13/01/2019

O "Aquaman": Segundo Peter David (Traduzido Por Martin Fernando)...

O "Submundo" apresenta... Mais uma magnífica colaboração especial de Martin Fernando pro blog: Traduzindo um texto original de Peter David (de 2001) sobre "Aquaman" (que HOJE tá com um FILME em cartaz emplacando um mega-sucesso no cinema):

O escritor que reformulou o personagem na década de 90, fala da fase em que foi roteirista da revista do "Aquaman" e de como foi reformular o personagem (novo uniforme, barba e o arpão no lugar de uma das mãos), que passou a impor muito mais respeito entre os fãs!

Confira abaixo:

Como reformulei o Aquaman (Por Peter David):

Em grande medida, vejo a época em que escrevi Aquaman como um espetacular e ambicioso fracasso. Eu aceitei trabalhar no título por dois grandes motivos: o 1º é que "The Atlantis Chronicles" (minissérie em 7 edições publicada em 1990, com desenhos de Esteban Maroto e INÉDITA no Brasil) continua, depois de todos esses anos, entre os meus trabalhos favoritos. Quando essa série estava em produção, os chefões da DC - e quero dizer OS CHEFÕES mesmo - prometeram com entusiasmo que ela seria um dos destaques da editora, constantemente reimpressa à la Watchmen, com direito à títulos derivados e até merchandising. Nada disso chegou a se concretizar. A DC permanece resoluta em não oferecer nem mesmo um encadernado da série (em 2017, isso finalmente aconteceu), apesar dos pedidos dos fãs - e com Bob Greenberger (editor da DC entre 1984 e 2000, que trabalhou na minissérie escrita por David) na Marvel agora, a única pessoa que ainda encabeçava um movimento a favor do encadernado foi embora. Então, eu imaginava que, ao assumir Aquaman, incorporando elementos narrativos originados nas crônicas, isso poderia promover um encadernado da série. Bom, ainda não aconteceu. E, nessa altura, não tenho mais esperanças. O projeto é claramente impraticável… ainda que, curiosamente, tenham conseguido realizá-lo na Itália! Fracasso número um! O segundo motivo pelo qual aceitei fazer os roteiros da revista é que eu queria estabelecer o Aquaman não só como um personagem que podia ser levado a sério, mas que também podia ser uma peça importante no Universo DC, capaz de manter um título próprio mesmo após minha inevitável partida. Então, por fim, deixei a série. Alguns anos depois, ela foi cancelada, e o Aquaman foi morto no evento "Mundos em Guerra" (Our Worlds At War, de 2001)! Fracasso número dois.

Agora não tenho ideia se o Aquaman está, de fato, permanentemente morto. Não tive a chance de perguntar à ninguém da editora. É óbvio que eu espero que não esteja. O Aquaman sempre foi um dos meus heróis favoritos, simplesmente porque é o único que pode, de alguma forma, existir de verdade. Pense bem. Se existissem caras como Super-Homem, Batman e tal. correndo por aí, nós já saberíamos. Haveriam reportagens em todos os jornais, em todas as redes de televisão. Provavelmente alguns canais de TV a cabo seriam dedicados só a eles. Mas sabemos que não é assim, e, consequentemente, eles permanecem no reino da pura fantasia, que nunca será realizada. Entretanto, o oceano é um lugar vasto e misterioso. Há profundezas que nunca foram alvo de nenhuma forma de escrutínio humano. Posso sentar na praia, mirando as ondas, e pensar: Talvez... Talvez realmente exista alguém capaz de sobreviver no oceano e conversar com os peixes. Talvez realmente existam criaturas sirenes ou cidades habitadas por elas. Não quero soar muito místico, mas se você me disser: “prove que existem”, eu diria: “prove que não existem”!

Minha passagem pela revista Aquaman começou com um arco de 4 edições que seria incorporado à série corrente. Eu teria ficado bem satisfeito com isso, mas decidiram que esse arco, intitulado "Time and Tide", deveria ser publicado em uma minissérie avulsa, que antecederia o relançamento do título (essa minissérie não chegou a ser publicada no Brasil). O que mostro a seguir são os primeiros registros de minhas ideias para o Aquaman, produzidas como parte da sinopse de "Time and Tide": Em que exploramos as origens de um herói que, em termos mitológicos, tem potencial para ser tão influente quanto outros personagens lendários. O que sabemos dele até o momento tem paralelos com histórias como as de Rômulo e Remo, Mogli e Tarzan dos Macacos. Além disso, os oceanos, que cobrem ¾ da superfície terrestre, continuam sendo uma das últimas grandes fronteiras de nosso planeta. Aquaman está totalmente à vontade nesse limiar. 

