho de 2016; e "X-Men: Inferno n°02", de setembro de 2018.

Junho:

Superaventuras Marvel nº 120: Roteiro de Ann Nocenti, e arte de John Romita Jr. História publicada originalmente em "Daredevil nº 269", de agosto de 1989. Blob e Pyro chegam a uma pequena cidade do interior dos EUA em busca de uma garota mutante para obrigá-la a se registrar na Força Federal. Porém o Demolidor também está lá, com o intuito de salvar a garota dos poderosos e perigosos mutantes membros da Força Federal. A fase Ann Nocenti se destaca por tirar um pouco o Demolidor de sua zona de conforto e colocá-lo para enfrentar adversários que ele costumeiramente não enfrentaria como no caso desta história onde ele enfrenta o Blob e o Pyro, dois perigosos mutantes com poderes distintos, mas muito poderosos! Embora enfrente os dois no mano-a-mano, sua astúcia e habilidades físicas o faz obter certa vantagem para lidar com seus oponentes, mas uma ajuda por outra facilita a derrota dos mutantes quando a garota faz uso de seus poderes para ajudá-lo.

O Homem-Aranha n° 108: Roteiro de Peter David, e arte de Alex Saviuk.Publicado originalmente em "Web Of Spider Man nº 40-43", de julho a setembro de 1988. Um hipotético cirurgião que cura as pessoas, e uma seita de fanáticos atraem a atenção do Homem Aranha, ainda mais quando Betty Brant (Leeds) se torna membro desta seita após o o violento assassinato de seu marido, onde procura refúgio para sua dor! Betty foi o primeiro amor de Peter Parker, e depois se tornou uma grande amiga, e o Homem Aranha sabendo que seu falecido marido era o Duende Macabro, como se acreditava resolve ficar de olho em sua amiga e nos misterioso Professor que opera verdadeiros milagres na arte da cura. Neste interím, Mary Jane encontra uma velha amiga, e por intermédio dela resolve fazer um ensaio de lingerie "revelador"! Querendo discutir a proposta com seu marido, ela não consegue encontrá-lo já que ele está em um lugar remoto infiltrado na misteriosa seita, e então por conta própria ela decide fazer o ousado ensaio, se arrependendo posteriormente e decidindo pôr fim às fotos e jamais comentando com o Aranha o acontecido! Bom, aí entramos numa zona cinza onde fica a pergunta : Qual o objetivo do escritor em criar esta subtrama na história? Insinuar que houve uma traição? Ou que o casamento do herói  foi um grande equívoco? Mary Jane sempre foi uma mulher independente, de espírito indomável, e mesmo sendo apaixonada por Peter Parker desde a adolescência, ele teve vários namorados entre os intervalos de seu relacionamento com Peter, até o momento em que decidiu se casar com ele! Fica a critério do leitor interpretar se a atitude de Mary Jane foi ou não uma traição conjugal, devendo se lembrar sempre que ela é um top model que vive da imagem, e muitas vezes precisa fazer ensaios sensuais com trajes sumários, ou  até mesmo com lingeries transparentes. Então, como disse anteriormente fica a critério do leitor a opinião em relação a isso! Depois do ensaio Mary Jane volta para casa e Tia May vai visitar o casal. Lá chegando Mary Jane está no banho e May acha o envelope  com as fotos e fica horrorizada com a ousadia do ensaio. Mary Jane explica tudo a ela, e elas caem na gargalhada, jurando segredo sobre o assunto, e então as fotos são destruídas! Betty Brant desmascara o Aranha, mas devido ao seu estado mental perturbado e ao uso de drogas administradas pela seita, ela não reconhece quem está debaixo da máscara. Porém, o misterioso professor acaba descobrindo que Peter Parker é o Homem Aranha, mas ele morre num incêndio!!

Batman nº 29: Roteiro de Alan Grant, e arte de Norm Breyflogle.Histórias publicadas originalmente em "Batman nº 463, e nº 464", de junho, e julho de 1991. Seguindo as pistas de um homicídio encontradas em San Francisco, Batman vai para Nevada. Ao cruzar o Vale da Morte, um cachorro fica no caminho do Batmóvel e o leva até a pequena cabana do Lobo Negro; um índio idoso que está prestes a ser atacado por um grupo de jovens índios renegados. Batman e o cachorro salvam o velho, que passa a contar a Batman sobre uma maldição, que está de alguma forma ligada aos assassinatos em Gotham e San Francisco. Batman sabe que tem que correr para Las Vegas para parar um homem chamado Dois-Corações e seu associado, Twisted Billy, ambos responsáveis ​​pelos crimes.Lobo Negro e o cachorro viajam com Batman.Em Las Vegas, ele assume sua identidade civil de Bruce Wayne para procurar os criminosos, ao encontrá-los, ele segue a trilha dos índios renegados até o Grand Canyon junto com Lobo Negro e seu cão de protetor. Eles assistem enquanto Twisted Billy e seus associados entram em uma caverna dentro de uma formação rochosa. Lá dentro, o líder dos índios, Dois-Corações, está esperando por eles. Billy, entrega os itens sagrados recuperados em Gotham e São Francisco, que Dois-Corações usará no ritual para libertar seu povo da maldição do fantasma. O ritual consiste em um sacrifício, e Dois-Corações sequestrou várias pessoas, descendentes dos homens brancos que amaldiçoaram seus ancestrais.Assim que Dois-Corações começa o ritual, o velho índio intervém e confronta o criminoso, que é seu próprio neto. A disputa será resolvida em combate e Batman será escolhido como o campeão do Lobo Negro contra Dois-Corações. A vitória de Batman é também a do Lobo Negro, e para libertar a maldição de seu povo, ele sabe que um sacrifício deve ser feito. Ele então mata 'Dois-Corações", e libera todas as pessoas sequestradas. Chocado, Batman observa os índios e os brancos saírem da caverna até que apenas ele, o Lobo Negro e o cachorro permaneçam. O velho está pronto para morrer junto com seu neto e permite que o cão seja livre para seguir seu próprio destino. Batman também sai da caverna e sela a entrada com pedras. No dia seguinte, Bruce Wayne liga para a Wayne Enterprises e arruma um vôo de volta para Gotham City, dizendo que está levando um cachorro com ele. Ace, o cão apareceu posteriormente em várias histórias do herói, e era o companheiro de Harold na Batcaverna.Depois de "A Queda do Morcego", quando Harold foi expulso da Batcaverna por Azrael, o cão desapareceu, e seu destino nunca foi explicado! Última edição da revista! Com o sucesso do filme Batman em 1989,e toda a onda da Batmania que ele gerou ao redor do mundo, a Editora Abril apostou alto num título próprio do herói em formato americano, que era algo de luxo para a época, e digno apenas de alguns personagens! Porém, o Batman nesta época não era um personagem com um apelo popular tão forte, mesmo com o sucesso estrondoso do filme de 1989 e toda a onda da Batmania que ele criou. O Batman já vinha de duas tentativas fracassadas de título próprio pela editora, uma de 1984 quando ele junto com o Superman fizeram a estréia da DC Comics na Editora; só que ao contrário do superman, a revista solo do Batman durou apenas 10 edições. A segunda tentativa foi após a reformulação do Universo DC por Crise Nas Infinitas Terras, onde após o reboot da editora americana, a Editora Abril resolveu apostar numa nova tentativa de título solo do herói em julho de 1987. Quando este título solo foi lançado a editora já havia publicado a mini-série "Batman-O Cavaleiro das Trevas", a obra seminal de Frank Miller que revolucionou não só o herói, bem como a indústria dos quadrinhos na época. Aclamada pela crítica, a mini-série revolucionária de Frank Miller vendeu muito bem no Brasil na época; então nada mais justo que apostar num novo título do herói que recontaria a sua origem de forma seminal feita pelo mesmo escritor que o revolucionou. Embora tenha tido vida uma pouco mais longa, e durado 16 edições, mesmo trazendo sagas como "Ano Um", e posteriormente "Ano Dois", a revista não vendia bem o suficiente e o personagem não caía nas graças dos leitores, e então o título mais uma vez foi cancelado! A inflação alta e reajustes no preço a cada edição do título, somados ainda ao fato de que os melhores arcos de histórias do herói eram destinados para as suas edições anuais ou especiais, e o fato do artista Norm Breyfogle não agradar aos leitores da época, contribuíram para o cancelamento do título! Já havia indícios de que isso ia acontecer, já que as duas edições finais do título traziam edições antigas (encalhes) no tipo 'leve duas edições e pague apenas uma'! Não houve sequer uma nota de aviso por parte da editora sobre o cancelamento do título como ela fez com o título do Monstro do Pântano, cancelado em 1991. Simplesmente, a edição parou de vir para as bancas e ponto final! Curiosamente, a revista foi cancelada faltando apenas um mês para a estréia de "Batman-O Retorno", e nem mesmo a estréia de mais um filme do herói foi o suficiente para a editora dar uma sobrevida ao título,sendo esta a prova de que a revista vendia muito mal! Mesmo com o título solo do herói cancelado pela terceira vez pela Editora Abril, Batman continuaria a aparecer em edições especiais,minisséries, ou títulos da DC no Brasil como Superpowers, trazendo sagas inteiras! A situação do Batman no Brasil ainda ia ter um reviravolta muito grande, e os ventos iam soprar ao seu favor tornando ele o fenômeno de vendas que ele é hoje no Brasil!Mas isso é assunto para um futuro próximo, mais precisamente para o "Visões de 1994"!!

O Melhor de Groo: Roteiro e arte de Sérgio Aragonés.Publicada originalmente em "The Groo Wanderer nº 01, nº 06, nº 12, nº 15, nº 29. Edição especial com 96 páginas que compila as melhores histórias do bárbaro pouco inteligente criado por Sérgio Aragonés. Estas histórias saíram anteriormente no título solo do personagem publicado na época pela Editora Abril!

Graphic Novel n° 29: Roteiro e arte de Frank Margerin. Lulu Smack! Lucien volta para casa e para seus amigos, após cumprir serviço militar. Agora é hora desse rebelde sem causa arrumar um emprego, uma namorada e curtir a vida. Última edição! A publicação que revolucionou o mercado de quadrinhos brasileiros trazendo histórias mais adultas e autorais chega ao  fim  de maneira melancólica, quase que apagada! O título já vinha agonizando a algum tempo, principalmente desde que a Editora Abril criou um selo próprio de Graphic Novels da Marvel, onde passou a destinar a publicação somente para títulos autorais independentes e as vendas despencaram drasticamente! Havia um comentário de que sem super heróis no título, as vendas despencavam, algo que lamentavelmente aconteceu de início com "O Edifício "de Will Eisner, de fevereiro de 1989. Mesmo assim, a Editora Abril poderia ter tido mais zelo com a publicação, ainda que a concorrência da Editora Globo e sua "Graphic Globo" roubasse algum título que poderia ser publicado nela. Este foi o terceiro título de histórias mais adultas que a Editora Abril cancelou em três anos! Começou com "Aventura & Ficção",  em janeiro de 1990; "Os Caçadores",em julho de 1991; e por fim "Monstro do Pântano", em julho de 1991. Havia uma política editorial na Abril que HQs deveriam ser sempre focadas para o público infantil, e infanto-juvenil, já que para eles adultos não liam HQs, por isso o descaso com publicações com histórias mais maduras. A única exceção à regra era a Espada Selvagem de Conan! De qualquer forma, o Selo Graphic Novel deixou muita saudade, e muitas de suas republicações infelizmente jamais foram republicadas novamente mais de 30 anos depois de publicadas pela primeira vez no Brasil! A Panini até  republicou alguns títulos que saíram na publicação como: "Demolidor: Amor e Guerra"; "X-Men: Deus Ama, O Homem Mata "("O Conflito de Uma Raça"); " A Morte do Capitão Marvel"; "Surfista Prateado: Parábola"; e "Dr. Estranho: Shamballa"; "Batman: A Piada Mortal'; e "Batman:O Filho do Demônio'. "Homem de Ferro: Crash"; e "Homem Aranha : Marandi", até o momento não foram republicadas, porém a partir de 2022 a Panini irá inaugurar um novo selo de publicação chamado "Tesouros Marvel", que na primeira edição trará uma nova republicação de "Doutor Estranho:Shamballa', republicada uma vez mais em capa dura e agora ganhando uma sobrecapa. O que abre uma nova oportunidade para estas Graphic Novels serem republicadas novamente no Brasil. Existem outros que merecem ser redescobertos, mas os direitos autorais podem estar perdidos ou os direitos pertencerem a outras editoras!

DC Especial nº 09: Roteiro de Keith Giffen e Gerard Jones, e arte de Mark D.Bright.Histórias publicadas em "Green Lantern: Emerald Dawn II n°01 a nº 06", de abril a setembro de 1991. Amanhecer Esmeralda II - Edição especial com 148 páginas. Continuando a história de Hal Jordan após Crise Nas infinitas Terras, esta mini-série mostra  os 90 dias que Hal Jordan passou na prisão, e seu treinamento com Sinestro. Hal Jordan comparece em tribunal para assumir a responsabilidade pelo acidente que causou enquanto conduzia sob a influência de álcool. Infelizmente, o juiz faz dele um exemplo, e condena Hal a 90 dias numa instalação de segurança máxima. Após uma última visita de Carol Ferris, Hal é transportado num veículo prisional. Contudo, quando ouve falar de um crime pela rádio da polícia, Hal ativa o seu Anel do Lanterna Verde, deixando uma projeção de si próprio para trás, e depois da patrulha como Lanterna Verde, ele espera estar de volta antes que alguém note que ele está desaparecido. Como Lanterna Verde, Hal interrompe um assalto a uma instituição financeira. Ele consegue sair bem em sua missão, até que um dos assaltantes o atinge com algo amarelo, lembrando-o da sua fraqueza. Ele consegue subjugá-los, e depois ativa o alarme silencioso, e foge antes da chegada da polícia, conseguindo voltar para o camburão sem ser notado, e finalmente chega à prisão. Quando Hal está fazendo a triagem na prisão, um agente pede para ele retirar o seu anel, e usando um truque de mão, ele faz desaparecer o objeto. Infelizmente, isto enfurece o oficial, e Hal é ordenado a submeter-se a uma revista manual, mas ele consegue manter o seu anel. Na sua cela, Hal fica irritado ao ser ameaçado pelo seu companheiro de cela sem poder usar o seu anel energético. Quando o seu companheiro de cela é apunhalado nas costas com uma faca, Hal torna-se o principal suspeito, e é forçado a submeter-se a interrogatório. Eventualmente, ele é visitado pelo Assistente Social, Guy Gardner, que espera ajudar Hal a sair da situação. Em Oa, os Guardiães do Universo lamentam a falta de formação de Hal Jordan, sabendo que Kilowog é ocupado com tarefas de recrutamento, eles selecionam Sinestro como treinador substituto, para Hal Jordan.Sinestro que mantém um controle rigoroso sobre o seu Setor, o 1417. Entretanto, tal controle parece mais ditatorial, e talvez um pouco supérfluo sobre o u ele, exigindo celebrações cada vez que visita os seus planetas. Mesmo assim, ele é convocado perante os Guardiães, e recebe a sua missão, apesar do seu desagrado, Sinestro vê a oportunidade de treinar alguém para manter o seu estilo de ordem rígido. Sinestro vai ao encontro de Hall na Terra, que fica surpreendido com o aparecimento de Sinestro em sua cela. Sinestro informa Hal Jordan que foi enviado pelos Guardiães do Universo para treiná-lo. Apesar de confuso, Hal  está muito mais preocupado com a hipótese de o Sinestro ser visto por um dos guardas prisionais que patrulham o corredor. Sinestro faz uma réplica do corpo de Hal com o seu Anel de Lanterna Verde, para que possam sair da prisão sem serem detectados. Juntos, eles dirigem-se ao Sector 131, onde os Khunds, Citadel, e Dominadores planejam formar uma aliança comercial que lhes daria um controlo significativo sobre a sua galáxia. Sinestro exige uma audiência, na esperança de mostrar a Hal o valor da diplomacia. Entretanto, Hal é cético em relação a isso, e as negociações não dão os três líderes reagem de forma violenta. Vendo que a situação não vai ser resolvida diplomaticamente, Hal submete os atacantes com o seu anel, lançando-os ao céu para lhes dar uma lição. Mas enquanto Hal está ocupado, um dos alienígenas ameaça Sinestro à mão armada, e Hal precisa salvar a sua vida. Apesar de ter causado a violenta explosão em primeiro lugar, Sinestro tenta salvar a situação advertindo que se um Lanterna Verde pudesse causar tantos danos, eles deveriam imaginar o que todo o Corpo de Lanternas Verdes pode fazer. Entretanto, na prisão estatal, um ladrão chamado Willie foi recentemente transferido de uma instalação de segurança mínima porque tentou fugir para a prisão de segurança máxima onde Hal está. O guarda o coloca na mesma cela em que Hal está. No início, Willie desconhece que o corpo de Hal é uma ilusão, mas quando ele tenta entrar no seu beliche e acaba por cair através dele, ele fica estarrecido. Um Sinestro frustrado decide regressar a Oa para implorar para ser retirado da sua missão, pensando que Hal é uma causa perdida. Hal regressa à prisão, apenas para encontrar um Willie aterrorizado à sua espera na sua cela. Depois de surpreender o seu novo companheiro de cela Willie, Hal Jordan não vê outra alternativa senão revelar a sua identidade e contar a sua história. Willie fica surpreendido, mas aceita. Um Hal exausto adormece, deixando Willie de olho no seu Anel do Lanterna Verde. Willie luta para roubar ou não o anel, mas momentos mais tarde, o alarme de despertar toca (para desespero de Hal), e Willie o chantageia. Mais tarde, no refeitório, Hal percebe que Willie é mais famoso do que pensava, tendo sido um recluso frequente como um ladrão gentil. Willie envolve-se numa discussão com outro recluso, depois de acidentalmente despejar a sua bandeja de comida no colo dele. Hal intervém em nome de Willie, mas a sua utilização de uma certa frase alerta o agressor para o fato de já se terem encontrado antes. Hal tinha-o prendido há apenas alguns dias como Lanterna Verde. Os guardas tentam arrastar tanto o atacante como Hal, mas Guy Gardner chega mesmo a tempo de o salvar. Guy não está interessado na amizade de Hal com um criminoso como Willie, mas mesmo assim se oferece para assumir o caso de Willie,  junto com o de Hal. Mais tarde nessa noite, Hal e Willie ficam surpreendidos com o aparecimento do Sinestro, que regressou para continuar o treino de Hal. Quando vê Willie, Sinestro decide que o melhor é apagar sua memória, mas Hal consegue convencer o Lanterna a deixar o seu amigo em paz. Durante os próximos dias e semanas, Hal e Sinestro treinam no espaço, enquanto Hal lida com os desafios de viver numa prisão de segurança máxima. Um dia, enquanto Willie limpa os corredores da prisão, ele vê o mesmo preso que o atacou falando com outro, explicando que ele sabe que Hal é o Lanterna Verde. Ele declara o seu plano de roubar o anel, e fugir da prisão. Infelizmente, Willie deixa cair o seu balde, e é descoberto. Apesar de seus apelos ,  Willie, ele é esfaqueado. Um guarda notifica Hal do destino de Willie, e ele apressa-se para se encontrar com o seu amigo. No caminho, porém, chega o Sinestro, insistindo que Hal abandona o seu amigo e continue o seu treino. Hal é reticente, mas Sinestro o obriga a vestir seu uniforme de Lanterna Verde, explicando que o seu planeta natal  Korugar pode estar em perigo. Quando chegam a Korugar, Hal fica perturbado com o fato dos cidadãos adorarem Sinestro. Mas ao sobrevoarem a capital, são abatidos pelos próprios korugarianos. Em Korugar, Katma Tui lidera uma revolução do seu povo contra os dois Lanternas Verdes n, a contragosto, com a ajuda dos Khunds. Sinestro fica cada vez mais enfurecido e perturbado, vendo o seu povo, anteriormente disciplanado, rebelar-se contra ele. Ele assume que eles devem estar sob algum controle mental, quando na verdade  se sentiram oprimidos pela sua ditadura. Hal detém o Sinestro, e pede apoio ao Corpo dos Lanternas Verdes. Sinestro fica furioso, e ataca Hal, forçando Hal a revidar com força superior, e abater seu treinador até à submissão. Sinestro renuncia, mas convence Hal a fugir com ele, antes da chegada dos outros Corpos, e julga a sua situação demasiado depressa (mas com razão). Hal é reticente em se juntar ao Sinestro, mas segue-o, no entanto. De volta à prisão estatal, o amigo de Hal Willie é visitado na enfermaria pelo seu assistente social Guy Gardner. Guy tenta convencer Willie a dizer qual dos prisioneiros o esfaquearam, mas Willie está muito assustado para dizer alguma coisa. Guy fica frustrado e vai embora, enquanto Willie deseja o retorno de Hal, para  poder avisar dos planos dos outros reclusos de roubar o seu anel e fugir da prisão. Em, Katma Tui, tendo visto os Lanternas partirem, os habitantes começam a celebrar a vitória dos Korugarianos sobre os Lanternas. Mas, em breve, chega A Tropa dos Lanternas Verdes; e Katma, acreditando que são uma ameaça, ordena ao seu povo que dispare sobre eles. Os Lanternas notam que Katma é a líder, e separam-na dos rebeldes para serem interrogados. Tomar-Re fica surpreendido ao saber que Katma espera que a Tropa de Lanternas Verdes quebre o seu espírito e a torture. Quando Tomy-Fai repara em todas as bandeiras que celebram Sinestro, começa a compreender que ele excedeu a sua autoridade  sob o Sector 1417. O Corpo contacta os Guardiães do Universo, e eles decidem que não têm outra escolha senão libertar os Punhos dos Guardiães. Hal Jordan e Sinestro debatem o que causou a recente revolta sobre Korugar, até que Hal se percebe que esteve ausente durante dois dias, o que provavelmente seria visto como uma fuga por parte das autoridades. Sinestro percebe que uma prisão pode ser um bom local para se esconder do Corpo dos Lanternas Verdes, e sugere que eles regressem à Terra. Na prisão, um bandido chamado Clendon e o seu companheiro de cela  roubam a arma do guarda da  prisão, e começam uma fuga. Eles libertam todos os reclusos no seu bloco de celas. Clendon, contudo, está obcecado com a ideia de ter o poder do Anel de Lanterna Verde, tendo descoberto o a identidade secreta de Hal, ele obriga os seus capangas a localizá-lo. Quando Clendon e os seus homens encontram a cela de Hal vazia, dirigem-se para a enfermaria, onde o amigo de Hal, Willie, está conversando com Guy Gardner. Guy revela que Hal escapou, mas Willie, conhecendo o segredo de Hal  não está convencido, embora não saiba onde está o seu amigo. Quando Clendon ouve isto, ele muda os seus planos, e faz Guy refém. Hal e Sinestro regressam à prisão, onde imediatamente percebem que aconteceu alguma coisa errada. Eles verificam a enfermaria, onde Willie fica aliviado por vê-lo, então Hal e Sinestro mudam para roupas de presidiários, com Sinestro adotando a aparência de Willie, para desagrado de Hal. Para piorar a situação, Sinestro transporta Willie para fora da prisão com o seu anel, mais uma atitude controversa para a frustração crescente de Hal. Clendon e os seus homens invadem a sala de vigilância da segurança, e quando ele vê Hal e 'Willie' nos monitores, ordena aos seus homens que libertem todos os prisioneiros, e iniciem um motim. Em meio ao caos, Hal e o Sinestro encontram frente a frente com Clendon, que tem uma arma apontada à cabeça de Guy Gardner. Clendon exige o anel em troca da vida de Guy, Hal cumpre a exigência do criminoso, e logo em seguida ocorre uma explosão de energia no fim do corredor. Quando Clendon vira a sua atenção para 'Willie', Sinestro se revela, arrancando facilmente o anel do seu dedo, e devolvendo ele a Hal. Quando eles voltam a sua atenção para Clendon, no entanto, Guy Gardner que tinha a arma  apontada para ele, e seus problemas de controle da raiva de vêm à tona, e ele ataca brutalmente o criminoso com as suas próprias mãos. Hal consegue detê-lo com o seu anel, embora o Sinestro considere que teria sido justo deixar Guy matar Clendon. Para horror de Hal, Sinestro limpa a mente de Clendon, e depois ameaça limpar também a mente de Guy. Hal resiste, mas à medida que Sinestro começa a insurgir-se contra a sua fraca vontade, a sua atenção é atraída para outra coisa., e Os Punhos dos Guardiães chegam para os colocar os dois sob prisão. Os Punhos dos Guardiães cercam Hal Jordan e Sinestro em meio a um motim na prisão. Os robôs tentam prender Sinestro, mas ele resiste, e acaba fugindo pelo telhado. Eles aceitam a palavra de Hal de que ele permanecerá inerte no local, e perseguem o Lanterna vilão, que acaba sendo capturado por eles. Dentro do presídio, Hal se torna novamente o Lanterna Verde, e é forçado a lidar sozinho com o motim na prisão. Ele reúne todos os prisioneiros e os coloca novamente nas suas respectivas celas. Hal salva um dos guardas, mas antes que possa ser reconhecido, retorna à sua própria cela. Quando ele se pergunta como é que vai explicar os dois dias em que esteve desaparecido da sua cela, é subitamente transportado para Oa. Hal é apresentado como testemunha do Sinestro, para ser interrogado por Tomar-Re perante os Guardiães, para julgamento. Após o interrogatório de Sinestro, Tomar-Re argumenta que o Sinestro abusou do seu poder nas suas funções de proteção do planeta Korugar. Tomar-Re chama então Katma Tui a depor, onde ela testemunha como a marca de ordem de Sinestro oprimiu os Korugarans. O seu testemunho é forte, e os Guardiães julgam facilmente que o Sinestro abusou do seu poder. Sinestro é condenado a ser banido para o Universo Anti-Matéria de Qward. Furioso, e ele jura vingar-se do Corpo e dos Guardiães, antes de desaparecer. Tomar-Re sugere Katma Tui como substituta do Sinestro pelo Lanterna Verde do Setor 1417. Porém nem Katma, nem Kilowog estão particularmente contentes com isso. Hal é devolvido à sua cela de prisão, sentindo-se mais confuso e com medo dos Guardiães do que antes. Quando a sua sentença de 90 dias é cumprida, Guy Gardner o acompanha até os muros de fora da prisão, onde Hal é saudado pelos seus amigos, e levado para casa.

Grandes Heróis Marvel nº36: Roteiro e arte de John Byrne.Histórias publicadas originalmente em "She Hulk nº 01 a nº 03", de maio a julho de 1989. Mulher-Hulk: A estréia da aclamada e revolucionária fase da personagem nas mãos de John Byrne! Lembrando muito um sitcom, esta fase além de leve, descontraída, bem humorada (e também nonsense), se destaca principalmente pela personagem quebrar a quarta parede e conversar diretamente com o leitor! Aqui temos três histórias onde na primeira a Verdona enfrenta o bizarro Circo do Crime que eram inimigos de seu primo Hulk no passado; depois uma invasão de Homens Sapos; e por fim, ela se une ao Homem Aranha para enfrentar "Os Cabeças", um grupo de vilões bizarros, e  de quinta categoria , com cabeças estranhas aos corpos que ocupam. A história é bem nonsense como o grupo de vilões, que outrora enfrentou os Defensores! Após este começo, as histórias solo da Mulher Hulk migram para a revista solo do Hulk, sendo publicada também ocasionalmente em Superaventuras Marvel. Ao todo este título da Mulher Hulk teve 60 edições,e John Byrne não escreveu toda a série, apesar de ter um passagem longa nele! Seu run corresponde do "nº 01-nº 08", "nº 31-nº 46", "nº 48-nº 50". As edições de "nº 38-nº 46", e "nº 48-nº 49" permanecem inéditas no Brasil! A Abril só publicou três edições do título que não foram feitas por John Byrne,que são as edições de "nº 09", em "O Incrível Hulk n° 119", de maio de 1983, com roteiro de Gregory Wright, e Richard Starkings,e arte de Bryan Hitch; a edição de "nº 10", publicada em "O Incrível Hulk  n° 120", de junho de 1993; com roteiro de Steve Gerber, e arte de Bryan Hitch; e a edição de " nº 11", publicada também em "O Incrível Hulk  n° 120", de junho de 1993; com roteiro de Steve Gerber, e arte de Bryan Hitch. As demais continuam inéditas no Brasil! Estas histórias forma republicadas em "Os Heróis Mais Poderosos da Marvel n° 80", de abril de 2018, da Editora Salvat; e "Marvel Omnibus - Mulher-Hulk, por John Byrne", de janeiro de 2022 pela Editora Panini, que traz toda a fase Byrne no título da personagem incluindo as edições inéditas no Brasil.

Graphic Disney nº03: "O Príncipe e o Mendigo": História de Mark Twain; roteiro de Scott Saavedra, e arte de Sergio Asteriti, e Roberto Santillo.História publicada originalmente em "The Prince and the Pauper”, de 1990. O Príncipe e o Mendigo é uma curta-metragem de animação de aproximadamente 24 minutos, estrelado por Mickey Mouse, Pateta e o Pato Donald. Foi inspirado no conto original "O Príncipe e o Mendigo" de Mark Twain, de 1881. O filme foi lançado em 16 novembro de 1990, junto com "Bernado e Bianca na Terra dos Cangurus". Mickey junto de seu amigo Pateta, e seu cachorro Pluto, são pobres camponeses e sonham em viver como reis. Um dia, ao ir ao palácio atrás de seu cachorro Pluto, Mickey acidentalmente se encontra com o Príncipe, que é literalmente igual a ele, e, assim como Mickey, está insatisfeito com a sua vida. Os dois resolvem trocar de lugar por um dia, para ver como é a vida do outro, porém, fora do palácio o príncipe descobre que o Capitão da Guarda, João Bafo de Onça, estava roubando seus súditos em nome do Rei. Enquanto isso, o Rei que estava muito doente, morre, e Mickey que está no lugar do Príncipe, irá ser coroado o novo Rei. Agora o Príncipe, com a ajuda de Pateta, e seu valete Donald, terá de voltar ao palácio antes da coroação, e enfrentar o Capitão Bafo de Onça, e ocupar o seu lugar de direito no trono. Última edição do título!

Nathan Never n°08: Roteiro de Antonio Serra, e arte de Nicola Mari. Histórias publicadas originalmente em "Nathan Never nº 07, e nº 08: La Zona Proibita + Uomini Ombra", de dezembro de 1991 e janeiro de 1992. "A Zona Proibida" e "Os Homens-Sombra":As duas edições da série Nathan Never, formam um arco de investigação que começa de forma muito interessante, mas  acaba se perdendo no decorrer da trama, e termina de forma medíocre, ultrapassando os limites  aceitáveis naquilo que a própria trama nos apresentou ao longo da dela. Última edição! Nathan Never foi lançado pela Editora Globo em novembro de 1991, cinco meses após seu lançamento na Itália, mas as baixas vendas decretaram o fim precoce da publicação. O personagem ainda seria publicado pela última vez na Editora, na publicação especial " Fumetti – O Melhor dos Quadrinhos Italianos", de novembro de 1993. Depois de ficar 14 anos no ostracismo, em 2005, a Ediouro publicou duas edições de Nathan Never, entre abril e maio de 2005; depois os direitos de publicação do personagem foram adquiridos pela Editora Mythos que publicou quatro edições bimestrais do personagem entre abril e outubro de 2018. Em fevereiro de 2020, a Graphite Editora lançou uma campanha de financiamento coletivo para publicar a série no Catarse, e já publicou duas edições do personagem, a primeira em agosto de 2020, e a segunda em formato especial gigante (21 x 29,5 cm) em junho de 2021.

Justiceiro nº 08: "Contos de Guerra": Roteiro de Carl Potts, e arte de Tod Smith.História publicada originalmente em "The Punisher War Journal nº 24", de novembro de 1990. O Justiceiro acaba com o Cartel de Drogas de Victor Santiago, um poderoso narcotraficante, que com seu cartel ganhava muito dinheiro com drogas e extorsão, tendo muita influência no Peru, corrompendo políticos e policiais e usando a violência para matar e intimidar os cidadãos de bem. O cartel arranjava adoções instantâneas de crianças, porém as matava e as enchia de cocaína para tráfico. Também produziam réplicas de artefatos maias que enchiam com cocaína. O Punisher atacou o coração da organização acabando com suas operações no Peru e depois em Belize em nas colônias Britânicas de Honduras. "Carne": Roteiro de  Mike Baron, e arte de Mark Teixeira. História publicada originalmente em "The Punisher War Journal nº 28", de março de 1991. Frank se reencontra com um velha amiga e acaba tentando proteger seu marido embalador de carnes de ativistas dos direitos dos animais. As coisas dão errado quando o marido dela se revela um viciado em crack. O escritor desta história é Mike Baron, criador do personagem "Badger-O Alucinado", que possui habilidades oriundas de diversos animais! Última edição do título! Durou pouco a empreitada da Abril em lançar um título solo do personagem nos moldes da Espada Selvagem de Conan, em formato magazine e em  preto e branco! A Espada Selvagem de Conan foi um título criado para trazer histórias mais adultas e violentas do bárbaro , e ela sempre desde o seu início foi lançada no formato magazine e em preto e branco! Já esta do Justiceiro ia contra a corrente, pois trazia histórias dos seus dois títulos na época ("The Punisher, e "The Punisher War Journal")que eram publicados integralmente à cores lá fora, bem como aqui no Brasil, quando publicadas em outras edições do catálogo Marvel da Abril.Então numa época de hiperinflação, com reajustes constantes nas publicações de HQs, o colecionador optou pelo mais barato, que embora tivesse um formato menor era publicado totalmente em cores! Talvez a Abril pudesse ter optado por lançar o título em formatinho como fez com a revista "A Teia do Aranha",  e em cores, mas talvez mesmo no auge da popularidade esta revista do Justiceiro tenha vendido tão mal que desanimou os editores a tentar outro formato da publicação! 