Sua habilidade de se comunicar com as criaturas marinhas é única. Sua força, consequência da capacidade de sobreviver nas profundezas do oceano, é considerável. Se estiver em terra firme, consegue mover-se mais rápido, saltar mais alto, ser mais forte que qualquer humano normal. Ele é, até certo ponto, invulnerável – afinal, sua pele, assim como os ossos e músculos, deve ser extremamente resistente. Um míssil pode matá-lo, mas uma munição de baixo calibre só vai derrubá-lo ou causar ferimentos leves… como se vestisse kevlar. Em vez de ser um dos mais limitados personagens do universo DC, Aquaman é – se trabalhado do jeito certo — um dos mais ubíquos. E se ele é, de fato, o senhor das águas, então é igualmente… para todos os propósitos… o senhor do mundo. Ninguém mais neste planeta pode fazer o mesmo que ele. Muitos têm superforça. Muitos são invulneráveis. Conhecimento científico, poderes mágicos, supervelocidade… sobrepõem-se em todas as áreas. Mas não há ninguém capaz de atuar com níveis superpoderosos em qualquer ambiente do mundo. Seja na terra ou no mar, Aquaman é uma força a ser considerada.  

Essa foi sempre minha abordagem, o que ia contra aqueles que o consideravam, de alguma forma, inferior aos outros heróis. Meu argumento era que se o Aquaman fosse jogado no meio de Gotham e deixado à própria sorte, ele se daria bem. Se o Batman fosse lançado no meio do Atlântico, com nada além da capa nas costas, as chances de nunca mais ouvirmos falar dele seriam grandes… especialmente se fossem águas infestadas de tubarões. Falando em tubarões, considero que eles foram um dos meus poucos sucessos na série. Todo mundo adorou a maneira como eu os representei: grandes e tapados celerados com memória curta de apenas vinte segundos, sem nenhum interesse além da alimentação. Uma cena típica era um tubarão cruzando o oceano com o seguinte balão de fala: “Comida. Comida. Comida. Comida. Comida. Olá, Aquaman. Comida. Comida. Comida”. Na sua estupidez, eles eram quase adoráveis. Era um grande contraste em relação à reputação de “monstro assassino das profundezas” que ganharam desde o filme Tubarão. É revoltante não haver uma revista do Aquaman agora [em 2001]; os relatos de enormes cardumes de tubarões que estamos ouvindo recentemente seriam um ótimo pano de fundo para as histórias.

O aspecto mais controverso da minha passagem na revista foi, naturalmente, a perda da mão de Aquaman e a substituição dela por um arpão (aquilo não era um gancho, droga!). Pessoas de todo canto execraram a ideia, ainda que comprassem a revista, o que certamente era a minha intenção o tempo todo. Apesar de conseguir justificar esse acontecimento no enredo, a verdade é que não se contrata um roteirista com a expectativa de que ele produza uma HQ que ninguém queira comprar. Eu sinto que existe a obrigação de desenvolver narrativas que façam as pessoas desejarem comprar as revistas. Aquaman tinha a reputação de ser um peso leve em vendas, tanto que, quando me anunciaram no título, a resposta não foi, “Nossa, mal posso esperar para ver Peter David escrevendo Aquaman!”. Em vez disso foi, “Nossa, por que o Peter David está perdendo tempo com esse inútil cabeça de bagre?”.

A fama era tão negativa que eu precisava desenvolver algo extremamente drástico só para convencer os leitores a folhearem a revista. Não foi fácil vender essa ideia aos todo-poderosos da DC. Foi preciso muitos memorandos para explicar tudo antes de receber a aprovação. No final da minha passagem na revista, ouvi repetidas vezes que os chefões não estavam satisfeitos com as vendas. Parecia que algo tão dramático quanto a perda da mão de Aquaman era necessário para reacender o interesse dos leitores, o que para mim é irônico, considerando a resistência que enfrentei para emplacar o evento inicial. Em um memorando, sugeri os possíveis desenvolvimentos:

▪ Náiade, a elemental da água, é aniquilada por Triton [filho de Poseidon], que escraviza Corona [que, antes de ser a elemental do fogo, era Kako, mãe de  Koryak, filho ilegítimo de Aquaman, que acompanhava o pai nas histórias dessa época]. Aquaman, em seguida, luta com Triton e morre defendendo Poseidonis… para então se transformar no novo elemental da água. Ele mantém a forma humana, mas recebe novos poderes – bem diferentes daqueles de Náiade.
▪ Aquaman ganha o Prêmio Nobel da Paz.
▪ Aquaman é nomeado secretário-geral das Nações Unidas.
▪ Um dia, Aquaman aparece em Poseidonis – com o cabelo cortado, a barba feita, de volta ao velho uniforme, a mão intacta – querendo saber onde estão Mera e Arthur Júnior. Quando lhe perguntam que diabos aconteceu, ele responde que não tem ideia do que estão falando, e afirma que ficou preso em um bizarro redemoinho, mas que escapou após alguns minutos, “e o que querem dizer com Mera se foi, Arthur está morto, Aquagirl está morta, Garth cresceu, e eu perdi a mão? Isso é loucura!”.
▪ Arthur se torna filho adotivo de Poseidon.

Uma possível história, não listada acima, poderia ter acontecido quando Harlan Ellison demonstrou grande interesse na Devil’s Deep, uma fenda sem fundo que eu apresentei em um dos roteiros (Aquaman #29, 1997, não publicada no Brasil), deixando implícito que ela descia até o inferno. Harlan propôs que desenvolvêssemos uma longa saga, que ele e eu escreveríamos juntos, e que tomaria grande parte do ano, sendo o equivalente da DC ao Inferno de Dante. Imagino que isso venderia algumas cópias, não? O editor (Kevin Dooley) chegou e disse que podíamos fazer… em uma única edição, com vinte e duas páginas. Claro. Por que perder um ano com as histórias de Ellison para atrair o interesse do leitor quando você pode ter uma edição avulsa sem nenhum impacto nas vendas? Percebendo que apenas um número não faria jus à trama, Harlan disse para esquecer o caso, e foi isso.

Dos desenvolvimentos sugeridos por mim, o que mais me interessou foi o do elemental da água. Eu até coloquei o enredo em ação, que culminaria com o Aquaman morrendo e Triton ameaçando inundar o mundo, para então Aquaman ressurgir como um elemental. Mas tudo foi interrompido porque, pelo que me disseram, desde que o Super-Homem retornou após a Morte do Super-Homem, ninguém acreditaria num artifício tão barato e óbvio como o Aquaman “morrendo”. Assim, todo o conceito (desculpe a expressão) naufragou. Finalmente, depois de receber uma instrução editorial mais contraditória que a outra – como ter Aquaman operando como um lobo solitário, mas mostrá-lo como um líder; ter histórias em Atlântida, mas evitar que o Aquaman esteja em Atlântida –, eu desisti e (mais uma vez, desculpe a expressão) abandonei o barco. E agora (em 2001) Aquaman está morto. Se ele retornar como um elemental da água, você ouviu isso pela primeira vez aqui.

Peter David

(“On Writing Aquaman”, Comics Buyer’s Guide #1453, 21 set. 2001. Disponível em: www.peterdavid.net/2014/10/13/on-writing-aquaman/)

Tradução de Martin F. A. Gonçalves

Até+

PS: O "Submundo" agradece à mais esta colaboração especialíssima de Martin Fernando pro blog (após a excelente matéria: "BATGIRL - Desconstruindo Bárbara Gordon")... E depois de mais este texto traduzido, bateu aquela vontade de ler a fase Peter David na íntegra (quem sabe um dia republicam ela por aqui. né)? 

43 comentários:

  1. O mais execrado e a maior bilheteria da DC ate agora. O mundo deu voltas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deu voltas porque teve um cara chamado Ivan Reis que bancou a renovação do Aquaman.

      História interessantíssima contada no podcast Confins do Universo - 066, do Universo HQ.

      Ofereceram vários personagens pro Ivan Reis desenhar na fase dos novos 52, ele escolheu o Aquaman, título/personagem que nem ia pra essa nova fase,ou seja, limbo. Junto com Geoff Johns, colocou o personagem no primeiro escalão.

      O filme, hoje, se deve muito a ele.

      Excluir
    2. Oi, Alexandro... blz?

      Quem diria mesmo, né? Até pouco tempo o "Aquaman" era considerado uma PIADA (com vários memes e tal)... Pra grande mídia e público, o q valeu mesmo foi a versão mais "fodona" do personagem no cinema (a popularidade dele nos filmes - e venda de BONECOS baseados no Jason Momoa - animou a investida num filme solo pra ele)!

      Abs!

      Excluir
  2. Oi Leo!

    Parabéns a você e ao Martin Fernado por trazerem esta matéria!

    Peter David sem sombra de dúvidas foi um dos maiores roteiristas de HQs da década de 90, seu trabalho em Aquaman lhe rendeu muitos elogios, estando ele todos os meses no pódio dos melhores escritores do mês da Revista Wizard (americana) que era a Bíblia do leitor na época pré-internet!

    A DC nos anos 90 teve uma época de grandes mudanças para seus personagens, e em sua maioria trágicas, onde o Superman morre, Batman fica aleijado, Hall Jordan e Rapina viram vilões, Columba morre assim como Oliver Queen- O Arqueiro Verde original, e o Aquaman perde a mão, literalmente!

    Não tenho esta fase completa, mas tenho a história da perda da mão e mais algumas onde é mostrado as consequências nele do ataque do inimigo!

    É uma material bom até hoje, e merece ser republicado na íntegra, e espero que com o sucesso arrebator do filme que já atingiu a marca de um bilhão de dólares de bilheteria, a Panini se deixe influenciar e atenda aos pedidos dos leitores. O formato capa cartão como o Deadpool clássico é o ideal!

    Nunca vi o Aquaman como um herói menor na DC como falam hoje, onde existe até brincadeira por parte de escritores como um "herói sem fãs"! Sempre considerei ele um dos principais heróis da editora, considerando heróis menores os supracitados Rapina e Columba (que chegam a ser obscuros), Adam Strange, Tio Sam, Terra, Halo, Ametista, Sargento Rock, Sr.Incrível, etc.