The Nazz: Roteiro de Tom Veitch, e arte de Bryan Talbot. Publicado originalmente em "The Nazz nº 01", de 1990. Minissérie em quatro edições publicada entre junho e agosto de 1992. O poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente. O que aconteceria se esse adágio popular fosse aplicado a um super-herói? Essa é a premissa básica de The Nazz, que surge no rastro de Watchmen, Miracleman, Zenith, Homem Animal, e outros trabalhos que levaram o gênero super-herois a extremos ainda não experimentados e talvez tenha sido a abordagem mais radical nesse sentido. A história de Michael Nazareth, um jovem escritor que viaja para a Índia em busca do conhecimento necessário para se tornar um super homem. Lá ele conhece um guru que o inicia em um culto de morte e finalmente o leva aos caminhos místicos que o tornam um ser super-poderoso. Quando regressa aos EUA, é recrutado pelos Retaliadores, um grupo de heróis patrocinados pelo governo. A história é muito boa, com citação a grandes filósofos, e fala sobre ensinamentos hindus sobre poderes que realmente existem de acordo com a cultura deles. The Nazz é a história de um homem sendo corrompido pelo poder (ou corrompendo o poder, de acordo com a interpretação). Essa transformação é muito bem representada através das capas das edições, onde a primeiras mostra o protagonista ainda um ser humano normal, meditando em meio a um cenário repleto de crânios; a segunda capa o mostra como um pop star, tendo ao fundo histórias em quadrinhos de super-heróis; na terceira capa ele está gordo, nu, olhar fixo para o leitor, parecendo uma versão decandente de um astro de rock; e na quarta capa ele está transformado em um deus ameaçador. A influência de Watchmen é nítida não apenas no tema da HQ, mas também na sua narrativa, que une quadrinhos criados por um amigo de Nazz, matérias de jornais, um press-realease e fotos autografadas. Embora esse conjunto de elementos nem de longe tenham a efetividade narrativa de Watchmen, ajudam a enriquecer a história. Tom Veitch relaciona o fenômeno dos super-heróis com as seitas surgidas na década de 1960, seus gurus, e seus fins trágicos."Nazz" foi uma banda psicodélica de rock e blues dos Anos 60. Há de se destacar também o nome do personagem, "Nazz" lembra nazismo e evoca o Super-Homem sonhado por Adolf Hitler. A arte de de Bryan Talbot se encaixa perfeitamente no projeto. Poucos desenhistas conseguiriam dar o tom sombrio adequado para essa HQ. Seu traço sujo exterioriza perfeitamente o tema sobre a corrupção do poder. "The Nazz" é um daqueles trabalhos que melhor representam uma época e merecia uma republicação. O personagem principal possui o visual de vocalistas de bandas de Heavy Metal dos Anos 80. O roteiro é de Tom Veitch, que escreveu "Guerra de Luz e Trevas", Star Wars, e Homem Animal!

Graphic Marvel nº13: Justiceiro Sangue na Escócia:Roteiro de Alan Grant, e John Wagner - ‘John Howard’, e arte de Cam Kennedy.História publicada originalmente em "Punisher: Blood On The Moors", de janeiro de 1991. Duas almas atormentadas pelas lembranças dos entes queridos, cujos assassinatos não puderam ser evitados. O primeiro é um homem moderno, de carne, sangue e com grande poder de fogo. O outro, nascido num distante passado mítico, é pouco mais que um ser etéreo, porém igualmente mortífero. Com a mesma fúria, ambos caçam os membros de um cartel internacional de drogas. Frank Castle, também conhecido como o Justiceiro, encontra seu alvo obscurecido por algo mais que simples intriga, sua trilha é cruzada por um poderoso e enigmático espectro a quem chamam de "O Clansman". Estas duas almas semelhantes se encontram e entram em conflito, disputando o direito de caçar aqueles que deveriam ser seus inimigos comuns. Tudo isso sob a gélida neblina escocesa que desfoca semelhanças e esconde diferenças.

A Espada Selvagem de Conan n° 91: Roteiro de Roy Thomas, e arte de John Buscema.História publicada originalmente em "The Savage Sword of Conan n° 48", de janeiro de 1980. O capítulo final da adaptação da história "O Tesouro de Tranicos", de Robert E. Howard e L. Sprague de Camp. Aliado a dois piratas que podem matá-lo na primeira oportunidade, Conan entra em outra sanguinolenta batalha contra os Pictos. Como se isso não fosse o suficiente, ele também tem de sobreviver a um demônio negro libertado pelo feiticeiro Thoth-Amon. Entre o final de 1975 e o início de 1976, Roy Thomas roteirista e editor dos títulos do Cimério publicados pela Marvel Comics, convidou o desenhista GIL KANE para começar a ilustrar a adaptação em quadrinhos de uma história do Conan escrita por Robert.E.Howard intitulada "O FORASTEIRO NEGRO" (ou "O Estranho de Preto”), que na verdade é um manuscrito original de Robert E.Howard, rejeitado pelos seus editores.O conto só foi publicado quase duas décadas após a morte do autor, e mesmo assim, ligeiramente reescrita port L. Sprague de Camp, que preferiu alterar o título para "O Tesouro de Tranicos". O conto se encontra publicado em "Conan, o Bárbaro – Livro 2, de Robert E. Howard", da Editora Pipoca e Nanquim! A adaptação em quadrinhos já foi republicada pela Editora Mythos em duas ocasiões: Em "Conan-O Bárbaro nº 64", de julho de 2008 ; e em "Conan -Edição Histórica nº 01", de dezembro de 2011, e " A  Espada Selvagem de Conan- A Coleção nº 15", de março de 2020 pela Editora Panini.

Os Novos Titãs nº 75: Roteiro de William Messner-Loebs, e arte de Greg Larocque.História publicada originalmente em "The Flash nº 33", de dezembro de 1989. Enquanto Wally West e Mason Trollbridge se mudam para seu novo apartamento em Keystone City, eles são visitados por uma jovem chamada Evelyn Pincus, que culpa Wally pela morte de seu cachorro. A mulher na verdade é uma atriz, enviada pelo Tartaruga para perturbar o velocista. Joan Garrick chega ao apartamento com os membros da família Simpson. A mãe, Dana Simpson, conta a Wally que o Coringa está tentando matar seu filho Donnie. Wally corre para a delegacia para saber mais sobre as possíveis operações que o Príncipe Palhaço do Crime possa ter realizado em Keystone City, apenas para encontrar o capitão da polícia Daniel Phillips morto pela toxina do vilão. Flash liga para Batman, que tem certeza de que o Coringa não poderia estar operando em Keystone. Joan e Linda Park conversam com uma psicóloga, que indica que o medo de Dana de que o Coringa venha atrás de seu filho pode ser devido à depressão pós-parto. Wally rastreia o assassino do capitão da polícia, Juice Mantee, um ex-membro da gangue do Coringa que deixou Gotham para viver em Keystone. A psicose de Dana vem à tona quando ela tenta jogar o próprio filho de uma ponte, acreditando que a criança é na verdade o Coringa. Wally consegue resgatar a criança e impedir uma tragédia. Depois de toda a agitação, Wally, Mason, Joan, e Linda fazem uma festa de inauguração do novo apartamento.

Marvel Saga nº08: Edição especial em formatinho com 164 páginas. Os Sonhos morrem por Último: Roteiro Chris Claremont e John Byrne, e arte de John Byrne. Histórias publicadas originalmente em " Alpha Flight n° 17", de dezembro de 1984. Um flashback especial contando toda a trajetória do Guardião até a sua trágica morte do Guardião! História publicada originalmente no Brasil em "Superaventuras Marvel nº 36", de junho de 1985. Wolverine: Procurado Vivo ou Morto! Roteiro Chris Claremont e John Byrne, e arte de John Byrne. Histórias publicadas originalmente em The Uncanny X-Men nº 120- nº 121, de abril e maio de 1979. Depois da sua aventura no Japão, os X-Men se despedem de Solaris e Mariko Yashida e partem de avião para os EUA. O voo,  é interrompido por uma tempestade fora do normal que nem Ororo é capaz de controlar. O avião aterrisa em em Calgary no Canadá, e os heróis mutantes são recebidos pelo Arma Alfa, agora conhecido como Víndix, que exige que Wolverine se entregue ao governo canadense. Víndix agora não está mais só, ele está acompanhado da Tropa Alfa! Histórias originalmente publicadas no Brasil em "Almanaque do Hulk nº 09", de novembro de 1982, pela Editora RGE. Foram republicadas posteriormente em "Superaventuras Marvel nº 39, de setembro de 1985,  pela Editora Abril; e posteriormente em "X-Men - Edição Histórica n°01", pela Editora Mythos; pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos da Tropa Alfa n°01", de maio de 2007, e em  "X-Men: Magneto Triunfa", de junho de 2016; e pela Editora Salvat em "Os Heróis Mais Poderosos da Marvel n° 87", de agosto de 2018. Tundra!: Roteiro e arte de John Byrne.História publicada originalmente em "Alpha Flight nº 01", de agosto de 1983. O Departamento H do governo canadense decide desativar a Tropa Alfa. Um homem debilitado no deserto conjura um encantamento usando sua vida para ressuscitar Tundra- um gigantesco homem-fera que controla as forças da terra. Víndix vai até o local, sua esposa Heather chama reforços: Marrina e Pigmeu, e Shaman pressente o perigo assim como Pássaro da Neve. Após o embate com o inimigo a Tropa Alfa decide continuar com o grupo por conta própria, e Pigmeu e Marrina se tornam membros oficiais do grupo. História publicada originalmente no Brasil em "Superaventuras Marvel nº 43", de janeiro de 1986. Foi republicada pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos da Tropa Alfa nº 01, de maio de 2007; e pela Editora Salvat em "Os Heróis Mais Poderosos da Marvel nº 87", de agosto de 2018. "Armadilha": Roteiro e arte de John Byrne.História publicada originalmente em "Alpha Flight nº 11", de junho de 1984. Em Moose Jaw,  Delphine Courtney recruta Roger Bochs para seu projeto, embora Bochs tenha suas próprias idéias e planos para secretamente contatar o Guardião. Em Ottawa, Heather Hudson dá um adeus melancólico à sua casa na qual viveu por  dez anos para se mudar para uma nova  em Nova York. Em Nova York, em um alto cargo em uma das torres do World Trade Center, os ex-membros da Tropa Beta e Gama que Courtney recrutou vão ao encontro de seu benfeitor, Jerome Jaxon, que revela sua motivação para formar sua equipe como vingança contra James Hudson e a Tropa Alfa por arruinar seus planos. No aeroporto, Hudson vai buscar sua esposa que chega, mas encontra o cartão de visita de Jaxon. Percebe então que seu trabalho com a Roxxon fazia parte do plano de vingança de Jaxon e que agora sua esposa foi feita refém, ele voa direto para a torre onde a mensagem de Jaxon o direciona. Acreditando que seu campo de força o protegerá de qualquer coisa que Jaxon jogue contra ele, ele fica surpreso ao ser confrontado com a Tropa Ômega recém-formada. História publicada originalmente em "Grandes Heróis Marvel nº 15", de março de 1987, e republicada pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos da Tropa Alfa nº 02", de janeiro de 2009. "E Alguém Vai Ter Que Morrer": Roteiro e arte de John Byrne: História publicada originalmente em "Alpha Flight nº 12", de julho de 1984. O Guardião faz um chamado pela primeira vez em meses para reunir a Tropa Alfa. Um por um, os membros que ouvem o sinal vão ao encontro do seu líder, no caso do Sasquatch e dos gêmeos Beaubier separados, que resolvem suas divergências. Sem tempo a perder, Shaman usa sua magia para teletransportar a equipe para a localização do sinal do Guardião em Nova York, onde a batalha com a Tropa Ômega está em andamento. Infelizmente, Pássaro da Neve  perde suas forças e parece envelhecer rapidamente devido ao fato de sua vida estar ligada à terra do Canadá. Gênio (membro da Tropa Ômega) agarra a bolsa de Shaman enquanto ele está distraído pela condição de Narya e olha para dentro dela, apenas para perder sua mente para o espaço incompreensível dentro. Enquanto isso, Heather Hudson está sendo mantida refém em outro lugar na torre por Delphine Courtney e é obrigada a assistir a uma mensagem pré-gravada de Jerome Jaxon explicando como seu marido arruinou sua vida, levando a seu elaborado plano de vingança contra ele todos da os membros da Tropa Alfa. Durante a batalha, o Guardião é afastado do grupo para um confronto íntimo. James Hudson não consegue acreditar que seu amigo e colega Roger Bochs iria se voltar contra ele assim, mas Box revela que a unidade robótica está sendo controlada remotamente pelo próprio Jaxon. Ele promete derrotar o Guardião pessoalmente conseguindo arrancar seu capacete de controle e danificar o traje, mas o herói usa os fios de seu próprio pacote de energia para sobrecarregar o traje e fritar a mente de Jaxon através do link neural. Apesar de ter vencido a luta, o Guardião tem apenas alguns segundos para desmontar seu traje danificado antes que ele derreta sobre ele. Ele quase teve sucesso quando Heather chaga na sala procurando por ele, distraindo-o no último segundo, custando-lhe a vida quando o traje explode. História publicada originalmente em "Grandes Heróis Marvel nº 15", de março de 1987, e republicada pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos da Tropa Alfa nº 02", de janeiro de 2009. "Pesadelo": Roteiro e arte de John Byrne. História publicada originalmente em "Alpha Flight nº 13", de agosto de 1984. Atormentada pela culpa da morte de seu marido e líder da Tropa Alfa Guardião, Heather  Hudson resolve seguir em frente com o projeto do marido. História publicada originalmente em "Grandes Heróis Marvel nº 15", de março de 1987, e republicada pela Editora Panini em "Os Maiores Clássicos da Tropa Alfa nº 02", de janeiro de 2009. Última edição do título! A Editora Abril resolve cancelar este título dedicado a republicar sagas marcantes do Universo Marvel!!

Julho:

Um Conto de Batman: Veneno nº01: Roteiro de Denny O'Neil, e arte de Russ Braun.Publicado originalmente em  "Batman: Legends of The Dark Knight  n° 16 a nº 20", de março a julho de 1991. Minissérie quinzenal em cinco edições. Depois que Batman fracassa ao tentar salvar uma garota sequestrada, a culpa o leva a procurar formas de ficar ainda mais forte, e acaba se tornando viciado na perigosa substância conhecida como Veneno, e sua vida inteira sai totalmente de controle já que o esteróide afeta a sua sanidade e acaba o transformando em um criminoso, um justiceiro violento e muito forte fisicamente. Esta é a introdução no Universo DC da droga "Veneno", um esteróide muito poderoso que transforma quem se submete ao seu uso num meta-humano muito forte. É a mesma droga utilizada pelo vilão Bane que anos depois aleijaria o herói quebrando a sua espinha. A versão utilizada pelo Batman ainda é experimental, Bane usou a versão mais aprimorada da droga por isso seu físico se tornou descomunal! Batman consegue se livrar do uso da substância na base da força de vontade, se isolando durante um mês em sua caverna, e usando das técnicas que aprendeu durante o seu treinamento ao redor do mundo. Livre da droga, o herói vai ao encalço de quem está por trás de tudo, e acaba tendo de enfrentar mais uma situação que exige não só das suas habilidades físicas, mas também sua força de vontade para salvar a si mesmo e Alfred seu fiel mordomo. Depois de Crise nas Infinitas Terras era comum mostrar habilidades incomuns mas existentes de meditação e cura, como por exemplo no momento em que o herói é obrigado a se jogar do metrô em movimento por imposição do NKVDemônio em "Batman Anual nº 02", onde ele "desliga" seu corpo para não sofrer danos internos no corpo. Infelizmente, com o passar dos anos os roteiristas abandonaram este recurso de mostrar habilidades incomuns do herói para se concentrarem mais em trazer personagens da morte ou se concentrar na sexualidade de heróis e vilões! Bane após ser derrotado por Azrael e vai para a prisão e também usa de sua força de vontade para se livrar do vício na droga (Batman nº 14, de dezembro de 1997 da Editora Abril), e passa a "caçar" quem usa a substância! Com o reboot de 2011 do Universo DC que deu origem aos Novos 52, o personagem voltou a ser dependente da droga! Na Marvel existe a contraparte da droga Veneno, o MGH, que é uma droga criada a partir do sangue de pessoas com super poderes, onde o usuário  da substância adquire superpoderes por um breve período de tempo! Esta droga foi criada por Brian Michael Bendis na série ALIAS com repercussões nas histórias do Demolidor na época em que ele era roteirista! A droga causa efeito colateral no usuário, provocando a calvície! O mestre José García López é o arte finalista desta saga! Batman: Veneno foi republicado encadernado pela Editora Panini em dois momentos distintos: Em fevereiro de 2019 em capa cartão, e em fevereiro de 2022 em capa dura!

Capitão América: As Primeiras Histórias n°01: Roteiro de Joe Simon, Jack Kirby, Ed Herron, e arte de Jack kirby, e Joe Simon.Publicado Originalmente em Captain America Comics nº 01, e nº 02; de março e abril de 1941. Edição especial de 100 páginas em capa-cartão! Esta edição traz as primeiras histórias do herói pelas mãos de seus criadores em seis histórias curtas, enfrentando diretamente Hitler, e servindo de inspiração para os soldados americanos que estavam no front lutando! Nesta época era muito raro o resgate de histórias tão antigas, de 51 anos atrás; então era aquele tipo de publicação especial que você tinha de comprar para guardar porque você estava adquirindo um verdadeiro tesouro! Esta edição era bem cara para os padrões da época, e se tornou uma raridade com o passar dos anos. A edição nº 01 que traz a primeira aparição do herói e sua origem e foi republicada algumas vezes pela Panini em "Coleção Histórica Marvel nº 01, de abril de 2012, e recentemente em "Capitão América: Antologia", de julho de 2021; saiu também  pela Editora Gibizada em "Álbum Juvenil - Série B n° 04", em julho de 1991, um ano antes desta publicação especial da Editora Abril ser lançada! As demais histórias, até o momento não foram republicadas!!

Batman- O Retorno: Adaptação Especial do Filme: Roteiro de Denny O'Neil, e arte de Steve Erwin. Publicado originalmente em "Batman Returns: The Official Comic Adaptation of The Warner Bros. Motion Picture", de janeiro de 1992. Uma criança da aristocracia de Gotham nasce deformada. Os pais com vergonha da deformidade do filho, jogam o bebê no rio e ele é levado aos esgotos pela correnteza sendo salvo por pinguins. Trinta anos depois ele retorna com a alcunha de Pinguim junto com seu bando de criminosos em busca de vingança; e se alia a um empresário corrupto que o convence a concorrer à prefeitura de Gotham City. A secretária do inescrupuloso empresário MAX Shreck, cansada de ser reprimida, declara guerra ao mundo dos homens e alia-se ao vilão Pinguim adotando a alcunha da Mulher-Gato. Em busca de vingança contra seu ex-chefe, sua lealdade ao Pinguim é colocada em xeque quando Selina se apaixona por Bruce Wayne! Continuação do filme de 1989 dirigido por Tim Burton, que foi o precurssor da Batmania no mundo, e o maior campeão de bilheteria daquele ano. Em 1989,Tim Burton era um diretor novato que conseguiu fazer um filme que encheu os cofres da Warner de dinheiro, e posteriormente fez um filme (bizarro) que foi sucesso absoluto de crítica e bilheteria Edward Mãos de Tesoura, e embora relutante em dirigir uma sequência, ele cede à pressão do estúdio e assume novamente a cadeira de diretor, com total carta branca. Sem freios ou amarras, o diretor impôs o seu estilo gótico e criou um filme bizarro, esquizofrênico, repleto de humor negro, e muito violento  para os padrões da época, além de muito sombrio, com um fiapo de história baseada em um episódio da série de TV dos Anos 60. Embora o escritor Sam Hamm do filme original tenha escrito um roteiro para a continuação, Tim Burton tinha conflito de idéias com o roteirista, ao ponto de transformar o Coringa no assassino dos pais do herói no filme de 1989, algo que não estava no roteiro original, então quando a Warner garantiu a ele o controle criativo absoluto, Burton trouxe Daniel Waters roteirista de "Atração Mortal", que ele tinha originalmente trazido para uma continuação de "Os Fantasmas Se Divertem" para reescrever o texto de Hamm. Waters então introduziu a "sátira social" de um magnata corrupto apoiando uma campanha de prefeito do Pinguim, se inspirando em episódios da série de TV dos Anos 60 com o objetivo de mostrar que os verdadeiros vilões do mundo real não vestem fantasias.Daniel Waters escreveu cinco versões de seu roteiro, mudando a Mulher-Gato de uma caracterização de femme fatale para segundo ele"o ponto mais baixo da sociedade", uma secretária medíocre e apática, e deletou o personagem de Harvey Dent (Billy Dee Williams) que Sam Hamm implantou em seu roteiro original, mas que apenas aludia a uma transformação futura em Duas Caras. Esta história da transformação do personagem será mostrada na no título Batman 89, uma nova publicação da DC Comics que continuará as histórias deste universo cinematográfico. Originalmente, Max Shreck seria irmão do Pinguim, mas o roteirista resolveu retirar este conceito para deixar a trama mais coesa. Então retornaram para os papéis principais Michael Keaton como Batman\Bruce Wayne, Michael Cough como Alfred, e Pat Hingle como Comissário Gordon. Danny De Vito, se tornou o Pinguim, Michelle Pfeiffer Mulher Gato\Selina Kyle, e Cristopher Walken ficou como o papel do inescrupuloso Max Shreck. O Batman dos filmes de Tim Burton é melancólico, e literalmente um homem com dupla personalidade, quando ele é Bruce Wayne ele age como um homem excêntrico, mas quando está vestido de Batman ele assume outra personalidade, paranóico e sombrio ao extremo; ele age literalmente como uma violenta criatura da noite, não reconhecendo nem mesmo as pessoas à sua volta. Ele salva Selina Kyle de criminosos na noite anterior, e na manhã seguinte ele sequer a reconhece, mas fica interessado nela de imediato! Selina Kyle aqui é retratada como um tímida secretária que descobre as falcatruas de seu chefe Max Shreck, e acaba sendo arremessada do alto de um prédio caindo vários andares e sofrendo uma violenta concussão."Ressuscitada" por gatos, ela se torna uma outra mulher, mais sensual e com habilidades de luta e saltos, e declara guerra aos homens e sai em busca de vingança! É muito controverso uma concussão conceder habilidades atléticas e de luta para quem a sofreu, porém nas cenas deletadas é explicado que o atletismo de Selina é prefigurado por sua fala sobre derrotar um ex-namorado, e estes diálogos deletados revelam que ela teve aulas de artes marciais e autodefesa; e sua inteligência é destacada por sua descoberta dos crimes de Shreck. No filme tudo ficou muito vago, acreditando-se que ela adquiriu "poderes sobrenaturais" quando foi ressuscitada pelos gatos após a queda! Oswald Cobblepot é o Pinguim, membro da aristocracia de Gotham, e rejeitado por seus pais por ter nascido deformado, acaba sendo arremessado no rio e indo parar nos esgotos e salvo por Pinguins. Anos depois ele retorna com sua quadrilha de criminosos em busca de vingança.É mencionado que ele foi uma atração do circo quando criança por sua deformidade, e mais tarde se tornou uma lenda urbana como uma criatura dos esgotos, e que seu bando criminoso agia há anos na cidade. É curioso saber de onde ele dispunha de tanta tecnologia ao ponto de possuir um aparelho capaz de burlar a  segurança do Batmóvel para assim instalar outro para tomar o controle do veículo, bem como dispor de mísseis teleguiados acoplados a pinguins controlados de forma remota capazes de  destruir a cidade. O Batman ganha inovações tecnológicas como o Batarangue teleguiado, a capa que vira uma asa-delta (idéia aproveitada na Trilogia de Cristopher Nolan anos depois), e o Batmóvel se desacopla e se transforma em outro veículo, (idéia aproveitada também na Trilogia Nolan), além do uniforme ter ficado mais flexível, e o herói agora ter um closet cheio delas na Batcaverna. A violência do filme hoje seria alvo de muitas críticas principalmente contra a Mulher Gato, que foi originalmente empurrada de um prédio por Max Shreck, teve o braço queimado por ácido pelo Batman durante seu confronto com ele; além de ser arremessada novamente de um prédio por ele, foi jogada numa estufa pelo Pinguim, e levou vários tiros de Max Shreck. Isso sem mencionar a Princesa do Gelo que foi arremessada de um prédio e caiu para a morte certa! Hoje este filme seria chamado de misógino! O Batman de Michael Keaton continua casca-grossa, matando sem dó seus adversários seja usando a turbina do Batmóvel ou usando a própria bomba do inimigo! O Pinguim é um grosseirão que usa piadas de cunho sexual sempre que tem oportunidade! Diante disso tudo fica evidente o motivo do filme não ter agradado em cheio nem o público, e nem a Warner! Embora (na minha opinião) o filme tenha problemas no roteiro, ele mostra coisas que ainda são atuais na sociedade como candidatos honestos e salvadores da pátria, fabricados por empresários inescrupulosos e influentes, e as "fake news", artifício usado pelo Batman para afundar a candidatura do vilão à prefeito, numa época ainda pré-internet e redes sociais! O resultado foi uma bilheteria boa, mas muito menor que o esperado pela Warner, e abaixo da arrecadação do primeiro filme, embora tenha sido o campeão de bilheteria deste ano de 1992.Vale ressaltar que o filme não teve a estratégia de marketing agressiva de três anos atrás, e o trailer do filme saiu poucos meses antes da estréia. Batman-O filme, de 1989 rendeu na época US$ 411.348.924 e Batman-O Retorno rendeu US$ 266.822.354. O Retorno foi o último filme do Batman que contou com Tim Burton e Michael Keaton. No filme seguinte, a Warner decidiu ir em uma direção mais "leve" para ser mais popular no processo de um filme de família, naquele tempo filmes de super heróis eram tidos como filmes para crianças. Tim Burton não tinha interesse em voltar a dirigir uma continuação, mas ele permaneceu como produtor e foi substituído na direção por Joel Schumacher. História para "Visões de 1995"! Depois de Batman-O Retorno, Tim Burton continuou sua carreira de forma irregular com altos e baixos.Embora ele faça "filmes para ele e não para o público em geral", ele criou a obra prima "Ed Wood" (1994); o interessante " A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça"; o controverso Planeta dos Macacos (2001), que divide opiniões até hoje; e o arrasa quarteirão "Alice no País das Maravilhas" (2010). Recentemente ele dirigiu a adaptação em live action de Dumbo, que foi mal recebida pela crítica, e foi um fracasso de bilheteria. Dumbo marca o retorno da parceria do diretor com Micheal Keaton. O ator se recusou a continuar no papel de Batman no filme Batman Eternamente que não seria dirigido por Burton e fez  filmes e séries ao longo destes trinta anos. Alguns foram sucessos de bilheteria como "Toy Story 3" (2010), outros nem tanto como o Reboot de "Robocop" (2014); e foi indicado ao Oscar por "Birdman"(2014) num papel que basicamente retrata a sua carreira ; trabalhou na Marvel interpretando o vilão Abutre no filme do Homem "Aranha De Volta ao Lar" (2017); e fará uma pequena ponta em "Morbius" (2022), e retorna ao papel que o consagrou 30 anos depois no filme  "The Flash" (2022), interpretando novamente Batman\Bruce Wayne num filme que trará outra versão casca-grossa do herói interpretada por Ben Affleck. A arte-final desta adaptação do filme em quadrinhos é do mestre José Luiz García López.

Star Trek nº 09: Roteiro de Peter David, e arte de James Fry e Gordon Purcell. História  publicada originalmente em "Star Trek nº 11, e nº 12", de agosto e setembro de 1990. Kirk é julgado por crimes de guerra. Última edição do título! Nem mesmo o filme "Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida" que estreou em março de 1992 foi capaz de atrair a atenção dos leitores e o título solo em formato americano de Star Trek teve vida muito curta, mesmo sendo escrito pelo aclamado roteirista Peter David. Inexplicavelmente as HQS de Star Trek não emplacam no Brasil, mesmo tendo uma das maiores comunidades de fãs da franquia do mundo, com feiras e convenções lotadas!

Robin II - O Coringa Está Solto!: Roteiro de Chuck Dixon, e arte de Tom Lyle. História publicada originalmente em "Robin nº 01 a nº 04", de dezembro de 1991 a fevereiro de 1992. Minissérie quinzenal em duas edições! Batman precisa se ausentar de Gotham por alguns dias, e Robin  patrulha as ruas sozinho. Quando  o batsinal brilha no céu de Gotham chamando o Cavaleiro Das Trevas, quem atende o chamado é Robin, e a noticia não poderia ser pior: O Coringa está solto. Este é literalmente o batismo de fogo de Tim Drake como Robin, além de estar sozinho no combate ao crime, ele é obrigado a enfrentar o insano coringa que matou a sangue frio o segundo Robin Jason Todd. Além de proteger a cidade, Tim Drake tem que se revesar entre as patrulhas noturnas atrás do Coringa e as aulas do colégio. Enquanto o Coringa com o auxilio forçado do Dr. Osgood Pellinger, um jovem gênio da informática começa a sabotar toda a rede de computadores da cidade para estabelecer um verdadeiro caos no cotidiano de Gotham City. O Coringa invadiu o sistema de informática de Gotham City, criando o caos nas folhas de pagamento dos policiais, bombeiros, sistema de luz e gás e rádio e trânsito, e está pedindo um bilhão de dólares para parar sua traquinagem, e a prefeitura não sabe o que fazer e recorre a Jim Gordon para que ele tome uma solução. Enquanto Robin procura uma solução para o problema a situação piora, o Coringa invade o sistema do Batcomputador. Robin e o Comissário Gordon tem um plano para pegar o Coringa enquanto um caminhão com um boneco do Batman leva o dinheiro para o Coringa. O coringa explode o caminhão achando que matou o morcegão é ai que Robin entra em cena para capturar o coringa e a policia descobre o esconderijo dele e salva o Dr. Osgood Pellinger. As histórias do Robin desta época lembram muito as iniciais do Homem Aranha onde ele se revezava combatendo o crime e o colégio.Esta saga traz a primeira aparição de Sebastian Ives, o amigo "nerd" de Tim Drake! Destaque para o aparelho que produz um holograma do Batman para assustar os criminosos!

Sandman nº32: Roteiro de Neil Gaiman,  e arte de  Shawn McManus.Hidtória publicada originalmente em "Sandman nº 32", de novembro de 1991. Sandman visita os contos de fadas. Isso é “Um Jogo de Você“, história que inova bastante a maneira que a história vinha sendo contada até então. Vamos acompanhar as aventuras de Barbara e sua luta contra o Cuco.  Essa história vai de Sandman nº 32 (novembro de 1991) até a nº 37 (maio de 1992). Bárbara já tinha aparecido em Casa de Bonecas, como uma das vizinhas de Rose Walker. Já tínhamos vislumbrado seus sonhos como princesa de uma terra encantada. No final da história, descobrimos que ela e Ken se separaram, e que se mudou para Nova York e que estava diferente. O quão diferente? “Um Jogo de Você”, ou como Neil Gaiman queria chamar a saga de início, “As patricinhas da noite”, é a saga mais diferente de Sandman até agora. Todas as outras tinham o "Sonho"  como personagem principal, ou pelo menos uma figura bastante presente nos acontecimentos. Aqui ele mal aparece, apenas no final ele resolve o conflito. Essa saga é um conto de fadas. Temos a princesa, o grupo que se reúne, as viagens, os monstros malvados e aterrorizantes. Claro que existe um viés mais adulto, mas é possível ver o que você está lendo. Existe também uma discussão de gênero bem forte em “Um Jogo de Você”. Temos Wanda como uma transexual, e como ela e sua família lidam com isso. Temos o casal lésbico de Hazel e Foxglove e como elas lidam com uma possível criança. E a própria Bárbara, que era uma mulher padrão e agora precisa lidar com o fato de ser uma mulher independente. Esse é um dos grandes arcos de Sandman, sem sombra de dúvidas! Sandman-Um Jogo de Você foi republicado pela Editora Globo, em "Sandman Especial n°05", de 1993;pela Editora Conrad em capa dura em "Sandman nº 05", de junho de 2006; e pela Editora Panini em "Sandman-Edição Definitiva", de março de 2011; e Sandman:Edição Especial 30 Anos nº 05, de março de 2020.

Clássicos DC nº 02: Novos Titãs: O Contrato de Judas: Roteiro de Marv Wolfman, e arte de George Pérez. Publicado originalmente em "Tales of The Teen Titans nº 42 a nº 44", de maio a julho de 1984; e "Tales of The Teen Titans Annual nº 03", de abril de 1984. Edição especial com 110 páginas. A Editora Abril encaderna pela primeira vez a aclamada saga dos Novos Titãs feita pela dupla que consagrou o título Wolfman e George Pérez, publicada originalmente no Brasil em "Novos Titãs nº 18 a nº 20' de outubro a novembro de 1987. É uma história pré-Crise nas Infinitas Terras, mas como o título dos Novos Titãs não sofreu reboot na época, esta saga permaneceu vigente depois que o Universo DC foi reiniciado. Tara Markov era filha ilegítima do Rei de Markóvia, um país da Europa. Com a ajuda da Drª Helga Jace, Tara adquiriu poderes de controlar a terra. Por ser ilegítima, o Rei a enviou aos EUA, tentando evitar um escândalo. Já na América, Tara não aceitou o fato de ser considerada uma bastarda.  Aos 15 anos, adquiriu uma má reputação por usar seus poderes em trabalhos “sujos”, trabalhando como mercenária, ela aceitou um contrato recusado pelo Exterminador: assassinar um poderoso chefe de uma tribo africana. Tornando-se amiga do rei e de sua família, a  garota cumpriu o contrato, matando-o. Foi através deste contrato que Tara conheceu Slade Wilson, o Exterminador, de quem se tornou amante e cúmplice. Slade usou Tara para completar seu contrato com a C.O.L.M.É.I.A., destruir os Novos Titãs.Tara adota o codinome “Terra”, inventando uma história dramática de ter sido raptada por terroristas, numa história repleta de falhas e incoerências. Neste período, Mutano conheceu a garota quando a mesma tentou destruir a Estátua da Liberdade, convidando-a a se juntar aos grupo. Gar logo se apaixonou por Terra, que por sua vez, deu-se muito bem no grupo, alimentando sua mentira. Durante seu tempo no grupo, Terra enfrentou, junto aos Renegados, o Quinteto Mortal e enfrentou o Exterminador  em um confronto elaborado por eles mesmos para impressionar o grupo. Mesmo com as suspeitas de Ravena, os Titãs aceitaram Tara, revelando todos os seus segredos. Uma vez sabendo tudo sobre o grupo, a traidora revelou tudo ao Exterminador, que por sua vez, entregou os heróis à C.O.L.M.É.I.A. (com base nas montanhas rochosas do Colorado). Durante a batalha neste complexo, Jericó possuiu o corpo de seu pai, libertando os Titãs. Sentindo-se traída por acreditar que Slade voltara contra ela, Terra perdeu a sanidade e destruiu todo o complexo, morrendo em seguida. A despeito dos fatos, Terra foi enterrada como heroína. Sua traição nunca foi revelada à comunidade heróica. Entretanto, tempos depois, Batman revelou os crimes de Terra a Brion, mais conhecido como o super herói Geoforça, e príncipe legítimo da Markóvia e irmão de Terra. Foi republicada pela Editora Eaglemoss em "DC Graphic Novels nº 20", de junho de 2016; e pela Editora Panini em "Lendas DC: Novos Titãs nº 08", de setembro de 2019. Esta foi a última edição do título!