    Aquaman sempre aparecia nas histórias do universo DC, tinha título solo, fazia parte de alguma versão da Liga, etc.

    Mas confesso que gosto mais do visual dele Badass, que foi descartado ao longo dos anos e sem mão de água, que é uma coisa ridícula!

    Não gosto deste lance das editoras voltarem atrás em mudanças de visual de heróis que deram certo como no caso do Aquaman, já que considero isto a evolução do personagem, assim como o Batman de traje preto igual ao filme de 1989!

    Esta história do Harlam Ellison podia ter sido épica pena que não saiu devido à decisões editoriais ao meu ver equivocadas.

    Peter David tinha muitas idéias boas com o Aquaman, mas infelizmente foram rejeitadas mesmo com o escritor estando em alta e o título vendendo bem.Não tem quem fique trabalhando numa editora desta forma, pois além de ter idéias rejeitadas, você é obrigado a seguir os ditames da editora, sendo você o responsável pelo sucesso de vendas e críticas do título!

    A DC pelo que sei desde sempre foi a pior editora para se trabalhar!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi outras declarações de que o editor Kevin Dooley não tomava as melhores decisões editorias (ter negado o projeto sugerido por Ellison já é uma prova disso), mas a DC, na década de 1990, também tinha editores como Denny O'Neil, nos títulos do Batman, e Mike Carlin, nos títulos do Super-Homem (para não falar em Karen Berger, na Vertigo).

      Havia também Bob Greenberger, que editou "The Atlantis Chronicles", citado por Peter David neste post e por John Ostrander num texto sobre a criação do Esquadrão Suicida (https://textocorridoblog.wordpress.com/2017/08/03/a-historia-por-tras-da-historia-do-esquadrao-suicida-john-ostrander/). Esses dois roteiristas lembram de Greenberger como um ótimo editor.

      Então, acho que foi um grande azar a revista mensal do Aquaman ter caído nas mãos de um editor tão despreparado. Que, mesmo assim, Peter David tenha conseguido criar histórias memoráveis é mais um sinal do seu talento.

      Excluir
    2. Kevin Dooley era, segundo todos os depoimentos que eu vi, um editor execrável. Depois que ele foi demitido da DC (já vão vinte anos!), nunca mais trabalhou em quadrinhos!

      Excluir
    3. Oi, Elcio... blz?

      Brigadão por ter curtido a postagem (todo mérito do Martin Fernando)!

      Eu conhecia o Peter David mais pelo trabalho no "Hulk" mesmo (q eu achava mediano), mas valorizava o potencial geral dele como escritor (qdo não exagerava nas "piadinhas" fora de hora - uma das suas marcas registradas no Hulk) em HQs ocasionais de outros heróis q ele tbm escrevia nos anos 90!

      Infelizmente, essa fase do "Aquaman" dele eu não li quase nada (tirando um q outro scan)... Mas me interessei mto depois de ler esta matéria (especialmente pela série das "Crônicas de Atlântida" - INÉDITA no Brasil, sabe-se lá pq)!

      Vamos ver (e torcer) pra q essa fase seja um dia republicada por aqui (no formato econômico, é claro)... Não necessitaria de tantos encadernados assim pra cobrir a fase completa do Peter David (e mais a série da "Atlântida")!

      E vou te confessar uma coisa... Pela 1º vez na vida comprei uma miniatura da Eaglemoss (do "Arraia Negra") só pq achei do caralho o visual do vilão no TRAILER do FILME (q eu ainda não vi)!

      Abs!

      Excluir
    4. "Kevin Dooley era, segundo todos os depoimentos que eu vi, um editor execrável. Depois que ele foi demitido da DC (já vão vinte anos!), nunca mais trabalhou em quadrinhos!"


      Oi, Hunter... Sinal de q o cara era "fera" (ou besta-fera) mesmo, kkk!

      Abs!

      Excluir
  3. Primeiramente Leo, toda a saúde do mundo, um pronto e total restabelecimento, para que vc possa cuidar da sua família, do seu empreendimento e nos brindar com o Submundo Hq.Em após, obrigado por essa matéria interessantíssima, entre tantas outras. Excelsior!!!
    Eduardo Mendes, Cuiabá/MT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Eduardo... blz?

      Brigadão mesmo, amigo... Já estou melhor agora (embora tivesse passado uns perrengues nos últimos dias - q me impossibilitaram de participar aqui do blog e me deixaram de "molho" mais um tempo, rs)!

      Mas acho q o ano começou bem aqui no "Submundo" com essa excelente matéria traduzida pelo Martin Fernando... q o resto do ano nos preserve nesse ritmo, kkk!

      Abs!

      Excluir
  4. E aí, leo, beleza?

    Sensacional esse texto, com o Peter David dando seu parecer sobre o herói submarino. E sim, a Abril praticamente ignorou boa aprte do material.

    Eles publicaram as edições 1 a 10,0, 26 a 28, apenas. David ficou até a 46, mais as minis Time and Tide e Atlantis Chronicles. Muito pouco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Lierson... blz?

      Puxa, não sabia q tinha saído tão POUCO da fase Peter David aqui no Brasil... Não acompanhei as revistas mix da época, mas imaginava q tivesse sido mais do apenas essa mixaria de histórias, rs!

      Abs!

      Excluir
  5. "O mundo deu voltas..."

    E como, VENOM rendeu mais do que qualquer um dos seis filmes do Aranha conseguiu.

    Abs,
    VAM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida tem dessas coisas mesmo, VAM...

      Olha o caso do "Deadpool" tbm... quem (em sã consciência) iria conceber nos anos 90 q aquele personagem restolho do MESTRE (e q era plágio do "Exterminador") um dia fosse se tornar um FENÔMENO midiático e ícone da cultura pop de uma geração futura? As voltas q o mundo dá, kkk!

      Abs!

      Excluir
  6. Bom trabalho Martin. Olá Leo. Beleza pessoal?

    É curioso e interessante ver as idéias que Peter David tinha sobre o Aquaman e o que ele quis fazer. Acho que sua abordagem estava a frente de seu tempo para com o herói. Ele tinha mais idéias desafiadoras do que conseguiu mostrar, é uma pena (nunca vou entender pq as editoras se metem nos trabalhos dos artistas, são realmente poucos que conseguem fazer o que quer como o Alan Moore em Monstro do Pantano e uns outros poucos). Já na época que Aquaman do David saiu aqui no Brasil (só uma parte), eu já achava a abordagem que ele deu ao herói revolucionaria. Eu lembrava que o personagem sempre aparecia aqui e ali (em participações especiais), mas as primeiras vezes que vi ele tendo um bom trabalho foi primeiro na revista do Esquadrão Suicida do John Ostrander numa historia sobre a procura de Ray Palmer, e depois na fase Aquaman do Peter David.

    Acho o Aquaman do David o melhor do personagem, pois foge do óbvio. A atitude badass dele nessa fase era muito bem vinda. E o Aquaman do Jason Momoa lembra bastante ele: boladão, violento, imparavel, e sem pensar duas vezes, agindo mais com emoção.

    David disse que se vissemos o Aquaman voltando da morte como um elemental da água, teriamos visto primeiro nesse texto, e foi o que aconteceu mesmo, o Aquaman qdo voltou da morte voltou como elemental da água kk O mundo da voltas. É a DC pegando a idéia do cara que mudou o Aquaman pra sempre. Até o clássico desenho Liga da Justiça trouxe o Aquaman ao estilo do David. No cinema ele está parecido com a vibe criada pelo David e parece que no Aquaman Renascimento ele está ficando novamente boladão igual na fase David. O mundo dá voltas.

    Quando Peter David escreveu esse texto ele parece que estava amargurado, e é compreensivel pelas ignoradas que a DC deu ao trabalho dele com o Aquaman. Mas hoje em dia (e isso desde o desenho da Liga, lá atras) a DC deu o braço a torcer e voltou a vibe do Aquaman reformulado pelo Peter David. O Aquaman criado por Paul Norris e Mort Weisinger, com a vibe do Peter David está no cinema e bateu um Bilhão em bilheteria. E está saindo tudo do Aquaman do David em encadernados agora. Merecido reconhecimento.

    Os criadores do Aquaman não conseguiram ver o sucesso que ele se tornou, com um filme ótimo e que mereceu o sucesso, mas Peter David, que revolucionou o personagem muitos anos depois, revitalizando ele para novos tempos, conseguiu ver (o Aquaman do filme é baseado no da fase Peter David, e a historia do filme é baseada na fase Geoff Johns, que também merece a lembrança).

    Vamos ver se a detentora dos direitos de publicação aqui, a Panini, traz o Aquaman do Peter David, já tá mais que na hora. Eles tiveram todo tempo do mundo, mas só enrolaram.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Camus... blz?

      É uma pena mesmo q a DC tenha se intrometido tanto nessa fase, sendo q não tinha NADA A PERDER na época (já q o "Aquaman" era um personagem relegado ao esquecimento e q teve uma sobrevida com o Peter David - q inclusive, era um dos escritores mais populares daquele período)!

      Eu não li esse material qdo saiu aqui (e tava todo retalhado mesmo), mas lembro da galera elogiando essas histórias (q repercutiam na finada revista "Wizard" e nos primórdios dos sites de gibis)!

      Vamos ver então se com o sucesso do FILME a Panini se anima a publicar alguma coisa do "Aquaman"... q nem fizeram com o "Deadpool Clássico". Se bem q o "Pantera" tbm estourou nas bilheterias e continua jogado pra escanteio pela Panini, né?

      Abs!

      Excluir
    2. Blz Leo? Q bom já estar melhor.