Groo- O Errante n° 27: Roteiro de Mark Evanier, e arte de Sergio Aragonés.Publicado originalmente em "The Groo Chronicles nº 01, e nº 02", de janeiro e fevereiro de 1989. As desventuras do bárbaro mais estúpido dos quadrinhos junto ao seu fiel companheiro o cão Rufferto. Última edição do título! Uma HQ leve e descontraída com um humor saudável infelizmente chega ao fim. O título de Groo é a quarta baixa no catálogo de HQs da Editora Abril somente no mês de julho! Groo ainda teria publicação pela Editora Abril mas só no ano de 1998 com a minissérie em duas edições "Groo- o Inteligente". Entre 2001 e 2003 o personagem migra para a Pandora Books; entre 2005 e 2007 ele vai para a Opera Graphica, e consegue se estabelecer na Mythos a partir de 2008. A última publicação de Groo no Brasil foi no ano de 2016, quando a Mythos lançou "Groo:Amigos e Inimigos", desde então nada mais foi publicado do personagem! É uma pena!Poderia sair uma coletânea com suas histórias antigas, como essas publicadas pela Editora Abril Há mais de 30 anos!!

Superalmanaque DC nº 03: Edição especial com 148 páginas, e seis histórias no estilo "vira-vira"! Lado A: Gavião Negro: Roteiro de Timothy Truman, e John Ostrander, e arte de Graham Nolan.Publicado originalmente em "Hawkworld nº 01 a nº 03", de junho a agosto de 1990. A minissérie "Mundo Gavião" apresentou uma nova encarnação do Gavião Negro (Kathar Hol) e Mulher Gavião (Shayera Hol), sendo eles membros dos Guardiões Alados, a força policial do Planeta Thanaghar. Os Thanagarianos são enviados a terra numa missão diplomática, durante o caminho de tal missão, Katar Hol consegue uma nova oportunidade de capturar seu inimigo, o ex capitão e seu superior  na força policial: Byth Rok que fugiu para o Planeta Terra, e faz uso de uma droga  que o torna  capaz de assumir as mais variadas formas. Chegando ao Planeta Terra o casal Thanagariano é recebido como uma atração televisiva numa intenção midiática de vendê-los como heróis vindos de Thanagar. Os acontecimentos vão se desenvolvendo, enquanto Byth vai preparando seus planos de vingança usando humanos como suas armas, modificando-os geneticamente. Katar Hol reage aos ataques dos aliados de Byth com a ajuda da Mulher Gavião. Porém, embora estivessem se defendendo contra um inimigo comum de seu planeta que usava humanos como ferramentas para seu propósito, o choque cultural predomina, e eles conhecem as leis que regem o mundo dos terráqueos, as quais não existem no planeta Thanagar e isso os leva a reflexões sobre o assunto. Lado B: Lanterna Verde: Roteiro de Gerard Jones, e arte de Patrick Broderick.Publicado originalmente em "Green Lantern nº 01 a nº 03", de junho a agosto de 1990. Arco de histórias que se passa diretamente após a saga Odisséia Cósmica, onde a narrativa se desenvolve envolvendo os três Lanternas que sobraram após a saga. Tudo começa com Hal Jordan refletindo sobre sua vida e os caminhos que traçara até ali, e sobre quem realmente ele é. Sua intenção é encontrar um novo caminho longe de tudo o que o perturba. Hal faz uma visita à Liga da Justiça, e sem querer deixa o imprevisível Guy Gardner perceber alguma mudança nele, que decide seguí-lo, dali em diante às escondidas; enquanto isso John Stewart e sua consciência o atormentando lhe faz ir até OA em busca de algo que lhe tire esse tormento psicológico. Em Odisséia Cósmica com sua autoconfiança exagerada,  John Stewart  acabou sem intenção detonando um planeta inteiro, passando a ter o acontecimento vívido em sua consciência. Hal Jordan se torna um um pescador em sua jornada existencial; Gardner, como sempre atormentando alguém acaba por esgotar a paciência do vilão aposentado, O Tatuado, intencionando leva-lo até Hal para assim acabar com  sua “paz” momentânea. Neste interím John Stewart se encontra com um guardião em OA. Cansado das armações e pertubações de  Guy Gardner, Hal Jordan resolve tirar tudo a limpo na base de socos (e pontapés); porém, os dois acabam parando numa prisão e seus anéis são roubados no momento em que os deixam de lado para resolverem apenas no braço, numa disputa limpa. John Stewart obtém ajuda do Guardião que tenta unir sua mente na dele., e  Stewart é dominado pela mente do Guardião que adentra de modo mais profundo de sua memória. Gerard jones foi o escritor que revolucionou o título do Lanterna Verde depois de Crise nas Infinitas Terras, inclusive recontando sua origem, e aqui ele trabalha a narrativa se inspirando tanto na obra "O Senhor dos Anéis",  de J.R. Tolkien ou em "O Anel do Nibelungo" da mitologia Nórdica, quatro operetas escritas por Richard Wagner no qual Tolkien por sua vez se inspirou para a sua trama! 'O Anel do Nibelungo", possui duas adaptações em quadrinhos publicadas no Brasil: A primeira pela Editora Opera Graphica publicada em 2003, com roteiro de Roy Thomas e arte de Gil Kane, com 206 páginas; e a segunda feita por P. Craig Russell, publicada pela Editora  Pipoca & Nanquim, com 448 páginas. Uma única história do Lanterna Verde contida nesta publicação foi republicada novamente, que é "Som e Fúria' que é a história que traz o confronto de Hal Jordan com Guy Gardner, que saiu em "Coleção DC 70 Anos n°02 - As Maiores Histórias do Lanterna Verde", publicada pela Editora Panini em junho de 2008. Esta foi a última edição do título, sendo a quarta publicação descontinuada somente no mês de julho pela Editora Abril!

Superalmanaque Marvel nº 06: Edição especial com 196 páginas que traz a primeira parte da "Guerra do Alto Evolucionário", que mostra Herbert Edgar Wyndham (alter-ego do Alto Evolucionário) com problemas mentais,  voltando à Terra e decidindo que a vida tal qual como era deveria acabar. A saga se estendeu por vários títulos na época, e foi toda publicada nas edições anuais de seus personagens. X-Factor: Roteiro de  Louise Simonson, e arte de Terry Shoemaker. História publicada originalmente em: "X-Factor Annual nº 03", de agosto de 1988. O Alto Evolucionário manda suas tropas, os purificadores acabarem com os touperóides(que ele considera serem uma raça imperfeita e defeituosa) no subterrâneo. O grupo mutante é atraído ao local pelos poderes de um touperóide mutante e telepata, e ajuda os seres subterrâneos a derrotar os invasores. Enquanto isso, o Alto Evolucionário é confrontado por Apocalipse, que nao concorda com o "modus operandi" do cientista. Esta história foi republicada em "X-Men: Inferno n° 02", de setembro de 2018. Justiceiro: Roteiro de Mike Baron, e arte de Mark Texeira. História publicada originalmente em "The Punisher Annual nº 01", de janeiro de 1988. Em Bogotá, o Justiceiro enfrenta os Eliminadores, mercenários de armadura enviados pelo Alto Evolucionário para acabar com  todos os traficantes e pessoas envolvidas com drogas e outros poluidores genéticos. Frank Castle se alia  temporariamente a " El Caiman", o chefão de um cartel das drogas, para assim acabar com a ameaça, mas depois,  ele  também acaba com a vida do criminoso. Surfista Prateado: Roteiro de  Steve Englehart, e arte de Joe Staton. História publicada originalmente em "Silver Surfer Annual nº 01', de agosto de 1988. O Surfista Prateado e o Superskrull enfrentam os Eternos, que foram enviados pelo Alto Evolucionário para mapear o código genético de Norrin Radd. Após o conflito ser resolvido, o Surfista decide investigar o plano de evolução humana criado por Wyndham . Novos Mutantes: Roteiro de Louise Simonson, e arte de June Brigman.História publicada originalmente em  "The New Mutants Annual nº 04", desetembro de 1988. Os mutantes radiativos "Verme Reluzente" e 'Tonelada" são sequestrados e tem seus poderes retirados pelas tropas do Alto Evolucionário, e acabam sendo mortos pelo processo. Quando os purificadores tentam fazer o mesmo com "Magma" (não confundir com o vilão inimigo do Homem Aranha) cujos poderes também são uma potencial ameaça ao planeta, os Novos Mutantes entram em ação para resgatar a garota. Durante a batalha os poderes de Danielle Moonstar são modificados, com suas visões se tornado sólidas, e vemos Magneto(o líder do grupo Novos Mutantes) agindo ao lado do Clube do Inferno. Esta história foi republicada em "X-Men: Inferno n° 02", de setembro de 2018. Homem-Aranha: Roteiro de  David Michelinie, e arte de Mark Bagley.História publicada originalmente em "The Amazing Spider Man Annual nº 22", de junho de 1988. As ações dos purificadores causam uma escassez de drogas, e detona mais uma guerra entre os criminosos de Nova York. Os agentes do alto Evolucionário  pretendem também erradicar todas as pessoas de Nova York com um DNA considerado inaceitável. O Homem-Aranha, Demolidor, e  Speedball  (em sua primeira aparição) acabam sendo os responsáveis por frustrar os planos das tropas do Alto Evolucionário. Defendendo os seus interesses, o Rei do Crime também age nos bastidores, e ajuda os heróis no combate contra as tropas do Evolucionário. Quarteto Fantástico: Roteiro de  Steve Englehart, e arte de Kieron Dwyer. História publicada originalmente em "The Fantastic Four Annual nº 22", de setembro de 1988. O Quarteto Fantástico ajuda os Inumanos a expulsarem as tropas do Alto Evolucionário de Attilan, cujo objetivo era roubar as névoas terrígenas para estudar e utilizar suas propriedades mutagênicas. A história também marcou a saída de Cristalys do Quarteto Fantástico. A capa da edição foi adaptada da edição "Marvel Age Vol. 1  nº 64" , de julho de 1988; alguns heróis foram retirados, outros adicionados ou redesenhados

O Incrível Hulk nº 109: Roteiro de Peter David, e arte de Jeff Purves. História publicada originalmente em "Incredible Hulk nº 350", de dezembro de 1988. O Coisa e o Hulk estão brigando na cidade de Nova York. O Coisa acaba por vencer o Hulk, que ele não sabe ser o Hulk, quando fica cara a cara com o Hulk de pele verde e menos inteligente. O Coisa, que  já a algum tempo quer brigar com o Hulk, luta contra o Hulk verde acreditando que ele seja o verdadeiro. A diversão permite que o verdadeiro Hulk (cinza) se recomponha. Dr. Destino explica ao verdadeiro Hulk que o Hulk verde é na verdade um robô de origem desconhecida, que ele salvou depois que os Eternos o derrotaram. Dr. Destino pede desculpas por ter calculado mal que, em sua encarnação atual, o Hulk mais fraco nunca seria capaz de aumentar sua força ao nível necessário para lutar contra o Coisa antes que o Coisa o derrotasse. Isso apenas galvaniza o Hulk, que quer tentar novamente derrotar seu rival de pedra. A essa altura, o Coisa descobriu a verdadeira natureza do Hulk verde e o destruiu. O verdadeiro Hulk muda sua estratégia em sua segunda tentativa contra o Coisa. Ele usa táticas de estilo guerrilheiro, se escondendo e atacando, em seguida, escapando para se esconder novamente. O Coisa, embora seja mais forte do que o Hulk cinza, não tem resistência ou velocidade para acompanhar. O Hulk usa esse padrão para eventualmente desgastar o rival. O Coisa apenas descobre quem é realmente seu inimigo pouco antes de o Hulk desferir o nocaute. Dr. Destino, impressionado com o desempenho do Hulk, se despede com a promessa de pedir ajuda ao Hulk quando ele retomar Latvéria. O Hulk decide fazer o check-in na Mansão dos Vingadores antes de retornar a Vegas apenas para descobrir que ela sumiu. Ele se encontra com o Fera, que explica que os Vingadores foram chamados para uma grande emergência. O Fera chantageia o Hulk para ajudá-lo em troca de não contar aos Vingadores que o Hulk ainda está vivo!

Fora Collor: Roteiro e arte de Chico Caruso: Edição especial satirizando o então Presidente da República  Fernando Collor de Mello, o então "Caçador de Marajás", com suas atitudes autoritárias e impopulares acusado de corrupção inclusive por um familiar e em vias de ter um processo de impeachment aberto! A imprensa teve um papel decisivo na época, eram dezenas de publicações satirizando o então Presidente da República, ou denunciando escândalos. A revista MAD na época pegava bastante no pé dos políticos, não escapava um que estivesse envolvido em escândalos ou denúncias de corrupção! Podemos notar que em 30 anos  depois as coisas no Brasil continuam exatamente iguais!

Agosto:

Super-Homem nº98: Roteiro e arte de Dan Jurgens.Publicado originalmente em "Adventures of Superman nº 463", de fevereiro de 1990. Para se ver livre de Mxyzptlk, o Superman aceita participar de um inusitado torneio proposto pelo duende extradimensional: Vencer o Flash numa corrida ao redor do mundo e enfim descobrir quem é o homem mais rápido do mundo! Não é a primeira vez que eles disputam corrida para saber quem é mais rápido, a rivalidade de Flash e Superman na pista de atletismo começou em 1967, em "Superman nº 199", de agosto de 1967 (publicado no Brasil pela EBAL em "Superman nº 78, de outubro de 1970, e republicada pela Eaglemoss em "DC Comics - Coleção de Graphic Novels n° 50", de outubro de 2017) e a corrida terminou em empate. Nos anos seguintes, o Superman chegou a competir tanto com Barry Allen quanto com Wally West,  sendo derrotado na maioria das vezes. Nos quadrinhos, os dois já se enfrentaram em pelo menos nove ocasiões. Foram três empates, cinco vitórias para o Flash e apenas uma vitória para o Superman. No passado, os dois heróis conseguiram correr mais rápido que a velocidade da luz, mas nesta HQ pós-Crise, a velocidade máxima que eles podem atingir é a do som.  O Superman é enganado por Mxyzptlk e bate em um morro, ele acha que vai atravessar um túnel mas era uma pintura na parede, e perde a corrida! Esta disputa dos heróis se tornou um clássico absoluto das HQs, e já foi reproduzida em outras mídias duas vezes: Na primeira temporada de Supergirl, no episódio 18 intitulado "Worlds Finest" (Os Melhores dos Mundos), exibido em 28 de março de 1988; e posteriormente no filme da Liga da Justiça, de 2017 dirigido por Joss Whedon na segunda cena pós-créditos.