      Bem, a historia do editor citada acima acho que explica o porque do David não ter feito tudo o que queria. Uma pena.

      Eu li o material quando saiu aqui pq eu colecionava as hqs do Superboy (kkk) pegava algumas em banca (qdo dava) mas a maioria eu pegava no sebo (saia mais barato). Vai entender pq eu comprava as hqs dele (eram no maximo legais, divertidas) talvez seja por isso.

      Eu não acho que a Panini vai trazer o Aquaman do David, acho dificil. Eles tiveram muito tempo para programar isso, mas não o fizeram. Reimprimiram o que ja tinha pronto mesmo (fase Johns) e fizeram uma caixa especial e toma! É isso. Queria saber quem planeja as cosias lá, pois perderam o hype em icma do filme, pessoal que saiu do cinema maravilhado e fo ias bancas encontrou no maximo a fase do Aquaman Renascimento do Abnett (que é boa, mas no momento do filme já tava no numero 5, ou seja, já ta adiantada a historia, e quem comprar vai ficar meio perdido e vai ter que ir atras dos numeros anteriores 1,2,3,4). Pessoal não encontrou um material do zero nas bancas, que podia comprar sem medo de ter q buscar numeros anteriores. Panini outra mancada. E nem temos um encadernado dele na Eaglemoss, absurdo isso, vacilo da DC, que agora deve estar arrependida, depois de ser surpreendida pelo mega sucesso do Aquaman no cinema.

      Quanto ao Pantera Negra cara, eu acho que o filme fez mais sucesso pela base do empoderamento do que por qualquer outra coisa. Tem tb o fator dele ser do universo Marvel nos cinemas o que ja é uma mão na roda, pois o povo leigo (que é maioria) vai ver simplesmente por fazer parte do consolidado universo Marvel no cinema (merito da Marvel/Disney), então o personagem nem precisa ser conhecido ou reconhecido (algum leigo conhece Pantera Negra ou Capitã Marvel por exemplo? Não, eles nem apareceram em algum desenho famoso na TV ou algo assim). Mas creio que o sucesso do Pantera Negra tenha sido mais pelo empoderamento, tentarão forçadamente ate colocar ele no Oscar kkkk Fizeram isso com Mulher Maravilha tb, tentarão colocar o filme dela no Oscar, mas creio que foi puro empoderamento (quer apostar que isso vai rolar tb com a Capitã Marvel? A suposta maior heroina da Marvel (inventaram agora kkkk)).

      Acho que a Panini fez um teste sim, lançaram um ou dois encadernados de fase recente dele, mas eu acho que foi um fracasso, pois pode ver que a Panini parou mesmo como voce disse, ignorou ele. O melhor lançamento do Pantera Negra nem foi pela Panini, mas pela Salvat.

      Jó o David eu queria ver não só Aquaman dele, mas a fase do X-Factor tb, po eu achava aquele titulo muito bom!

      Abraço!

      Excluir
  7. Valeu, LEO! É sempre legal poder contribuir para o SubmundoHQ!

    Sei que você ainda está em recuperação e imagino que não deve ter sido fácil formatar este post...

    A seleção de capas ficou muito boa. Elas eram ótimas, pena que aqui nós não tivemos a oportunidade de vê-las nas bancas. Para quem não se lembra, a Abril publicou essa fase do Peter David nas revistas do Superboy. O Aquaman apareceu em apenas uma delas (quando se encontrou com o próprio Superboy: www.guiadosquadrinhos.com/edicao/superboy-2-serie-n-2/sb00302/8127). Era um mix bem interessante: além do Aquaman, de Peter David, e do Superboy, de Karl Kesel e Tom Grummett, havia o Lanterna Verde (Kyle Rayner), de Ron Marz.

    Durante o evento Zero Hora, uma das reformulações que mais me deixou curioso (pelas artes de divulgação que a Abril publicou nas suas revistas) foi a do Aquaman, que se tornou uma das minhas leituras favoritas nos anos 90.

    Ao ler esse tipo de artigo do Peter David, vemos que não é por acaso que ele, apesar de ficar anos em um mesmo título, mantinha a coerência das histórias. Ele desenvolvia um projeto de longo prazo e definia bem a essência dos personagens (isso pode ser visto também no texto em que ele trata dos seus roteiros na revista do Hulk: https://textocorridoblog.wordpress.com/2017/11/22/quando-escrevi-o-hulk-peter-david/.

    Mas o que nos irrita nesse artigo é saber que, graças a um editor sem nenhuma sensibilidade editorial, nós não pudemos ver uma parceria entre Peter David e Harlan Ellison em uma saga do Aquaman!

    Agora só nos resta imaginar o que poderia resultar dessa combinação criativa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Martin... blz?

      O "Submundo" é q agradece a sua colaboração mais q bem-vinda e providencial (com o filme do "Aquaman" ainda em cartaz e quebrando recordes): Valeu mesmo!