O Homem-Aranha nº110: Roteiro de Gerry Conway, e arte de Alex Saviuk.Publicada originalmente em "Web of Spider-Man n° 47", de fevereiro de 1989. História interligada com a Saga Inferno dos X-Men. O Duende Macabro está procurando  algo nas ruínas de uma instalação da Oscorp quando é interrompido pela chegada do Homem-Aranha, e enquanto os dois lutam nas ruínas, alguns dos escombros assumem uma forma humanóide e agarram o herói. Enquanto o Aranha não consegue acreditar no que está acontecendo, o Duende Macabro desiste de sua busca e parte, deixando o Homem-Aranha entregue ao seu destino. Usando cada grama de sua força, Peter se liberta antes de desmaiar. Este é mais um incidente em  série de objetos inanimados ganhando vida e atacando. O que realmente o perturba é que seu sentido de aranha não o alertou sobre esses perigos. Pensando que a cidade inteira está enlouquecendo, o Homem-Aranha lança a sua teia, e volta para Manhattan. Em outro lugar, Glory Grant está em um encontro com Eduardo Lobo, e os dois estão se apaixonando, embora só tenham se conhecido no dia anterior. Eles passam por um café local onde os colegas de trabalho de Glory, Ben Urich e Joy Mercado estão almoçando. Ben Urich reconhece Eduardo Lobo como membro da gangue Lobo. De repente, todo o shopping começa a tremer e a escada rolante ganha vida e tenta atacar os clientes.  Enquanto todos correm para se esconder, Glory é levada para um lugar seguro por Eduardo. Enquanto isso, Ben e Joy estão tentando entender o que está contecendo, percebendo que, seja qual for a história, eles a estão vivendo. Naquele momento, o Homem-Aranha chega à pensão de sua Tia May em Queens, e se reúne com sua Tia May, sua esposa Mary Jane e sua prima Kristy. Quando eles começam a discutir sobre o quão ocupados são Peter e Mary Jane, Nathan Lubenski aponta que eles podem não ser as pessoas ideais para ficar de olho em uma adolescente. É quando Mary Jane pergunta à May Parker se Kristy pode ficar no Queens enquanto seus pais estiverem fora. Embora Kristy não goste da ideia, Tia May está muito feliz por ter um "filho" adolescente em sua casa novamente. Mais tarde, quando Peter e Mary Jane estão lavando a louça, ele conta à esposa que Harry Osborn tem tido pesadelos desde que voltou para a casa de sua família. Isso foi agravado pelo estranho ataque à Oscorp, bem como o aparecimento do Duende Macabro. Isso levanta preocupações sobre Harry lembrar que ele assumiu por um breve período de tempo a identidade de Duende Verde. Peter vai até à residência dos Osborn, e quando ele chega por detrás de Liz Osborn, ele a assusta. Ela se desculpa, dizendo que tem estado no limite recentemente, e ele descobre que Harry está no sótão e é quando de repente seu sentido de aranha dispara. Isso acontece porque o Duende Macabro está espreitando entre as árvores, mas Peter não o vê. Peter sobe ao sótão para falar com Harry, que está procurando alguma coisa,e  Harry responde a essa interrupção com uma explosão de raiva. No entanto, eles logo ouvem os gritos do filho de Harry, Normie. E quando Harry desce correndo para ver o que está acontecendo, Peter olha pela janela e vê o Duende Macabro aterrorizando Liz e seu filho. O vilão exige saber onde Harry está quando de repente Osborn chega e ataca o vilão com um ancinho. O Duende Macabro começa a fazer exigências a Osborn, mas ele é atacado pelo Homem-Aranha. Vendo que Harry está tendo um colapso, o herói diz à Harry  Osborn para ir até sua esposa e filho e levá-los para um lugar seguro. Buscando abrigo no galpão, Harry diz à esposa que o Duende Macabro veio em busca da fórmula de seu pai, e com a segurança deles sendo comprometida mais uma vez, Harry cede e diz ao Duende Macabro que ele lhe dará o que ele quer. Harry diz ao vilão que a fórmula pode ser encontrada em um cofre em seu escritório. O duende o adverte de que ele voltará se Harry estiver mentindo e vai embora após jogar o Homem Aranha em uma piscina. Harry então confessa para sua esposa que não sabe o que o vilão queria e que ele o enganou para afastá-lo. Enquanto o Homem-Aranha se recupera do ataque, Harry diz a ele para onde o Duende Macabro foi, e fica chateado por não poder proteger sua família, como seu pai sempre fez. Sem tempo a perder, o Homem-Aranha segue a trilha no encalço do Duende Macabro. Enquanto ele se balança pela cidade,ele percebe que Manhattan está passando por uma estranha transformação, dentre essas mudanças, o Empire State Building está ficando cada vez mais alto. Observando da janela de seu escritório, J. Jonah Jameson é interrompido por Ben Urich, que chega com relatos de demônios correndo soltos na cidade. O Duende Macabro desta história, é Jason Macendale - Halloween e terceira pessoa a ssumir o manto do vilão! Esta história foi republicada pela Editora Salvat em "A Coleção Definitiva do Homem-Aranha n° 28", de junho de 2018.

DC 2000 nº 32: Roteiro de Timothy Truman e John Ostrander; e arte de Graham Nolan. Publicado originalmente em "Hawkworld nº 04",de setembro de 1990. A Mulher Gavião luta sozinha contra o crime nas violentas ruas de Chicago. Enquanto isso, Byth assume o controle de uma empresa de eletrônicos na Terra em sua busca contínua para dominar Thanagar.

Batman Vs. Predador nº 01: Roteiro de Dave Gibbons, e arte de Andy Kubert.Publicada originalmente em "Batman vs. Predator nº 01", de dezembro de 1991. Mini-série quinzenal em três edições! Um misterioso assassino está aterrorizando Gotham City, deixando os corpos das vítimas decapitados. Batman vai ao encalço dele e se depara  pela primeira vez com o Caçador Extraterrestre conhecido como O Predador! Primeiro crossover entre a DC e a editora Dark Horse que possuía os direitos de publicação de personagens do cinema como Alien, e Predador! O Predador surgiu no filme de mesmo nome de 1987, dirigido por John McTiernan (Duro de Matar), e com Arnold Schwarzenegger no papel principal. Na trama, Um grupo de soldados especiais americanos liderados pelo Major Alan "Dutch" Schaefer (Arnold Schwarzenegger) é enviado a uma selva na América Central para resgatar um ministro estrangeiro e funcionários do governo que estão sendo mantidos reféns por guerrilheiros. A missão é cumprida, mas o que Dutch e seus homens são caçados um a um por um misterioso ser que se mescla ao ambiente e ataca suas presas de modo violento. O filme fez um grande sucesso, e rendeu quase 100 millhões de Dólares para um orçamento considerado baixo, estimado entre 15 a 18 milhões de dólares. Em 1990, O Predador ganhou uma continuação no cinema com Danny Glover no papel principal de antagonista do Caçador Interplanetário, já que não houve acordo entre o estúdio e Arnold Schwarzenegger para o retorno ao papel principal de antagonista do vilão interplanetário. Danny Glover  vinha da franquia de sucesso "Máquina Mortífera", e em vez de floresta tropical, o Predador iria fazer a sua caçada em outro tipo de selva, a selva urbana. Embora seja um bom filme, ele sofreu com as péssimas críticas, e teve uma bilheteria pífia, mal conseguindo se pagar. Para um orçamento de 35 milhões de dólares, ele rendeu pouco mais de 57 milhões de dólares. Mesmo assim o personagem já tinha caído no gosto do público e já extrapolava o mercado cinematográfico, e se não deu muito certo no último filme, em outras mídias as coisas poderiam ser diferentes. Então as duas editoras se juntaram e criaram um crossover  colocando o herói mais perfeito para ser caçado pelo alienígena: O Batman! O Predador só caça troféus que ele acha digno, ou seja o "topo" de alguma coisa, seja das forças armadas, policiais, lutadores, dentre outros. A morte misteriosa de um campeão de boxe, atrai a atenção do herói e juntando pistas ele descobre que o assassino é bem mais do que um simples assassino em série! No primeiro confronto o Batman mal consegue sobreviver, e sai mortalmente ferido! Recuperado, e já conhecendo seu adversário, seus métodos, e subterfúgios, o herói cria uma armadura e vai ao encalço do monstro. Depois de muita pancadaria, e de atrair o monstro para o "seu campo de batalha", o Caçador alienígena é derrotado, e para sua vergonha é obrigado por seus pares a cometer "Sepukku"(forma de suicídio tradicional do Japão feudal  que ao longo da história, foi utilizado pela classe guerreira japonesa (os samurais) como uma forma de morrer de maneira honrosa e servindo ao seu mestre) com uma espada de pirata, que depois do ato é entregue ao Batman como um troféu da batalha e um aviso, de que eles vêm à Terra caçar desde muito tempo, e que um dia retornarão! Brian Bolland trabalhou muito bem os conceitos do personagem mostrados nos filmes e adaptou muito bem na história! Este é o primeiro de vários confrontos do herói com o Caçador Alienígena ao longo dos anos, mas pode ser considerado o melhor de todos! Foi republicada pela Editora Mythos em " Batman Versus Predador n°01", de outubro de 2002; e na edição especial "Grandes Batalhas", de setembro de 2004; e pela Editora Panini em "Grandes Encontros DC\Dark Horse nº 02", de novembro de 2018.

Mai - A Garota Sensitiva nº 01: Roteiro de Kazuya Kudo, e arte de Ryoichi Ikegami. Publicação especial em oito edições com periodicidade quinzenal! Mai Kuju é uma estudante de 14 anos detentora de um poder secreto. Apenas seu pai e uma terrível organização, a Aliança da Sabedoria, conhecem esse poder.Mai tem poderes psíquicos,e  consegue levantar objetos e projetar uma onda de forte impacto com o poder do pensamento, pode voar, e inclusive  curar pessoas. Ela tenta viver de maneira discreta, incentivada pelo pai, que procura esconder a origem secreta e milenar dos poderes da garota. Mai herdou suas habilidades de sua falecida mãe, transmitido por incontáveis gerações femininas, esse poder manteve a paz em Togakushi, sua terra natal, por mais de mil anos. Nenhum lugar do planeta experimentou um período tão longo sem lutas.O poder secreto de Mai é o poder do amor. A organização criminosa secreta, conhecida como Aliança da Sabedoria, que manipula poderosos governos ao redor do mundo, sabe dos poderes de Mai,  e da existência de várias outras crianças poderosas. A organização pretende mudar o mundo à sua maneira, e essas crianças são a chave para a criação de uma nova realidade supremacista onde apenas os mais evoluídos super-humanos reinariam e originariam uma nova população na Terra. Mai precisa ser arrebatada para esta causa, ou então destruída para não se tornar um obstáculo. Este foi o primeiro mangá publicado pela Editora Abril, um novo tipo de publicação que começava a dar seus primeiros passos no país desde o final da década de 80. A Cedibra publicou "Lobo Solitário" entre  os anos de 1988 e 1989 (incompleto) ; e a Nova Sampa então assumiu a publicação do título no Brasil entre os anos de 1990 e 1991 (também incompleto); e "Crying Freeman". A editora Globo na época publicava Akira de Katsuhiro Otomo. Mai-A Garota Sensitiva infelizmente não fez grande sucesso no Japão, tendo durado apenas 53 capítulos semanais, publicados originalmente na revista semanal "Shonen Sunday", em 1985, e depois saiu  em seis volumes encadernados.  Porém, nos EUA a obra fez muito sucesso! A versão brasileira publicada pela Editora Abril foi similar à norte-americana, publicada em 1987 pela Viz Comics, também em oito edições. Talvez, o fato de Mai ter sido sucesso nos EUA, assim como Akira, foi o que deve ter despertado o interesse da Abril em querer publicá-la no Brasil. Tim Burton  se interessou em fazer um projeto  em live-action, que seria um musical, mas o projeto não saiu do papel. Com arte deslumbrante de Ryoichi Ikegami, artista que já havia trabalhado com Kazuya Kudo em  "Crying Freeman", que cria cenários realistas e cenas impactantes ao ponto de parecer real as cenas vôo da personagem! infelizmente, Mai-A Garota Sensitiva jamais foi republicada no Brasil nestes 30 anos, indo parar no limbo editorial junto a outros títulos, mas é uma HQ que precisa ser redescoberta, sendo sem sombra de dúvidas um dos melhores mangás já publicados no Brasil!

Superalmanaque Marvel nº 07: Edição especial com 196 páginas trazendo a conclusão da Guerra do Alto Evolucionário! Homem-Aranha: Roteiro de Steve Gerber, e arte de Cynthia Martin.História publicada originalmente em "Web Of Spider Man Annual nº 04", de outubro de 1988. Peter Parker está em Miami para promover seu livro de fotos do Homem-Aranha, e seu caminho uma vez mais cruza com os Purificadores e Eliminadores do Alto Evolucionário que lá estão para cumprir  duas missões: Acabar com todas as pessoas envolvidas com drogas e neutralizar possíveis contaminações vindas de outras realidades(que podem chegar à Terra através do Nexo das Realidades localizado nos pântanos da Flórida). A história é um tanto confusa( devido a um possível corte de páginas), e envolve também o Homem-Coisa, O Rei do Crime, a misteriosa Veneno(Cecilia Cardinale), e o chefão do crime conhecido como Sanguessuga. X-Men: Roteiro de Chris Claremont; e arte de  Arthur Adams.História publicada originalmente em "X-Men Annual nº 12", de outubro de 1988: A equipe dos X-Men (em sua fase australiana) vai até a Terra Selvagem e enfrenta o gigante Terminus, que tinha devastado o local, obrigando o Povo das Cataratas que são amigos dos X-Men a escapar para uma outra dimensão, e precisam da ajuda do Alto Evolucionário para detê-lo. Esta história foi republicada pela Editora Panini em "X-Men: Inferno n°02", de setembro de 2018. Vingadores da Costa Oeste: Roteiro de Steve Englehart; e  arte de  Al Milgrom. História publicada originalmente em "West Coast Avengers Annual nº 03", de outubro de 1988: Esta  edição anual da equipe foi dividida em 2 partes: Na primeira, o esquadrão formado por Gavião Arqueiro, Magnum, Feiticeira Escarlate, Visão e Mantis ajudam o Pantera Negra a defender as minas de vibranium de Wakanda dos ataques das tropas do Alto Evolucionário. Apesar dos esforços dos heróis, as tropas inimigas conseguem roubar um pouco de Vibranium, que será usado pelo Alto Evolucionário na construção de uma bomba que mudará toda a vida na Terra. Na segunda parte, os membros renegados dos Vingadores da Costa Oeste (Harpia, Tigresa e Cavaleiro da Lua) se unem a Bill Foster(o Golias Negro, ou Gigante), que havia se infiltrado na base de Wyndham para recuperar seus poderes, e enfrentam o Alto Evolucionário na Terra Selvagem. Quando o Alto evolucionário recebe a informação de que suas tropas já conseguiram o vibranium, o vilão abandona o conflito e destrói sua base. Harpia e os outros partem para informar aos demais heróis sobre os planos do Alto Evolucionário, mas quando a equipe liderada pelo Gavião Arqueiro chega ao local só encontra a cratera deixada pela explosão da antiga cidadela do vilão. Homem Aranha (parte 2): Roteiro de Gerry Conway, e arte de Mark Bagley.História publicada originalmente em "Peter Parker, The Spectacular Spider-Man Annual (1979) n°08", de novembro de 1988. O Alto Evolucionário sequestra o clone da Gwen Stacy para descobrir como Miles Warren, um simples professor de biologia, conseguiu realizar uma clonagem instantânea. Em "A Teia do Aranha nº 29"( no mês de fevereiro) vimos a primeira aparição do clone de Gwen Stacy, algo que causou uma reviravolta na vida do Homem Aranha. Anos depois, o clone ressurge em outro momento da vida do herói, já mais maduro e casado com outra mulher. O ressurgimento do clone causa uma reviravolta ainda maior na vida do herói que acaba por ficar dividido entre o seu grande amor do passado e o da mulher com quem está casado. Tudo é explicado e resolvido, sendo revelado que o clone de Gwen" não é exatamente um clone"puro criado em laboratório através de amostras genéticas da moça. Miles Warren-O Chacal criou o clone, através de um vírus genético que transformou uma moça sequestrada por ele chamada Joyce Delayne, na duplicata de Gwen Stacy. Essa história era para dar um desfecho para o clone da personagem, mas infelizmente as coisas não acabam por aí, e ela acaba ressurgindo no futuro. Após restaurar a sua forma original, Joyce  se casa com o clone de Miles Warren, chamado Warren Miles, e durante a Saga do Clone, foi revelado que os clones eram reais e Joyce Delayne nunca existiu de fato. O clone de Gwen teve a sua aparição final na saga "Ilha das Aranhas (republicada encadernada em duas edições pela editora Salvat em "A Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel nº 84, e nº 85", de julho e agosto de 2018)  onde foi morta por "Abby – L", outro clone de Gwen Stacy numa tentativa de  frustrar os planos do Chacal. Claro, que fica a pergunta: E o clone do Homem Aranha? O alto Evolucionário não o localizou? Bom, presumivelmente ele estaria "morto", incinerado no crematório e não andando por aí como foi mostrado anos depois! Como esta história é de 1988, se passa muitos anos antes de "A Saga do clone" ser criada no ano de 1994; então é melhor deixar em branco esta resposta! Ademais, a Saga do Clone é tão confusa e cheia de furos que é melhor não procurarmos muita explicação lógica sobre ela! Outros personagens participam desta história como os "Jovens Deuses", humanos que estão sendo treinados pelos Celestiais e são investigados pelo Alto Evolucionário. Vingadores: Roteiro de Walt Simonson;e arte de Mark Bright.História publicada originalmente em "Avengers Annual n° 17", de novembro de 1988: Com o time anterior desfeito, uma equipe reserva é convocada para atender a um chamado de emergência de Jocasta, que fora reconstruída pelas tropas do Alto Evolucionário para fornecer informações sobre os Vingadores. Os membros desta formação improvisada são: O ex-Capitão América(na época chamado apenas de Capitão), Falcão, Hércules, Fera, Hulk, e Jaqueta Amarela. Após resgatarem Jocasta, os Vingadores descobrem a base submarina do Evolucionário e- com ajuda das nações de Atlântida e Lemúria que também foram atacadas pelo vilão, conseguem invadir o local. O grupo precisa impedir que O Alto Evolucionário detone a bomba genética no vulcão de Krakatoa, que espalharia seus efeitos por toda a atmosfera. Os Vingadores  subjugam os soldados do Evolucionário e partem para cima do vilão. Hulk é removido da batalha pelo Alto Evolucionário, que o teleporta para um deserto perto de Las Vegas, e  O Fera decide usar as máquinas do inimigo para evoluir Hércules para que com este acréscimo de poder, consigua derrotar o vilão. Após ser contido, e pouco antes de sumir, o Alto Evolucionário dispara um raio que faz Hércules continuar evoluindo para além da divindade. Os Vingadores tristes pela perda do colega,  seguem em frente e Jocasta que fora danificada durante a batalha sacrifica-se para explodir o submarino e assim impedir a detonação da bomba. O Alto Evolucionário não é bom e nem mal, prova disso é que nem todas as suas ações do foram malignas como o combate às drogas e sua erradicação por completo; mas ele acabou derrotado por querer brincar de "Deus ", forçando uma evolução,  e tentando impedir que a natureza seguisse seu curso natural! Hércules consegue reverter a transformação causada pelo alto Evolucionário e eventualmente retorna à sua forma normal e ajuda Thor contra o vilão Mangusto. História publicada em "Superaventuras Marvel nº 131", de maio de 1993

Os Novos Titãs nº77: Roteiro de George Pérez; e arte de Jill Thompson.História publicada originalmente em "Wonder Woman nº 47", e nº 48, de  outubro, e novembro de 1990. Donna Troy e a Mulher Maravilha se encontram para descobrir o que Circe está tramando, já que ela está de volta e certamente tem um plano para derrotar as duas!