      E essas capas ficaram bonitas mesmo, hein? A minha preferida d etodas foi a q escolhi pra abrir a postagem: "Crônicas de Atlântida", sem falar q é uma capa raríssima q poucos leitores conhecem (eu mesmo, não a conhecia). Tbm gostei mto das capas das edições anuais: Selecionei 2 delas acima (a estilo PULP ficou animal)!

      E de fato: A matéria acima nos desperta toda sorte de sentimentos, hehe... Interesse em conhecer melhor essa fase, e raiva pela interferência editorial na DC e pela quantidade de PULOS pela Abril!

      No mais... é como vc disse: Fica mta coisa pra imaginação do leitor mesmo!

      Abs!

      Excluir
  8. Parabéns e obrigado ao Martin Fernando por compartilhar essa matéria conosco.
    Essa história com a arte do Esteban Maroto e a fase Keith Giffen & Curt Swan (publicado o arco Aquaman - A Reconquista da Atlântida em DC Especial 7 e Super-Homem 78 com a origem) me interessam mais do que essa fase do Peter David. Infelizmente, são aquelas fazem que começaram interessante e terminaram sem pé nem cabeça como muita coisa nos anos 90. Mas pelos comentários do Peter David da pra notar que as histórias não foram melhores desenvolvidas por interferência dos executivos da editora. Roberto Xavier.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No que se refere à origem e ao que podemos chamar de "ano um" do Aquaman, o trabalho da dupla Giffen e Swan continua imbatível.

      Considero que Peter David mostra o Aquaman numa fase mais madura, sem desconsiderar fatos importantes do passado do personagem. Após o evento Zero Hora, por exemplo, Garth (Aqualad) já é um adulto, Orin já tinha sido casado com Mera, e o filho do casal, ainda bebê, já havia sido tragicamente assassinado.

      Então para mim, como leitor, as fases Giffen/Swan e David acabam se complementando.

      Na série "The Atlantis Chronicles", David se preocupou em criar um pano de fundo histórico ou mitológico para o povo atlante. Parece que está mais para uma aventura de fantasia que de super-herói (não foi por acaso que chamaram Esteban Maroto como desenhista!). David, como ele próprio disse, se esmerou no roteiro dessa minissérie, por isso a considera um dos seus melhores trabalhos.

      Excluir
  9. Oi Léo!!

    Excelente matéria! Parabéns a você e ao Martin Fernando!! Após o sucesso de um grande filme do Aquaman,nada melhor do que um post clássico sobre o "Senhor dos Oceanos",rs!

    Admiro muito os trabalhos de Peter David, especialmente por eu ter lido A Morte de Jean DeWolff e a fase do Hulk cinza que saiu em encadernados capa cartão da Panini! Também gostei do trabalho dele em Epic Mickey!

    Não sabia que David tinha trabalhado nos roteiros do Aquaman! A arte dessas capas estão lindíssimas!! Gostei da capa do Aquaman com o Monstro do Pântano! Achei interessante a ideia do roteirista de colocar um arpão no lugar de uma das mãos do personagem. Acho que foi bom para fugir da mesmice de sempre nas publicações e dar um estilo diferente para o Aquaman! Foi um roteirista ousado,mesmo!

    Espero que o Aquaman de Peter David seja publicado pela Panini algum dia! Já pensou se tivermos uma coleção de Lendas do Aquaman de Peter David?? Seria massa!!

    Abração!
    Leonardo Lopes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que publiquem por menos de 40 reais rs rs rs
      Tá difícil...ou melhor...continua difícil rs

      Excluir
    2. E aí, Léo... blz?

      Valeu mesmo por ter curtido a postagem... Veio em boa hora (no hype do FILME)!

      Aliás, tô ansioso pra ver esse filme: Mas como parei de ir ao cinema, terei q esperar pra baixar ou alugar na NET (como tenho feito ultimamente, rs)!

      E bem lembrado... Sempre esqueço q uma das minhas HQs favoritas do "Aranha" foi escrita pelo David: "A Morte de Jean DeWolff" (valeu pela lembrança, rs)!

      Abs!

      Excluir
  10. . Queria comprar o espadas e bruxas do Maroto lançado pelo PN, mas o preço não ajuda haha. No mais, fiquei feliz e satisfeito com o sucesso do aquaman, espero que a DC tenha aprendido alguma coisa.
    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ae Ivan, consegui pegar o Espadas e Bruxas do Maroto com 50% de desconto, achei caro ainda, mas a arte é excelente assim como as histórias. Gostaria de ver esse Aquaman desenhado por ele. Roberto Xavier.

      Excluir
    2. E aí, Ivan e Roberto... blz?

      Confesso pra vc q TBM achei caro o preço do "Espadas"... E acabei deixando de comprar essa edição. Sei q rolaram uns descontos depois, mas se eu não pego um gibi logo q for lançado, dificilmente pegarei depois: Já q sempre surgem OUTRAS coisas pra comprar (todo mês acontece isso e raramente consigo fazer uma "repescagem" de gibis q perdi)!