Graphic Marvel nº 14: Surfista Prateado - Os Escravistas: Roteiro de Stan Lee, e Keith Pollard; e arte de Keith Pollard. Publicado originalmente em "Marvel Graphic Novel nº58: The Enslavers", de janeiro de 1990. Um grupo de alienígenas encontra a sonda Voyager, e após ver a mensagem ali gravada pelos humanos, consideram-se convidados à vir ao Planeta Terra e se direcionam para ela. Alguns cientistas recebem esses seres alienígenas de braços abertos, sem saber que os visitantes na verdade são escravizadores, com a intenção de capturar milhões de pessoas da Terra para serem usadas como baterias vivas para a nave espacial Enslaver. Neste momento o Surfista Prateado entra em cena, primeiro em uma busca particular, acudindo aos gritos oníricos que ele ouviu de sua amada Shalla-Bal, e depois com o encontro do herói com Tnneya e a batalha final com o líder da esquadra alienígena Mrrungo-Mu. Com um roteiro forte e ao mesmo tempo ambicioso, tudo é mostrado sem pressa encaixando peça por peça na trama, mostrando desde o Surfista e seus tormentos cósmicos, a chegada dos alienígenas à Terra, o ataque aos principais heróis, bem como a sua  captura, desde os Vingadores, passando pelos X-Men,  e mais uma grande quantidade de outros heróis, e a chegada do Surfista Prateado, o único e talvez capaz de deter os vilões, já que outros como Hulk, Colossus, e o Coisa falharam em ação. Talvez esta Graphic Novel fosse a forma de Stan Lee dar um final perfeito e feliz para a sua criação favorita, já que depois de salvar a Terra dos Conquistadores alienígenas, o Surfista Prateado recebe primeiro os altos vivas de um grande número de colegas heróis e, finalmente, consegue ter sua amada Shalla-Bal ao seu lado.

Tex Coleção nº 67: Roteiro de Giovanni Luigi Bonelli, e arte de Aurelio Galleppini (Galep). Publicado originalmente em "TEX nº 41", de 1964. "O Homem da Morte" Título original italiano: “Oro”:  A descoberta de ouro nas proibidas terras dos Índios Navajos faz com que homens antes cidadãos pacatos transformem-se em ganaciosos enlouquecidos. Para lutar contra a terrível ganância de garimpeiros e contrabandistas de armas, Tex (aqui retratado com o rosto do ator Gary Cooper) precisa se disfarçar de Caveira (o Homem da Morte) para assim aterrorizá-los e expulsá-los do local. Foi republicada em pela Editora Mythos em Grandes Clássicos do TEX nº 10 de agosto de 2007.

Até+

31 comentários:

  1. Fala Elcio e Léo, a segunda parte da trilogia continua como a melhor trilogia do cinema, " poderoso Chefão ", na minha opinião a melhor de todas, Elcio, se não estou enganado, não foi o Dave Gibbons que escreveu Batman vs Predador? Lembro que apesar de já comprar minhas hqs, essa meu pai me deu, e minha cabeça explodiu, e que hq sensacional, (um adendo a equipe do Arnold bota no bolso os Mercenários do Stallone), pra mim é a melhor dos encontros entre Batman e Predador, Conan, o Bárbaro tive quase completa essa série, aliás atualmente temos uma " Conanmania ", naquela época, tínhamos a ESC, Rei Conan, Conan, o Bárbaro, acho que ainda seguia a republicação da ESC, e agora tantos títulos do Conan, inclusive o da Glenat, Conan é um bálsamo em meio a tanta lacração, vou cometer uma " heresia ", mas não gosto do Lanterna Verde, é um personagem que não me desce, embora com o Guy Gardner até é legal, assim como nunca li Sandman, por incrível que pareça gostei mais de Batman, o retorno, do que o primeiro, o Pinguim era assustador e um depravado, a linda Mulher Gato, e o Batman mais implacável, Groo, já tive todas as edições, como era legal, assim como a série Graphic Novel e Marvel, uma pena a Panini lançar de forma tão espaçada, Marvel Saga era outra série bem legal, hoje tem essas antologias, mas sem o charme daquelas edições da Abril, embora toscas, a diversão era garantida, e esse Clássicos DC, do Super e Titãs, comprei na época também. Elcio assim como Léo, vocês são grandes pesquisadores de quadrinhos, por Crom, longa vida ao Submundo! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Francisco... blz?

      Brigadão por ter curtido esta 2º parte da "Trilogia", hehe (melhor q a 1º na minha opinião tbm - q já era ótima)... Agora é rumo à 3º e última parte (pra fechar com CHAVE DE OURO esta coluna q é a MAIOR de todos os tempos aqui no blog) e q vai pro ar ainda nesta semana!

      "Batman X Predador" era mto bom mesmo... eu tive na época e depois perdi a série toda qdo mofou parte da minha coleção na minha antiga casa. Nunca mais recuperei esse material, infelizmente!

      E, de fato... estamos vivendo uma nova "conanmania" com trocentos gibis E livros do bárbaro (q, aliás, deve estrear semana q vem - ou na outra - uma matéria EXCLUSIVA SÓ pra ele por aqui, onde o destaque será a edição de Glénat)!

      Sobre os FILMES do "Batman"... Dos 2 primeiros do Tim Burton, eu ainda gosto mais do 1º: Talvez até pelo IMPACTO q foi na época (eu vi no cinema em 89) e cheguei a ver umas 5 vezes no cinema. Pro "Retorno" eu acho q fui com mta expectativa e me decepcionei um pouco com o roteiro e as cenas de ação meio "mornas". De qq forma, eu tô confiante q o Michael Keaton volte a estrelar NOVOS filmes do Batman, após sua aparição no filme do "Flash"!

      E mais uma vez... Obrigado por estar curtindo as postagens do "Submundo": Tenho certeza q vc vai apreciar mto o q está por vir por aí (especialmente o lance dos CLASSIFICADOS q tô preparando e q tá tomando uma forma legal, hehe)!

      Abs!

      Excluir
    2. Oi Francisco!

      Sim, foi Dave Gibbons que escreveu Batman vs Predador! O crédito está na matéria, com o nome dele como escritor!
      Esse foi o melhor confronto entre o herói e o alienígena! Na época em que foi anunciada ela era a HQ mais esperada por mim naquele ano!
      Batman-O Retorno é um filme que muitos gostam, sendo considerado melhor que seu antecessor para uma grande quantidade de fãs do herói!
      Particularmente, eu não gosto do filme pelo seu excesso de humor negro e bizarrices.Tim Burton impôs seu estilo pessoal no filme, sendo ele mais um filme com a marca do diretor do que um filme baseado em HQs!
      O Lanterna Verde nunca foi um dos meus heróis favoritos, mas confesso que esta fase do Gerard Jones no personagem é muito boa, e marcante até hoje!
      Porém, devido aos problemas do escritor com a justiça, esta fase foi praticamente "limada" da existência na DC, com chances zero de ser republicada novamente!
      Pesquisar os materiais que vão fazer parte da matéria é um prazer muito grande, afinal, não tenho, nem nunca tive a maioria das publicações presentes, mas é uma forma de descoberta, e pude ler muita coisa que nunca li depois de passados seus 30 anos de publicação!
      Tem muita coisa boa que poderia\deveria ter comprado, e outras que sequer valeriam a compra, mas para o bem ou para o mal é pura diversão e muito prazeroso de ser feito!
      Abraços!

      Excluir
    3. Oi Elcio, perguntei sobre o Gibbons, por causa dessa frase " Brian Bolland trabalhou muito bem os conceitos do personagem mostrados nos filmes e adaptou muito bem na história! ", mas enfim, esperando a terceira parte dessa magnífica matéria.

      Excluir
    4. Oi Francisco!
      Você ganhou o "Troféu Cata Piolho"!! Lembra desse?
      Foi uma "falha na Matrix", o que aconteceu, peço desculpas pelo erro, devo ter confundido os autores, e me passou despercebido na hora da revisão!
      Eu fiz o resumo desta HQ em dois dias distintos e devo ter me confundido!
      Abraços!!

      Excluir
  2. A matéria abre justamente com uma das capas mais chamativas. Eu era louco pra ter essa revista do Capitão América, mas nunca encontrei.
    "A Guerra do Alto Evolucionário" lembro ser legalzinho. Mas, li emprestado de um amigo.
    "Clássicos DC: Novos Titãs- O Contrato de Judas" é uma história nota 10. Gosto tanto dessa história que tenho em três formatos (Clássicos DC, Lendas do Universo DC e Eaglemoss).
    "Surfista Prateado- Os escravistas" consegui alguns anos atrás e de tão fácil que tava peguei duas edições em estado de novas.
    "Conan O Bárbaro" tive esse formatinho. Muito bom.
    "Amanhacer Esmeralda II" foi melhor do que o l. A Panini bem que poderia publicar "Amanhecer Esmeralda I e II" num único encadernado ou em edições separadas numa "Saga Lanterna Verde" .... vou parar por aqui vai que alguns da Panini lê isso é lança...seria mais uma coleção para fazer. Tô querendo encerrar as que comecei e comprar bem esporadicamente. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Roberto Xavier!

      Eu também era louco para ter esta mini-série que conta de forma mais detalhada a origem do Capitão América, e seus primeiros dias como herói na Segunda Guerra Mundial!
      Na época não pude comprar esta publicação, e quando a selecionei para a matéria, ela foi a primeira que li para fazer a resenha.
      Infelizmente, minha ansiedade foi substituída por um sentimento de decepção em relação a ela, e pude entender o porquê da Panini ter ignorado este material para republicação mesmo com os filmes do herói bombando anos atrás!
      Embora não haja nada que impeça a editora de republicá-la a qualquer momento, creio que ela não seja algo que vá agradar a maioria dos leitores pelos motivos que expus na matéria!
      Aliás, nos Anos 90 a Marvel lançou algumas publicações reformulando a origem de seus principais personagens, e além dessa do Capitão América, teve a "Gênese" do Homem Aranha de John Byrne que causou tanta controvérsia e ódio nos fãs que foi descartada logo de imediato, prevalecendo a fase clássica do herói escrita por Stan Lee e Steve Ditko como a "definitiva"!
      Demolidor - O Homem Sem Medo foi outro retcon de origem da época, mas esse pelo menos fugiu da mediocridade, sendo um excelente material!
      Amanhecer Esmeralda I e II, seria um excelente material "se" pudesse ser republicado, mas devido aos problemas de Gerard Jones com a justiça, este material foi literalmente apagado de sua existência na DC.
      O que vale cronologicamente para a editora é a origem do personagem feita por Geoff Johns antes mesmo do reboot de 2011, a fase do Gerard Jones não existe mais para a DC!
      O Contrato de Judas é uma saga magnífica, uma das melhores já feitas pela DC antes mesmo de Crise Nas Infinitas Terras!!
      Abraços!

      Excluir
    2. "A matéria abre justamente com uma das capas mais chamativas. Eu era louco pra ter essa revista do Capitão América, mas nunca encontrei."

      E aí, Roberto... blz?

      Essa mini-série do "Sentinela" é mto boa mesmo... Ela reconta a origem do capitão com uma pegada mais realista e cinematográfica (parece um story-board de um FILME do caps). E nunca entendi o pq de nunca ter sido republicada? Será q não tem arquivos digitais lá fora? não sei, mas acho q seria um ótimo material pra ser relançado hj em dia!

      "A Panini bem que poderia publicar "Amanhecer Esmeralda I e II" num único encadernado ou em edições separadas numa "Saga Lanterna Verde"

      Ótima ideia mesmo, amigo... Tomara q alguém na panini esteja lendo isso agora, hehe!

      Abs!

      Excluir
    3. "Amanhecer Esmeralda I e II, seria um excelente material "se" pudesse ser republicado, mas devido aos problemas de Gerard Jones com a justiça, este material foi literalmente apagado de sua existência na DC."

      E aí, Elcio... blz?

      Puxa, lamentável isso... Eu não sabia q o "Amanhecer Esmeralda" era do Gerard Jones, e sendo assim: fica difícil mesmo a panini republicar um material q esteja sendo rejeitado pela própria DC. Se bem q saiu bastante coisa dele na coleção da "liguinha", né? De repente, nunca se sabe, rs!

      Qto ao "Sentinela"... Embora eu tenha gostado mto dessa releitura da origem do capitão, tbm entendo os seus argumentos (expostos na matéria) e tbm entendo a panini em não querer (ou não poder) republicar essa origem. Seja como for, eu tenho a mini da Abril em perfeito estado na coleção e já me dou por satisfeito nessa, hehe!

      Abs!

      Excluir
  3. Grande Elcio e Leo, blz? Fantástico esse retorno ao "meu" ano dos quadrinhos.

    Como disse na postagem anterior, foi em 1992 que decidi colecionar quadrinhos e no meado do ano, justamente o objeto desta postagem, que eu "virei" marvete! Hehe

    Como meu dinheiro era pouco e não dava para comprar tudo de Marvel e DC, minha coleção tinha mais buracos que um queijo suíço, daí resolvi focar numa editora só e a escolhida foi a Marvel, por considerar que era a que tinha a melhor a qualidade do material, tanto roteiro quanto arte, da época. E DC só especiais ou alguma mensal que chamasse muito a atenção, tipo DC 2000.

    Enquanto aqui estávamos vendo a explosão de Mcfarlane, Liefeld e cia na Marvel, e curtindo bastante, nem fazíamos a ideia de que isso seria o início do fim... hehe Com a famigerada Era Image que estava sendo criada, logo, logo, os gibis iam cair de nível drasticamente, ao ponto de eu (e muito gente) abandonar a coleção. No meu caso, foi em 1998.

    Lembro que comprei na época esse especial do Amanhecer Esmeralda II do Lanterna Verde por causa dessa capa irada dele na prisão, por exemplo. De mensal mesmo, acho que só voltei a acompanhar a do Superboy pós-Morte do Super.

    Esse Flash do Mesner-Loebs era péssimo, na minha humilde opinião, sendo um dos motivos para eu largar a DC, só melhora com o Waid, que eu lia emprestado de um amigo. Além de nunca ter conseguido curtir os Novos Titãs, que era o carro chefe da empresa, achava chato os draminhas adolescentes deles, parecia que estava assistindo novela, e lembrava uma versão piorada dos X-Men nesse quesito (claro que respeito quem discorda e é fã).

    E que doideira o Batman ter um gibi cancelado... Não sabia que isso aconteceu, ainda mais por achar que ele sempre foi sucesso de vendas. Como eu já tinha virado marvete nessa época, nem reparei no sumiço da mensal, pode também ter sido pelo o que o Elcio falou de que os especiais dele continuaram. Realmente, foi uma decisão equivocada da Abril concentrar o melhor nos especiais e deixar a mensal com o resto.

    Esse gibi do Aranha em que ele tenta salvar a ex-namorada de uma seita tinha uma história bem adulta, eu curti bastante, era um tom bem diferente das aventuras normais dos heróis. Vale a pena mesmo.

    E as Graphic Marvel continuam nessa época dando um show de qualidade. A Panini tinha que ter relançado tudo,e não aquelas meia dúzias de edições de um tempo atrás. Inclusive, seria bacana ter o material inédito também.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Guilherme!

      Eu li poucas coisas do Flash nesta época, nunca fui fã do personagem, assim como não sou do Lanterna Verde, já que sempre preferi heróis mais urbanos e sem superpoderes de "deuses" como os dois!
      A fase Mark Waid realmente é boa, só fui ler e conhecer esta fase há pouco tempo, podendo ser considerada "definitiva" do personagem!
      Incrível pensar que o Batman não vendia bem não é?
      Mas é verdade, o personagem só alcançou o sucesso no Brasil a partir de "A Queda do Morcego", e sabe também o que impulsionou esse sucesso? O filme "Batman Eternamente"!
      Pode parecer mentira, mas é verdade, pois o filme na época da pré-internet levantou muito hype, havendo muita especulação e espera pelo filme.Te dou certeza que o hype foi quase igual ao filme de 1989 no auge da Batmania!
      A escolha de Val Kilmer na época foi muito aprovada pelos fãs, considerando ele um ator adequado (ou ideal) para o papel, já que Michael Keaton era baixinho, magro, e feio, sendo uma escolha acidental para o papel!
      Ademais, tinha Jim Carrey como Charada, no auge de sua carreira, e a participação do Robin, algo muito aguardado pelos fãs!
      Uma foto minúscula numa revista mostrando o ator caracterizado como Batman causou um grande alvoroço na época!
      Eu vou entrar em todos estes detalhes de forma mais abrangente entre os "Visões de 1994, e 1995", que serão muito especiais! Aguarde!
      O Batman continuará a aparecer em edições especiais após o cancelamento da revista solo dele na época, no ano de 1993 teremos duas!
      O fato é que as histórias do herói entre os anos de 1991 e 1992 antes de "A Queda", decaem muito de nível, salvo algumas exceções!
      Quem faz a coleção de "A Saga de Batman", pode se preparar para uma queda vertiginosa de qualidade nas histórias a partir da edição de nº16!
      Se eu continuar falando muito, vou estragar as matérias dos próximos anos! Aguarde, que tem muita coisa bacana ainda para recordar!
      Abraços!