      Abs!

      Excluir
  11. Essa fase não tenho na época. Aliás, a maioria de HQ que eu tenho com o personagem é somente como coadjuvante. Agora com todo o sucesso do personagem aí atualmente, ao menos, a Panini poderia lançar um encadernado dessa fase.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem nessas, Marcelo...

      Tbm acho q a Panini tá comendo mosca ao deixar de lançar mais coisas do "Aquaman" em pleno hype do FILME!

      Abs!

      Excluir
  12. Renato Franca15/01/2019 20:37

    A Quarta fase do Aquaman continua inédita aqui,nao sei se é uma fase memorável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Renato...

      A Abril passou a tesoura afú em várias fases do "Aquaman"!

      Abs!

      Excluir
  13. Parabéns,Léo!e ao tradutor Martin Fernando também!David é um dos maiores desenvolvedores de personagens da indústria em todos os tempos!todos peesonagens que passaram muito tempo em suas mãos Hulk,Supergirl/Matrix,Spidey 2099 sairam mudados e maiores!fica a torcida pra que um dia role um "Lendas" do Arthur dele!Ouvi o sr Levi falar alguma coisa do assunto mais nada consistente!abrç e espero que esteja plenamente recuperado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, sergio... blz?

      Brigadão mesmo, brother... Já tô recuperado sim e voltando à ativa aqui no blog, rs!

      E concordo contigo: Gosto mto do Peter David em vários arcos do "Hulk" (especialmente o "Futuro Imperfeito" e o "Casamento de Rick Jones"), "A Morte de Jean DeWolff", e o "Aranha 2099" (q eu curtia mto e ainda tenho em formatinho)!

      Abs!

      Excluir
  14. Leo o que acha de Batman Cavaleiro Branco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí... blz?

      Dei uma olhada na banca e não achei q valia o meu tempo, kkk... Vou passar longe dessa!

      Abs!

      Excluir
  15. Esta será provavelmente uma daquelas matérias mais memoráveis do ano aqui no Submundo HQ.

    Apesar de não ter curtido muito o novo visual do Aquaman proposto pelo roteirista Peter David (e poderia relacionar uma série de motivos para tal), fiquei particularmente impressionado pelas descrições trazidas por ele acerca do trabalho que pôde desenvolver - e daquilo que também poderia ter desenvolvido - com o Aquaman.

    Seja qual for o peso do resultado final do seu trabalho para qualquer um, o fato é que, como narrador do que acontece nos bastidores geralmente hostis de uma produção dessa natureza, o Peter David mostrou-se magistral.
    E excelente este artigo trazido pelo Martin Fernando em conjunto com o imbatível Leo.
    Matérias como essa são o pano de fundo indispensável para termos a verdadeira dimensão do valor de uma obra.

    Abs !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Antonio Jorge... blz?

      Concordo contigo, amigo: O ano mal começou e já temos uma postagem pra ser lembrada qdo 2019 terminar, rs!

      E realmente, né? Impressiona nas declarações do Peter David aquilo q FOI e o q poderia ter SIDO... se não fosse a interferência editorial da DC na época!

      Brigadão tbm por ter curtido esta matéria... Teremos outras colaborações especiais este ano aqui no blog (tô conversando sobre algumas com o Camus e o LUIZ - vale a pena esperar pra ver, hehe)!

      Abs!

      Excluir
  16. E as assinaturas marvel e DC desabilitadas no site da Panini? Primeira vez que vejo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Alexandro...

      A Panini tá começando o ano MAL a meu ver... MTO MAL, aliás: Com erros de revisão e reajustes abusivos (principalmente)!

      Abs!

      Excluir
  17. Leo, estamos com muitas saudades da sua participação no Submundo Hq. Esperamos o seu pronto restabelecimento, para novamente contarmos com a sua presença, inteligência, conhecimento. Deus o proteja e o abençoe, bem como à sua família.
    Eduardo Mendes- Cbá/MT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eduardo... Tdo bem?

      Muito obrigado mesmo, amigo... Passei a semana toda com problemas mesmo (físicos - até estancar uma hemorragia interna q tive por descumprir ordens médicas de repouso - E profissionais: Tô de mudança no meu curso pré-vestibular e mesmo recém- saído de uma cirurgia, tive q tomar a frente dos negócios e burocracias envolvidas, hehe)!

      Mas agora q a turbulência tá passando... Já me recupero bem e estou de volta à ativa aqui no "Submundo": Vou tentar acelerar umas postagens atrasadas pra compensar os dias perdidos, e tocar ficha: Pois este ano teremos mtas novidades, tretas, e malabarismos no mercado nacional de HQs, kkk!

      Q Deus te abençoe tbm... à vc e sua família! Obrigado!

      Abs!

      Excluir
  18. Leo soube que o vol 4 de Lendas Titans será o último. Confere?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí... blz?

      Não, os "Titãs" seguem adiante com mais 8 Vol. este ano (fechando 12 no total)!

      Abs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...