      Excluir
    2. E aí, Guilherme... blz?

      Qdo eu retomei a minha coleção, em 1995... Fiquei numa situação bem parecida com a sua: Não sabia direito por onde começar (ou recomeçar) e procurei focar em 3 pontos:

      1) Recuperar em sebos os melhores gibis antigos q eu tive na infância (começando pela Marvel/RGE e primórdios da Abril)!

      2) Experimentas HQs NOVAS q estivessem chegando às bancas em 1995 (comecei com "MARVELS" do Ross e as mensais de linha da Marvel)!

      3) A grana não ia dar pra tudo... E sendo assim, minha prioridade era a Marvel, MAS segui a DC somente com especiais (um q outro) e o material adulto da Vertigo (em especial: Garth Ennis e Alan Moore)!

      Abs!

      Excluir
    3. "E que doideira o Batman ter um gibi cancelado... Não sabia que isso aconteceu, ainda mais por achar que ele sempre foi sucesso de vendas."

      Pois é, Guilherme... Essa tbm foi surpresa pra mim:

      Como na época (1992) eu não acompanhava gibis, nem fiquei sabendo q um "Batman" chegou a ser cancelado... Na minha cabeça, só o nome do morcego já remete à sucesso absoluto de vendas, hehe!

      Abs!

      Excluir
    4. "Quem faz a coleção de "A Saga de Batman", pode se preparar para uma queda vertiginosa de qualidade nas histórias a partir da edição de nº16!"

      Ora, mas não diga isso. Eu estou fazendo a coleção e isso me deixou receoso. Há alguma justificativa pra isso? Queda na qualidade dos desenhos ou saída dos roteiristas anteriores (Alan Grant, Jim Starlin etc) que estavam fazendo um bom trabalho?

      Excluir
    5. Grande L, blz? Acho que a resposta para sua pergunta sobre a queda da qualidade se chama "Anos 90"... hehe Não só do Batman, é claro, mas dos quadrinhos Marvel/DC em geral.

      Se você reparar, até 1992, objeto desta postagem, a Abril ainda publicava muito material da década de 80, começando os anos 90 com força aqui no Brasil só mesmo a partir de 1993.

      Excluir
    6. "Grande L, blz? Acho que a resposta para sua pergunta sobre a queda da qualidade se chama "Anos 90"... hehe Não só do Batman, é claro, mas dos quadrinhos Marvel/DC em geral."

      Obrigado pela resposta

      Excluir
    7. Oi L!
      Foram vários os fatores que contribuíram para a queda na qualidade das histórias do Batman na época, desde levar o personagem a enfrentar o sobrenatural numa história confusa e fora dos padrões do habitual do herói escrita por Peter Milligan em "Cidade das Trevas", e "Batman no Brasil" (o fundo do poço) até mesmo a mediocridade criativa dos escritores Alan Grant e Marv Wolfman!
      Haverá boas histórias ainda como "A Morte da Inocência" de John Ostrander, que é uma história do Batman caçando um serial killer em Gotham usando seus dotes de detetive, "Cidade das Sombras", e "Acima da Lei" de Chuck Dixon!
      Não sei se a Panini irá republicar o confronto do Batman com o Exterminador, porque esta sequência de histórias saíram na revista Deathstroke e não propriamente na do herói. Estas histórias são a redenção de Marv Wolfman pela sua medíocre na sua passagem pela revista do herói!
      Aí virá a "Queda do Morcego", e o fim de uma era irá se iniciar, e o herói só encontrará seu caminho com histórias mais conceituadas depois desta saga!
      "A Queda do Morcego' deverá começar a ser republicada em "A Saga de Batman" já em 2023!
      Abraços!

      Excluir
  4. opa...cara, sou suspeito pra falar, mas essa leva de hqs eram bem legais mesmo...concordo com o guilherme sobre o flash do loebs mas nao gosto muito do trabalho do waid tambem...aquele impulso e outros 300 velocistas eram uma chatice...pra mim pelo menos...batman e predador é um luxo de material...e essa capa é linda demais...as graphics eram muito boas mesmo...materia nota 10 e que venha o final...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, ajota... blz?

      Esses "velocistas" em excesso tbm não me agradam em NADA, amigo... Porisso, tenho pouquíssima coisa do "Flash" na coleção!

      Aliás, tudo eu NÃO gosto nos gibis do "Flash" (esse monte de velocistas) é justamente o q acabaram fazendo na série de TV atual, q começou boa com as 2 primeiras temporadas (contra o "Flash Reverso") e depois foi decaindo e virando uma xaropada sem fim (abandonei na 6º temporada - q já assisti acelerando no controle remoto, rs)!

      Abs!

      Excluir
  5. "Capitão América: As Primeiras Histórias n°01: Roteiro de Joe Simon, Jack Kirby, Ed Herron, e arte de Jack kirby, e Joe Simon.Publicado Originalmente em Captain America Comics nº 01, e nº 02; de março e abril de 1941. Edição especial de 100 páginas em capa dura! Esta edição traz as primeiras histórias do herói pelas mãos de seus criadores em seis histórias curtas, enfrentando diretamente Hitler, e servindo de inspiração para os soldados americanos que estavam no front lutando! Nesta época era muito raro o resgate de histórias tão antigas, de 51 anos atrás; então era aquele tipo de publicação especial que você tinha de comprar para guardar porque você estava adquirindo um verdadeiro tesouro! Por ser em capa dura, esta edição era bem cara para os padrões da época, e se tornou uma raridade com o passar dos anos."

    Uma pequena retificação, se me permitem: esta edição especial, única, não foi editada em capa-dura. A Editora Abril não tinha hábito de lançar gibis com este luxo, pois sempre considerou quadrinhos coisa de crianças e incultos. A edição foi lançada em capa-cartão, plastificada e lombada quadrada. O papel interno é papel-jornal.

    Seria simplesmente um sonho realizado se a Panini acordasse e lançasse esse tipo de material nos formatos das atuais "Sagas" ou em Omnibus, mas creio que seria delirar demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mauro Presley!

      Te agradeço pela informação sobre esta edição especial do Capitão América não ser em capa dura!
      Eu nunca tive esta HQ (não tive grana para comprar na época, já que ela era bem cara), e fiz o review dela baseado na antologia do herói que saiu pela Panini ano passado e na pesquisa de conteúdo desta edição dos outros materiais!
      Como disse anteriormente, eu nunca tive esta HQ, eu a vi 30 anos atrás pendurada na entrada da banca, e achei que era capa dura!
      Meus olhos e minha memória então me enganaram!
      Curiosamente, eu fui na banca que vi esta edição há 30 anos atrás hoje, sendo ela uma das poucas ainda existentes na minha cidade!
      Te agradeço pelo comentário!
      Abraços!

      Excluir
    2. "Uma pequena retificação, se me permitem: esta edição especial, única, não foi editada em capa-dura."

      E aí, mauro... blz?

      Obrigado pela correção, amigo... Essa tbm me passou na hora de reler o texto, rs!

      Mas já editei o parágrafo e mudei pra capa-cartão... Pois acabei de verificar na minha coleção e vi q essa edição usa uma capa-cartão mais grossa do q o habitual q estamos acostumados atualmente e ela era envernizada ainda por cima (com leve relevo). Ou seja: Um cartonado mais "parrudo", hehe!

      Abs!

      Excluir
  6. Meus cumprimentos amigo Elcio!

    Sua matéria é extensa e bem detalhada, como os leitores do SubmundoHQ estão bem servidos de informação e opinião de qualidade. Nessa segunda parte me lembro bem desta mini-série do Capitão América, adquiri na época e ainda possuo na coleção. Gostei muito do roteiro e da arte que aprofundou a origem do Sentinela da Liberdade, não conhecia muito o escritor Fabian Nicieza, mas pude constatar que seu texto se adequou muito bem a proposta. E o Kevin Maguire vinha com tudo desde a Liguinha cômica junto de J. M. DeMatteis, então foi acerto total.

    Essas edições de SAM já estavam com Ann Nocentti e Romitinha no auge, foram números da agora Saga do Demolidor que também peguei no formatinho. Essa Clássicos DC com o Contrato de Judas dos Titãs, adquiri tempos depois no sebo. Esses encadernados em formatinho eram muito prazerosos de ler arcos completos e mini-séries. E a cereja do bolo foi a primeira mini-série do Batman vs. Predador, na época nem dei tanta importância ao roteiro do desenhista Dave Gibbons, porque o que me saltou aos olhos foi a arte muito detalhista e caprichada de Andy Kubert que honrou o talento do pai Joe Kubert. Obrigado também ao nosso estimado Leo por nos proporcionar o veículo onde o Elcio pode expor o esmero dessa pesquisa tão profunda do mercado da nona arte de 30 anos atrás.

    Pra finalizar permitam-me fazer uma sugestão ao Elcio. Seria fantástico se vc compilasse todo o material das "Visões" de cada ano em formato de livro, poderia utilizar o catarse por exemplo pra financiamento. Eu mesmo apoiaria nos primeiros minutos da campanha no ar, e tenho certeza que a esmagadora maioria dos nossos colegas do blog também. Pense nisso amigo, esse seu trabalho tão primoroso merece ser eternizado nas coleções dos nossos leitores do SubmundoHQ.

    Mais uma vez obrigado e estou aguardando a próxima parte.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, LEPM... Tdo bem?

      Brigadão mesmo por ter curtido esta 2º parte da matéria (a 3º eu já tô ajeitando pra botar no ar ainda hj): valeu mesmo, amigo!

      E eu sou outro q gostei mto do "Sentinela da Liberdade" (embora deva fazer uns 20 anos q não releio essa HQ e tbm entendo os pontos negativos listados pelo Elcio: Todo RETCON sempre vai ter suas polêmicas e comparações com as versões clássicas mesmo, hehe)!

      Aliás, por falar nisso... Acho válido ressaltar a nível de curiosidade, q o próprio KIRBY trabalhou em pelo menos 3 diferentes versões da origem do capitão (!) A 1º foi a clássica de 1941 (com escudo triangular). A 2º foi a estreia do capitão na Era de Prata (em 1964) q teve sua origem recontada por Lee/Kirby em apenas 10 pág (e q saiu na "CCM" Vol. 7). Já a 3º foi uma versão ESTENDIDA (e q a Abril publicou em "Cap. América" nº 17), na qual a dupla Lee/Kirby reconta com mais detalhes e mais pág a origem (q passou a ser a DEFINITIVA)!

      "Pra finalizar permitam-me fazer uma sugestão ao Elcio. Seria fantástico se vc compilasse todo o material das "Visões" de cada ano em formato de livro, poderia utilizar o catarse por exemplo pra financiamento."

      Olha aí a ideia, Elcio... TBM gostei e apoiaria com certeza uma versão impressa das "Visões". Pra "engordar" mais um pouquinho o LIVRO, seria legal se o Elcio pudesse adiantar as próximas partes (tipo: Pegando toda a década de 90, por exemplo). Seria um trabalho único e um documento valiosíssimo sobre a década de 90 no mercado brasileiro de HQs!

      Lembrando, tbm... Q a editora NOIR tem toda uma linha de LIVROS teóricos sobre HQs e já publicou vários livros do Roberto Guedes, Marcus Ramone, e agora esse sobre a "Gwen Stacy"!

      Fica aí a sugestão (magnífica) pro Elcio... Valeu mesmo, LEPM!

      Abs!

      Excluir
    2. "...Batman vs. Predador, na época nem dei tanta importância ao roteiro do desenhista Dave Gibbons, porque o que me saltou aos olhos foi a arte muito detalhista e caprichada de Andy Kubert que honrou o talento do pai Joe Kubert. "

      Uma observação: o Adam Kubert é quem arte-finaliza os desenhos nessa mini.

      A Panini lançou ela junti com outras minisséries, mas achei fraco ondesenhondas outras e por isso não comprei.

      Excluir
    3. Oi LEPM!
      Agradeço muito sua sugestão, já considerei esta possiblidade desde que você a sugeriu um tempo atrás, porém acho que ainda é um pouco cedo para compilá-las em um livro propriamente dito, já que eu tenho a idéia de compilá-las em um livro quando juntar pelo menos 10 matérias, mais precisamente quando chegarmos no "Visões de 2000", pois até lá já teremos revisitado todos os Anos 90, e acompanhado TODAS as transformações do mercado brasileiro de publicação de HQs desta época!
      Um livro lançado a cada ano ia ser interessante, mas não o ideal, pois tem muitas coisas ainda para serem relembradas, e as três matérias que fiz são apenas a ponta do iceberg dos Anos 90.As coisas vão mudar radicalmente a partir de 1994 quando viveremos anos vertiginosos de publicação de HQs no Brasil, momento em que poderá de fato ser comparado aos Anos 80 considerado a Era de Ouro no Brasil de publicação de HQs tanto de histórias como de títulos, e refletirmos o que mudou de lá para cá, e se os Anos 90 foram tão ruins assim como dizem!
      Bom, eu vou preparar uma surpresa para todos que curtem a coluna do Submundo HQ a partir do "Visões de 1993"(que será muito especial com um gosto maior ainda de nostalgia por flertar com os Anos 70\80).
      Eu vou fazer um teste e ver se dá certo, aí conversarei com o Leo sobre a minha idéia!
      Obrigado por curtir a matéria e pela sugestão!
      Abraços!

      Excluir
  7. Caro Leo
    Tudo bem? Parabéns pela coluna! Que, aliás, faço uma reflexão: será que vivemos em uma Matrix dos anos 60 aos 80? Todos lançamentos citados por vocês,continuam republicados de uma forma ou outra atualmente em coleções clássicas vintage da vida. Ou em histórias atuais fazem a conexão com esta época. E volto a perguntar: Vivemos em uma Matrix?
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Celso... Tdo bem?

      Interessante reflexão... Pois é, amigo: Parece q estamos na mesma situação do Bill Murray em "Feitiço do Tempo": Presos num looping interminável (só q ao invés de um mesmo dia: Estamos num determinado período das HQs)!

      O FORTE hj no mercado são mesmo as republicações de materiais clássicos... E até o material ATUAL segue bebendo na fonte dos clássicos. Um exemplo é o "Imortal Hulk", q trouxe vilões lá dos anos 70 de volta, tipo o "XEMNU" (não lembro se é assim q escreve). E novas sagas q usam até o mesmo nome de sagas antigas: "Guerras Secretas", "Heróis Renascem", etc!

      Matrix total, kkk!

      Abs!

      Excluir
  8. "Todos lançamentos citados por vocês,continuam republicados de uma forma ou outra atualmente em coleções clássicas vintage da vida. Ou em histórias atuais fazem a conexão com esta época."

    Celso Lopes, vejo como constatação da qualidade desses materiais e "rendição" das editoras em atender pedidos de anos e anos de espera. O mercado começou a enxergar o público mais velho e tem comprovado em vendas que tem público para essa demanda até então represada.

    ResponderExcluir
  9. "será que vivemos em uma Matrix dos anos 60 aos 80? " os quadrinhos morreram. agora é só reprise e reciclagem.

    ResponderExcluir
  10. " "Iron Man nº 231", de junho de 1988. Tony Stark decide deixar de lado sua identidade de Homem de Ferro, sem intenção de construir outro traje. Mas ao ver sua empresa e inocentes sendo ameaçados pelo vilão Poder de Fogo já que Edwin Cord traiu o governo e ficou com o traje, usando para seus propósitos, ele se isola e constrói sua obra prima: A MK VIII, uma nova armadura com as cores vermelha e dourada aliada ao que há de mais moderno em tecnologia, dispositivo de proteção para evitar a clonagem da tecnologia."

    Uma das minhas favoritas pena que alguns nrs depois Tony é baleado e a armadura modificada.
    Também comprei muita coisa na época sam,Super almanaques e o meu favorito Amanhecer Esmeralda 2 ate comprei o 1 alguns meses depois numa banca que vendia bds antigas atualmente fechada,

    ResponderExcluir

POR FAVOR, LEIA ANTES de POSTAR:

O "Submundo-HQ" é um blog que preza a amizade e a boa convivência entre os usuários... Assim, NÃO serão aceitos por aqui comentários que incluam:

1) Ofensas pessoais e falta de respeito em geral!
2) Manifestações e militâncias POLÍTICAS (de qq tipo)!
3) SPAM e links de divulgação gratuita de compra/venda de HQs!

Obrigado, e seja sempre bem-vindo ao "Submundo"...

Até+

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...